Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reajuste da tabela do IRPF

Reajuste da tabela do IRPF

28/08/2011 José Maria Chapina Alcazar

O brasileiro que paga em tributos pelo menos quatro meses, ou 120 dias, de trabalho deve se preparar para aumentar um pouco mais sua cota de contribuição à arrecadação pública.

Os deputados aprovaram em Brasília, no começo deste mês, a Medida Provisória 528, confirmando o reajuste da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física em 4,5%, em vigor desde 1º de abril, mesma taxa a ser aplicada anualmente até 2014. É um reajuste bastante insatisfatório diante da perspectiva de uma inflação de 6,15% em 2011, projeção essa divulgada pelo boletim Focus, do Banco Central, um dia antes da votação no Congresso. Está abaixo ainda da taxa registrada em 2010, de 5,91% de elevação no IPCA. O reajuste em 4,5% promove novo aumento disfarçado da carga tributária bancada pelos cidadãos. Ele não cobre a inflação imediata, tampouco uma defasagem que vem sendo acumulada desde 1995. Para piorar, contribui mesmo para a elevação progressiva desta diferença.

A permanecer o teor da MP, a grande discrepância observada desde 1995 entre o reajuste da tabela e os índices inflacionários se perpetuará. Estudos realizados pelo Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) apontam que esse gap atingiu a 64,1% no final de 2010. Cabe agora aos senadores dizerem se pretendem ou não manter tamanha injustiça contra o contribuinte brasileiro. Se não aprovarem a MP até dia 8 de agosto, esta perderá seu efeito e a situação se agravará, pois voltaremos à situação anterior a abril – ou seja, sem reajuste algum. Mas se mantiverem os 4,5%, a defasagem acumulada nos últimos anos será ampliada. O que os senadores poderiam fazer é, ao menos, equiparar a correção à inflação de 2010, deixando importante contribuição para que se interrompa o ciclo de corrosão do poder de compra de nossos cidadãos.

E estimulando, de outro modo, uma situação mais favorável ao ciclo virtuoso da economia, colocando-a nos trilhos do crescimento sustentável, o qual demanda as reformas estruturais tão clamadas pelo empresariado e a sociedade brasileira. Do ponto de vista do Sescon, a reforma tributária é a principal delas. Certamente dependemos também de melhor infraestrutura em logística, como portos, aeroportos e estradas, e de uma educação de qualidade que forme cidadãos plenamente habilitados e capacitados a enfrentarem os desafios do mercado de trabalho. Entretanto, enquanto vivermos sob o regime de um sistema tributário remendado, com sobreposição de impostos e/ou sua desatualização em relação aos indicadores econômicos, estaremos diminuindo a capacidade de investimento do setor privado. O recente reajuste aprovado pelos deputados em Brasília sobre a tabela do IRPF é mais um remendo, entre milhões de alterações processadas nas últimas décadas.

Em 23 anos, por exemplo, o Brasil assistiu à edição de mais de 3,7 milhões de normas tributárias, as quais tiveram somente o intuito de operar como fermento no bolo da arrecadação pública, em vez de reparar perdas ou injustiças praticadas tanto contra o contribuinte físico quanto o jurídico.  O resultado é o inaceitável crescimento progressivo da carga tributária sobre a renda, incompatível com o sonho do desenvolvimento. Projeções extraoficiais dão conta de que ela superou 35% em 2010, mantendo o Brasil com padrão de impostos de Primeiro Mundo, mas de perfil de investimentos públicos próximo das nações subdesenvolvidas. Estamos entre os dez países que mais pagam tributos no mundo, no entanto, em termos de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), registramos apenas a 73ª posição entre 169 nações avaliadas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Também nos indicadores relativos ao desempenho em educação, nosso país amargou posição de Terceiro Mundo.

Resultados do PISA 2010 - Programa Internacional de Avaliação de Alunos aplicado a cada três anos pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – nos colocaram em 53.º lugar entre os 65 países avaliados. Esse novo episódio da saga tributária brasileira volta a sinalizar que, independente dos nomes ou cores partidárias que venham ocupando o governo, o setor público parece irremediavelmente tomado pelo vício de aumentar impostos como forma de atender a algumas metas macroeconômicas mais imediatas e cobrir buracos orçamentários. Nossos contribuintes não podem continuar à mercê desta falta de planejamento de governo e de Estado para curto, médio e longo prazo, o qual demandaria a racionalização da máquina pública em concomitância com novo sistema tributário, além do equacionamento do déficit previdenciário e do estímulo efetivo ao crescimento sustentável.

José Maria Chapina Alcazar* é empresário, é presidente do SESCON-SP (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo) e da AESCON-SP (Associação das empresas da atividade).



Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes