Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reeleição, um mal nacional

Reeleição, um mal nacional

03/03/2009 Dirceu Cardoso Gonçalves

Vivemos fevereiro de 2009. Faltam ainda 20 meses para as eleições de presidente, governador, senador e deputados.

Os eleitos do pleito anterior (prefeitos e vereadores) acabaram de tomar posse e, muitos deles, ainda se aclimatam nos cargos para depois começar a trabalhar. E, lamentavelmente, já está deflagrado o processo para a sucessão presidencial. Isso é ruim para o país e para o povo brasileiro, que esperam trabalho de seus governantes de todos os níveis. O que temos verificado nos últimos tempos é o presidente Lula atuando como garoto-propaganda da ministra Dilma Roussef, a quem quer fazer sua sucessora e pelo menos dois governadores - os tucanos José Serra, de São Paulo, e Aécio Neves, de Minas Gerais - medindo forças para viabilizar suas candidaturas à presidência da República. A campanha presidencial já é o tema principal quando nem bem saímos das eleições municipais.

E o mais grave é que os cidadãos envolvidos na contenda têm mandatos a cumprir e obrigações anteriormente assumidas com o povo que os elegeu em seus atuais cargos. Sabe-se há muito tempo que os quatro anos de um mandato eletivo são reduzidos para dois realmente produtivos, pois a cada dois anos existem eleições: as gerais e as municipais. Quando lança Dilma prematuramente, o presidente Lula presta um desserviço à nação, pois joga fora um ano do seu segundo mandato. Agora, que o governo deveria estar no estirão final de suas realizações, fica preocupado com a construção da figura da sucessora. Em contrapartida, os seus opositores, que têm a missão de governar dois dos principais Estados da Federação, também colocam-se como candidatos, desviando suas atenções da tarefa assumida com o povo nas eleições de 2006.

E não adianta dizer que conseguem governar e fazer campanha, pois todo o povo sabe que isso é impossível. Ao priorizar a campanha prematura, Lula vale-se de seu carisma para não se transformar num pato manco - aquela imagem que toma conta do governante no período em que já foi eleito o seu sucessor - e Serra, Aécio e todos os que têm mandato e estão dispostos a concorrer em 2010 correm o risco de não governar da melhor forma seus Estados. Bem analisada, essa situação demonstra falta de seriedade. Todo político - de vereador a presidente da República - assume com o povo o compromisso de legislar ou governar durante quatro anos.

Se perdem dois anos em campanha, estão enganando o povo. É por isso que somos contrários à reeleição para cargos executivos e, para o bem do país e da administração pública, temos todos a obrigação de lutar para que as candidaturas não sejam colocadas prematuramente, como está ocorrendo agora. Senhores detentores de mandatos eletivos e de cargos públicos. Trabalhem! Eleição, só no ano que vem...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos: