Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reeleição, um mal nacional

Reeleição, um mal nacional

03/03/2009 Dirceu Cardoso Gonçalves

Vivemos fevereiro de 2009. Faltam ainda 20 meses para as eleições de presidente, governador, senador e deputados.

Os eleitos do pleito anterior (prefeitos e vereadores) acabaram de tomar posse e, muitos deles, ainda se aclimatam nos cargos para depois começar a trabalhar. E, lamentavelmente, já está deflagrado o processo para a sucessão presidencial. Isso é ruim para o país e para o povo brasileiro, que esperam trabalho de seus governantes de todos os níveis. O que temos verificado nos últimos tempos é o presidente Lula atuando como garoto-propaganda da ministra Dilma Roussef, a quem quer fazer sua sucessora e pelo menos dois governadores - os tucanos José Serra, de São Paulo, e Aécio Neves, de Minas Gerais - medindo forças para viabilizar suas candidaturas à presidência da República. A campanha presidencial já é o tema principal quando nem bem saímos das eleições municipais.

E o mais grave é que os cidadãos envolvidos na contenda têm mandatos a cumprir e obrigações anteriormente assumidas com o povo que os elegeu em seus atuais cargos. Sabe-se há muito tempo que os quatro anos de um mandato eletivo são reduzidos para dois realmente produtivos, pois a cada dois anos existem eleições: as gerais e as municipais. Quando lança Dilma prematuramente, o presidente Lula presta um desserviço à nação, pois joga fora um ano do seu segundo mandato. Agora, que o governo deveria estar no estirão final de suas realizações, fica preocupado com a construção da figura da sucessora. Em contrapartida, os seus opositores, que têm a missão de governar dois dos principais Estados da Federação, também colocam-se como candidatos, desviando suas atenções da tarefa assumida com o povo nas eleições de 2006.

E não adianta dizer que conseguem governar e fazer campanha, pois todo o povo sabe que isso é impossível. Ao priorizar a campanha prematura, Lula vale-se de seu carisma para não se transformar num pato manco - aquela imagem que toma conta do governante no período em que já foi eleito o seu sucessor - e Serra, Aécio e todos os que têm mandato e estão dispostos a concorrer em 2010 correm o risco de não governar da melhor forma seus Estados. Bem analisada, essa situação demonstra falta de seriedade. Todo político - de vereador a presidente da República - assume com o povo o compromisso de legislar ou governar durante quatro anos.

Se perdem dois anos em campanha, estão enganando o povo. É por isso que somos contrários à reeleição para cargos executivos e, para o bem do país e da administração pública, temos todos a obrigação de lutar para que as candidaturas não sejam colocadas prematuramente, como está ocorrendo agora. Senhores detentores de mandatos eletivos e de cargos públicos. Trabalhem! Eleição, só no ano que vem...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira