Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Recebi o 13º, é hora de gastar? Não é bem assim!

Recebi o 13º, é hora de gastar? Não é bem assim!

30/12/2019 Daniel Prudêncio

O assunto já virou clássico de final de ano. O que fazer com o 13º?

A resposta é: depende. Sim, depende da situação financeira de cada pessoa. Existem alguns caminhos a serem seguidos. E normalmente eles passam por três vias: dívidas, investimentos e celebrações.

Em uma dívida de curto prazo em que seja possível quitar todo o valor com o 13º salário, esse é o melhor caminho. Isso porque quase sempre os juros de créditos e empréstimos são muito maiores do que os de investimentos.

Logo, se você mantiver essa dívida ao mesmo tempo em que investe outro valor, estará perdendo dinheiro.

Entretanto, se não for possível quitar todas as dívidas de uma só vez, o melhor caminho é a renegociação do valor, fazendo uso do 13º para amortizar uma parte do débito, e por fim utilizando o restante para pagar as parcelas seguintes juntamente com o recebimento dos próximos salários.

Além disso, precisamos nos atentar a outro importante aspecto para o nosso dia a dia financeiro. Junto com essas negociações e pagamento de débitos anteriores, é vital sempre que possível, deixar um valor investido para imprevistos.

Essa quantia é conhecida como fundo de emergência. Todos nós estamos sujeitos a acidentes, doenças, oportunidades repentinas e mudanças inesperadas. Por isso, ter um recurso sempre disponível é de extrema importância.

Os produtos normalmente utilizados para essa modalidade são os CDB’s, Tesouro Selic e fundos de liquidez diária.

Já para as pessoas que não possuem pendências financeiras, este pode ser o momento de guardar parte dos recursos para os investimentos de longo prazo como as ações, fundos multimercado, fundos imobiliários, tesouro Inflação e CDB’s de longo prazo.

Também não podemos nos esquecer que janeiro é um mês de altos gastos – IPTU, IPVA, matrícula e material escolar –.

Como essa parte do saldo deve estar disponível para o uso já no próximo mês, a alocação desse valor também deve ser feita nos mesmos produtos de liquidez diária citados anteriormente.

Agora vem a última situação e também a mais prazerosa no uso do 13º. Se uma pessoa não possui dívidas e já tem os seus investimentos planejados e organizados, nada mais justo que estes valores sejam usados para as celebrações e lazer como as viagens, presentes, jantares comemorativos, etc.

Para finalizar, um assunto que tem sido muito falado nos dias atuais e deve ser abordado é o panorama atual de taxas de juros baixíssimas, principalmente, se comparado ao histórico brasileiro.

Nesse cenário é mais importante ainda saber como e onde investir, já que muitos investimentos tradicionais de renda fixa estão com um rendimento baixo. Esse processo decisório pode fazer ainda mais diferença no projeto de investimento de cada um.

Por isso, uma boa ideia é aproveitar o clima de final de ano e, porque não, colocar como resolução para 2020, começar uma carteira de investimentos para realizar aqueles projetos de longo prazo?

Sem dúvida, o 13º pode ser um belo empurrão. Até porque com um valor maior, é possível elaborar uma carteira de investimentos melhor e mais diversificada, para isso é sempre recomendada a ajuda de uma assessoria de investimentos para auxiliar neste processo.

* Daniel Prudêncio é assessor de investimentos da Monteverde Investimentos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves