Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quero vender minha franquia! E agora?

Quero vender minha franquia! E agora?

12/03/2014 Diego Simioni

Ser proprietário e operador de uma franquia pode ser um excelente negócio.

Entretanto, em um determinado momento, o franqueado pode desejar se aposentar ou talvez, mesmo lucrativo, o negócio não atendeu as expectativas do empreendedor.

A gestão do dia a dia de um negócio não é fácil, podendo ser desgastante e não se alinhar com os objetivos pessoais do franqueado. Outro motivo frequente para a venda de uma franquia é a mudança da família para outra cidade, distante de onde o negócio está instalado. Independente do motivo, o que o franqueado deve fazer quando decidir vender sua franquia?

A primeira coisa é informar o franqueador de suas intenções. Vender uma franquia não é a mesma coisa que vender um negócio próprio independente. As cláusulas do contrato de franquia são determinantes para definir quais serão os próximos passos, portanto, a primeira coisa é reler seu contrato e entender seus termos. Na dúvida, procure um advogado de sua confiança. Em muitos contratos de franquia, por exemplo, a empresa franqueadora tem a preferência de compra do seu negócio.

Outro ponto importante é que a empresa franqueadora tem o direito de aprovar ou reprovar o futuro comprador. De toda forma, provavelmente a maioria das empresas franqueadoras irão cooperar com franqueado na sua intenção de venda, afinal, é de interesse da própria franqueadora que sua rede continue sólida e não perca espaço de mercado. Entretanto, cooperar não significa que o franqueador irá correr atrás de um futuro comprador.

Como dono do negócio, a responsabilidade pela venda é do franqueado, a não ser que uma estratégia de saída diferente esteja acordada contratualmente - o que acontece na minoria dos casos em algumas grandes redes, como o McDonald’s. Caso a empresa franqueadora não esteja colaborando com a venda da unidade, o franqueado deve procurar outros meios para realizar a venda, tais como, os intermediadores de negócios e anúncios nos classificados e meios de comunicação apropriados.

Na maioria das vezes o potencial comprador é um franqueado atual da rede de uma área próxima. Esse franqueado já conhece o negócio e se estiver contente com seus resultados terá uma ótima oportunidade de desenvolver seu investimento e aumentar seus ganhos. Além disso, é importante deixar claro para qualquer comprador potencial, seja ele da rede ou de fora dela, que o franqueador além de aprovar ou reprovar a compra da unidade, terá de assinar um contrato de franquias que, muitas vezes, pode ser diferente do contrato de franquias da unidade atual, pois o mesmo pode ter sido alterado para refletir novas necessidades da empresa franqueadora.

Na verdade, o ideal é que o franqueado avalie a questão da venda da franquia antes mesmo de entrar no sistema. É interessante que ele entenda o contrato e pergunte ao franqueador se o mesmo já enfrentou essa situação antes e como aconteceu o desenrolar do processo. Normalmente, quando compramos algo não estamos pensando em vender, mas de toda forma esse é o tipíco caso onde prevenir é melhor do que remediar.

* Diego Simioni é administrador de empresas e sócio-fundador da GOAKIRA, consultoria empresarial especializada em franquias.



Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.