Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Rachas continuam provocando tragédias

Rachas continuam provocando tragédias

02/10/2013 Milton Corrêa da Costa

O motorista que na madrugada do dia 28 de setembro último e que participava de um racha (pega) em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, provocando a morte de seis jovens- outro foi ferido gravemente- capotando e perdendo o controle de seu veículo, tem 41 anos, nunca foi habilitado e declarou ter ingerido cerveja momentos antes numa festividade próximo ao local da tragédia.

O velocímetro do carro que conduzia foi travado em 140 km/h. O limite de velocidade para o local era de 50 km/h. As vítimas, que estavam num terreno baldio no acostamento da via onde ocorreu o racha, tinham entre 13 e 22 anos.

Ficam, portanto, evidenciados todos os ingredientes de um 'coquetel mortífero', uma tragédia anunciada, onde salta aos olhos o comportamento insensato do condutor no desafio ao perigo, parecendo ter mesmo a certeza da impunidade. Impressiona a forma como virou banalidade transformar o carro numa perigosa arma com motoristas que continuam disputando, em vias públicas, corridas por espírito de emulação e ameaçando a incolumidade de vítimas inocentes.

Outras, nem tão inocentes, fazem parte de plateias, com data, hora e local marcados para incentivar os ditos 'ases do volante'. O assassino do volante foi autuado por homicídio doloso além de inabilitação para conduzir, onde ficou caracterizado o dolo eventual ao assumir o risco em produzir o resultado danoso. Num país de legislação penal mais rígida e menos complacente passaria longos anos no cárcere.

Aqui, o bom comportamento na prisão, apesar do bárbaro crime cometido, o beneficiará com a progressão do regime carcerário. Quanto às vítimas ficarão apenas na saudade eterna de familiares e amigos. Mais seis preciosas vidas perdidas pela imprudência ao volante. Até quando o carro continuará sendo uma perigosa arma mortífera nas mãos de motoristas imprudentes?

*Milton Corrêa da Costa é tenente coronel da reserva da PM do Rio de Janeiro.



O Coringa que te habita

Não é surpresa que o filme “Coringa”, de Joaquim Phoenix e Todd Phillips, tenha obtido 11 indicações ao Oscar.


O fim dos panfletos

O panfleto talvez seja a mais antiga das formas de comunicação.


Correios, se não tiver interessados, fechar…

Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo.


Trabalho voluntário

Trabalho voluntário é o que se faz por vontade própria e que tem intenção de ajudar o próximo.


Qual a diferença entre casamento e união estável?

Advogada explica como funciona os dois tipos de família


Educação e instrução

Sob frondosa tília, em flor, leio o “Bom Jesus do Monte”, de Camilo.


A hora dos partidos começarem a existir

Temos nada menos que 110 partidos políticos. São 33 registrados e 77 já fundados que aguardam registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).


Que venha 2020!

Mais um ano termina e a briga política ideológica entre alguns esquerdopatas e o atual governo parece não ter fim.


Recebi o 13º, é hora de gastar? Não é bem assim!

O assunto já virou clássico de final de ano. O que fazer com o 13º?


Como organizar as finanças pessoais

Organização das finanças para entrar no próximo ano com as contas em dia.


O pião de corda

Nesta tarde cinzenta e chuvosa de Dezembro, ao reler Azorin (Las Confissiones de um Pequeño Filósofo,) ao chegar ao emocionante trecho, evocador do livrinho, que recebera em criança;


Presépio: Admirável sinal

Por ocasião do Natal de 2019, o Papa Francisco publicou a Carta Apostólica: “Admirabile signum”, sobre o significado e o valor do Presépio na vida das pessoas.