Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reflexões de fim de ano

Reflexões de fim de ano

30/12/2020 Marihá Lopes

Chega, 2020! Já deu! Que ano, meus amigos! Que ano!

Começamos 2020 com muitas alegrias, carnaval chegando para a animação de todos e, de um dia para o outro, entramos em quarentena.

Tudo fechado e a necessidade de nos mantermos reclusos para diminuir a propagação do novo coronavírus.

O que ouvíamos foi diferente do que acabou sendo: a quarentena de 15 dias passou para mais de 40 e extrapolou todos os limites.

Limite, do dicionário: momento, espaço de tempo que determina uma duração ou que separa duas durações. Em 2020, ultrapassamos todos os limites.

Na área da saúde mental, o que se viu foi uma explosão de casos de ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático provenientes do que foi vivido ao longo da quarentena imposta pela pandemia. Momentos de luta e de luto.

A ideia deste texto não é trazer dicas de como diminuir os sintomas de ansiedade ou da depressão. Já lemos sobre isso durante todo o ano.

A proposta é focar no que ainda deu certo esse ano, como uma tentativa de impor esse limite e colaborar para que possamos ver e viver também as coisas boas realizadas.

Nesses momentos é comum usarmos uns “óculos escuros” onde tudo o que podemos ver à nossa frente está totalmente distorcido ou passando despercebido.

Tentarmos perceber o que ainda tem de bom ao nosso redor nos ajuda a tirar um pouco esses “óculos”. Apesar de termos recebido enxurradas de notícias ruins, tivemos muitas coisas boas e humanas feitas.

Muitas coisas foram modificadas ao longo desses últimos meses. Tivemos relatos de fortalecimento de vínculos pessoais e inovações pensadas para diminuir os impactos vividos por todos nós durante a pandemia.

Observamos o quanto o ser humano consegue se reinventar, apesar de toda dor, para ajudar quem mais precisa.

Em meio a um misto de emoções com notícias trazendo números crescentes da doença, vimos pessoas que conseguiram elaborar projetos e ações para diminuir o seu impacto na vida de muitas outras pessoas.

Apesar de toda dor, o homem ainda conseguiu impor esse limite, separando o desespero vindo com o vírus do que ainda há de bom nos seres humanos: companheirismo, ajuda humanitária e contribuições sociais.

Imponha esse limite, tire esses “óculos escuros” e tente perceber o que de positivo foi feito próximo a você.

* Marihá Lopes é psicóloga clínica, especialista em terapia cognitiva comportamental e psicologia social.

Fonte: Fato Coletivo



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.