Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Quero vender minha franquia! E agora?

Quero vender minha franquia! E agora?

12/03/2014 Diego Simioni

Ser proprietário e operador de uma franquia pode ser um excelente negócio.

Entretanto, em um determinado momento, o franqueado pode desejar se aposentar ou talvez, mesmo lucrativo, o negócio não atendeu as expectativas do empreendedor.

A gestão do dia a dia de um negócio não é fácil, podendo ser desgastante e não se alinhar com os objetivos pessoais do franqueado. Outro motivo frequente para a venda de uma franquia é a mudança da família para outra cidade, distante de onde o negócio está instalado. Independente do motivo, o que o franqueado deve fazer quando decidir vender sua franquia?

A primeira coisa é informar o franqueador de suas intenções. Vender uma franquia não é a mesma coisa que vender um negócio próprio independente. As cláusulas do contrato de franquia são determinantes para definir quais serão os próximos passos, portanto, a primeira coisa é reler seu contrato e entender seus termos. Na dúvida, procure um advogado de sua confiança. Em muitos contratos de franquia, por exemplo, a empresa franqueadora tem a preferência de compra do seu negócio.

Outro ponto importante é que a empresa franqueadora tem o direito de aprovar ou reprovar o futuro comprador. De toda forma, provavelmente a maioria das empresas franqueadoras irão cooperar com franqueado na sua intenção de venda, afinal, é de interesse da própria franqueadora que sua rede continue sólida e não perca espaço de mercado. Entretanto, cooperar não significa que o franqueador irá correr atrás de um futuro comprador.

Como dono do negócio, a responsabilidade pela venda é do franqueado, a não ser que uma estratégia de saída diferente esteja acordada contratualmente - o que acontece na minoria dos casos em algumas grandes redes, como o McDonald’s. Caso a empresa franqueadora não esteja colaborando com a venda da unidade, o franqueado deve procurar outros meios para realizar a venda, tais como, os intermediadores de negócios e anúncios nos classificados e meios de comunicação apropriados.

Na maioria das vezes o potencial comprador é um franqueado atual da rede de uma área próxima. Esse franqueado já conhece o negócio e se estiver contente com seus resultados terá uma ótima oportunidade de desenvolver seu investimento e aumentar seus ganhos. Além disso, é importante deixar claro para qualquer comprador potencial, seja ele da rede ou de fora dela, que o franqueador além de aprovar ou reprovar a compra da unidade, terá de assinar um contrato de franquias que, muitas vezes, pode ser diferente do contrato de franquias da unidade atual, pois o mesmo pode ter sido alterado para refletir novas necessidades da empresa franqueadora.

Na verdade, o ideal é que o franqueado avalie a questão da venda da franquia antes mesmo de entrar no sistema. É interessante que ele entenda o contrato e pergunte ao franqueador se o mesmo já enfrentou essa situação antes e como aconteceu o desenrolar do processo. Normalmente, quando compramos algo não estamos pensando em vender, mas de toda forma esse é o tipíco caso onde prevenir é melhor do que remediar.

* Diego Simioni é administrador de empresas e sócio-fundador da GOAKIRA, consultoria empresarial especializada em franquias.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli