Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Quero vender minha franquia! E agora?

Quero vender minha franquia! E agora?

12/03/2014 Diego Simioni

Ser proprietário e operador de uma franquia pode ser um excelente negócio.

Entretanto, em um determinado momento, o franqueado pode desejar se aposentar ou talvez, mesmo lucrativo, o negócio não atendeu as expectativas do empreendedor.

A gestão do dia a dia de um negócio não é fácil, podendo ser desgastante e não se alinhar com os objetivos pessoais do franqueado. Outro motivo frequente para a venda de uma franquia é a mudança da família para outra cidade, distante de onde o negócio está instalado. Independente do motivo, o que o franqueado deve fazer quando decidir vender sua franquia?

A primeira coisa é informar o franqueador de suas intenções. Vender uma franquia não é a mesma coisa que vender um negócio próprio independente. As cláusulas do contrato de franquia são determinantes para definir quais serão os próximos passos, portanto, a primeira coisa é reler seu contrato e entender seus termos. Na dúvida, procure um advogado de sua confiança. Em muitos contratos de franquia, por exemplo, a empresa franqueadora tem a preferência de compra do seu negócio.

Outro ponto importante é que a empresa franqueadora tem o direito de aprovar ou reprovar o futuro comprador. De toda forma, provavelmente a maioria das empresas franqueadoras irão cooperar com franqueado na sua intenção de venda, afinal, é de interesse da própria franqueadora que sua rede continue sólida e não perca espaço de mercado. Entretanto, cooperar não significa que o franqueador irá correr atrás de um futuro comprador.

Como dono do negócio, a responsabilidade pela venda é do franqueado, a não ser que uma estratégia de saída diferente esteja acordada contratualmente - o que acontece na minoria dos casos em algumas grandes redes, como o McDonald’s. Caso a empresa franqueadora não esteja colaborando com a venda da unidade, o franqueado deve procurar outros meios para realizar a venda, tais como, os intermediadores de negócios e anúncios nos classificados e meios de comunicação apropriados.

Na maioria das vezes o potencial comprador é um franqueado atual da rede de uma área próxima. Esse franqueado já conhece o negócio e se estiver contente com seus resultados terá uma ótima oportunidade de desenvolver seu investimento e aumentar seus ganhos. Além disso, é importante deixar claro para qualquer comprador potencial, seja ele da rede ou de fora dela, que o franqueador além de aprovar ou reprovar a compra da unidade, terá de assinar um contrato de franquias que, muitas vezes, pode ser diferente do contrato de franquias da unidade atual, pois o mesmo pode ter sido alterado para refletir novas necessidades da empresa franqueadora.

Na verdade, o ideal é que o franqueado avalie a questão da venda da franquia antes mesmo de entrar no sistema. É interessante que ele entenda o contrato e pergunte ao franqueador se o mesmo já enfrentou essa situação antes e como aconteceu o desenrolar do processo. Normalmente, quando compramos algo não estamos pensando em vender, mas de toda forma esse é o tipíco caso onde prevenir é melhor do que remediar.

* Diego Simioni é administrador de empresas e sócio-fundador da GOAKIRA, consultoria empresarial especializada em franquias.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.