Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Rachas continuam provocando tragédias

Rachas continuam provocando tragédias

02/10/2013 Milton Corrêa da Costa

O motorista que na madrugada do dia 28 de setembro último e que participava de um racha (pega) em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, provocando a morte de seis jovens- outro foi ferido gravemente- capotando e perdendo o controle de seu veículo, tem 41 anos, nunca foi habilitado e declarou ter ingerido cerveja momentos antes numa festividade próximo ao local da tragédia.

O velocímetro do carro que conduzia foi travado em 140 km/h. O limite de velocidade para o local era de 50 km/h. As vítimas, que estavam num terreno baldio no acostamento da via onde ocorreu o racha, tinham entre 13 e 22 anos.

Ficam, portanto, evidenciados todos os ingredientes de um 'coquetel mortífero', uma tragédia anunciada, onde salta aos olhos o comportamento insensato do condutor no desafio ao perigo, parecendo ter mesmo a certeza da impunidade. Impressiona a forma como virou banalidade transformar o carro numa perigosa arma com motoristas que continuam disputando, em vias públicas, corridas por espírito de emulação e ameaçando a incolumidade de vítimas inocentes.

Outras, nem tão inocentes, fazem parte de plateias, com data, hora e local marcados para incentivar os ditos 'ases do volante'. O assassino do volante foi autuado por homicídio doloso além de inabilitação para conduzir, onde ficou caracterizado o dolo eventual ao assumir o risco em produzir o resultado danoso. Num país de legislação penal mais rígida e menos complacente passaria longos anos no cárcere.

Aqui, o bom comportamento na prisão, apesar do bárbaro crime cometido, o beneficiará com a progressão do regime carcerário. Quanto às vítimas ficarão apenas na saudade eterna de familiares e amigos. Mais seis preciosas vidas perdidas pela imprudência ao volante. Até quando o carro continuará sendo uma perigosa arma mortífera nas mãos de motoristas imprudentes?

*Milton Corrêa da Costa é tenente coronel da reserva da PM do Rio de Janeiro.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.