Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Recall político, um passo de democracia

Recall político, um passo de democracia

12/03/2020 Léo Rosa de Andrade

Confiança. Esta me parece ser a palavra mais adequada para significar a liga vinculante das relações pessoais e sociais.

Penso confiança como a aposta e depois a torcida para que nossos investimentos, sejam os afetivos (pessoais), sejam os políticos (públicos), deem certo.

Não concebo confiança como entrega cega, que aliena a responsabilidade que atine a cada um manter em suas relações.

Confio no outro com quem me relaciono em caráter privado ou público, mas não renuncio aos direitos e deveres para com o vínculo que se estabelece.

Nas escolhas que nos compete fazer de autoridades públicas, a confiança é necessária, ou tudo estará fragilizado. A suspeita desgasta os liames da Nação e deixa sem o devido respeito os titulares dos Poderes do Estado. Se queremos conviver, não confiar não é uma opção razoável.

Agora, o indivíduo não alienado – o cidadão –, que é mais que um mero eleitor, deve reservar-se um adequado tanto de ceticismo.

Não a suspeita de quem imputa acusações gerais, sem nome indicado ou fato narrado, tipo: “todo político é ladrão”. Mas uma desconfiança metódica.

O ceticismo metódico, nas relações políticas de uma Sociedade, não pode ser pessoal, pois seria irrelevante, surtiria efeitos limitados; mais um desabafo particular do que um gesto cívico. Devem ser construídos meios institucionais por meio dos quais a cidadania articulada possa atuar.

Falta-nos uma instituição que supervisione, com efeitos políticos, os políticos eleitos. Não há previsão de providências quanto às decepções pós-eleitorais.

E não falo do político ladrão, que esse, havendo provas (e muitas vezes sem elas) é levado às barras dos tribunais.

Nosso desgosto está no desinteresse, na incompetência, na inoperância, na traição das promessas que os marqueteiros redigem e que os candidatos leem sem compromisso. Estamos enfastiados. Isso nos desinteressa pela República. Mas sabemos que não podemos abandoná-la.

Na Idade Média houve o mandato imperativo: a atuação do político era vinculada à vontade estrita dos seus representados.

O eleito ficava sem margem de interpretação do melhor interesse público. Tal formulação restou impraticável, e menos ainda o seria numa democracia de massas.

A ideia prevalecente, e em verdade correta, é a de que o mandatário político representa toda a Nação. Ele não é o delegado de interesses específicos, mas o representante fiduciário da coletividade que, ao seu honesto alvitre, interpreta fatos e conveniências e cumpre a vontade geral.

Mas se o mandatário trai suas obrigações cívicas, que fazer? Bem, há um instituto usado em alguns países que se chama recall.

Trata-se de uma forma de revogação de mandato aplicável quando o descontentamento dos eleitores para com um determinado político é significativamente amplo.

Usa-se uma petição (notice of intente to recall petition) com objetivo de retirada de poder, assinada por um número mínimo previsto de eleitores e dirigida diretamente à autoridade pública que sofreu perda de confiança, requerendo-se a sua substituição ou demissão do cargo.

Se a autoridade requerida se nega a atender o solicitado, seja por omissão de resposta, seja por responder negativamente, é realizada votação conforme previsto em lei, submetendo-se aos eleitores que caibam votar a cédula com as opções de confirmar, ou não, a remoção intentada.

Com algumas variações, muitos lugares empregam o instituto. Mais em municípios, mas não só. Nós, ocasionalmente temos ímpetos de reforma política, mas, suspeito, quem alcançou o poder pelas regras vigentes não as mudará, e menos ainda inventará de se “expor” à inspeção popular.

Mas – confiança – uma revisão honesta de nossas leis eleitorais bem que poderia contemplar o instituto do recall.

Talvez com um caminho legal para exercer reclamação de político os cidadãos não desistamos da política como lugar e meio de organização da vida em comum.

* Léo Rosa de Andrade é escritor, professor, psicanalista e jornalista.

Fonte: Léo Rosa de Andrade



Governar com economia e sem aumentar impostos

Depois de alguns tiros no pé, como as duas Medidas Provisórias que o presidente editou com o objetivo de revogar ou inviabilizar leis aprovadas pelo Congresso Nacional - que foram devolvidas sem tramitação - o governo admite promover o enxugamento de gastos.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


A poderosa natureza

O dinheiro é um vírus que corrompe tudo e quando a pessoa se “infecta”, dificilmente se livra.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


A maior eleição do mundo e o nacionalismo hindu

O ano de 2024 está sendo considerado o superano das eleições pelo mundo. Ao todo, mais de 50 países terão pleitos variados, dentre os quais o Brasil e os Estados Unidos.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso