Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reforma do Imposto de Renda: transparência é fundamental

Reforma do Imposto de Renda: transparência é fundamental

16/08/2021 Silvania Tognetti

Entra em votação o Projeto de Lei 2.337/21 disfarçado de Reforma Tributária e trazendo aumento de carga tributária que afetará com mais força os empresários de pequenas e médias empresas.

Isto sem contar em mais um ponto para a perda de competitividade internacional para o nosso país, que com o momento econômico, pandêmico e político não precisaria de mais desincentivo.

A frase repetida pela equipe econômica é populista e irreal: vamos acabar com a injustiça da isenção dos dividendos que favorece os mais ricos em detrimento da população menos favorecida.

Primeiro, é importante lembrar que o nosso maior problema não é exatamente a tributação da renda, mas a tributação do consumo altamente regressiva.

Depois é bom esclarecer que uma tabela progressiva mais equilibrada e justa seria a resposta mais adequada para o problema.

Mas o mais relevante é que a isenção dos dividendos é uma falácia porque o que temos no Brasil é a concentração da tributação na pessoa jurídica, que arca com alíquotas mais altas compensando eventual tributação dos sócios.

Na tributação da renda das pessoas jurídicas e seus sócios um elemento de grande complexidade é examinar se as operações da empresa podem representar uma distribuição disfarçada de lucros.

Muitas vezes é um expediente de planejamento tributário, mas em muitos casos decorrem da operação e as operações intragrupo econômico fazem parte da estratégia de redução de custos.

Sem muitos detalhes técnicos, tributar dividendos é aumentar complexidade e a necessidade de fiscalização.

E, neste caso, a fiscalização passará pela avaliação individualizada porque nem tudo se resolve com parâmetros objetivos: o carro da empresa é uma forma de distribuição disfarçada de lucros para os sócios?

Depende… Este será o cenário para inúmeras situações que, se mantida a tradição do nosso legislador tributário, será resolvida com várias ficções sem correspondência com a realidade e com fins arrecadatórios que tratarão como distribuição disfarçada de lucros operações legítimas.

Mas o tema da transparência não decorre apenas de questões mais técnicas que pode ser de mais difícil compreensão como a técnica de tributação da renda.

Fala-se que haverá redução da alíquota do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas para 12,5% para compensar a tributação do dividendo, mas NÃO É O QUE ESTÁ ESCRITO NO PROJETO DE LEI!

Sim, o projeto de lei apenas reduz a alíquota principal do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica que passará de 15% para 12,5%, mas esta alíquota é aplicada para a parcela do lucro anual até 240 mil reais.

O adicional de 10% de imposto de renda que incide para o lucro anual acima de 240 mil reais, não vai ser alterada.

Ou seja, o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica passará de 25% para 22,5% e não 12,5%! E é importante explicar que ainda permanece a cobrança da Contribuição Social para o Lucro.

Em síntese, a tributação sobre o lucro sai de 34% para 31,5%, o que não parece ser uma redução que compense uma tributação sobre os dividendos da ordem de 20%.

E tem mais, não confere a informação de que haverá uma equiparação do sócio pessoa física ao empregado.

Este último paga alíquota máxima de 27,5%, mas como adiantamento na declaração de ajuste do imposto de renda da pessoa física e, portanto, pode se valer de reduções e descontos que adequem o valor retido à efetiva capacidade contributiva da pessoa física.

No que consta do projeto de lei, a tributação dos dividendos será exclusiva na fonte, ou seja, sem possibilidade de qualquer ajuste.

Portanto, não se trata de equiparação entre contribuintes pessoas físicas, mas uma tributação maior para os sócios.

Neste tema da tributação da pessoa física é bom destacar que o problema no país não é alíquota porque 27,5% com ajustes é razoável, o problema é a limitação fantasiosa dos descontos os defasados descontos e faixa de isenção.

Não encontram qualquer relação com o mundo real, as limitações para educação, por exemplo, e muitas outras despesas necessárias dos contribuintes são ignoradas, como o próprio transporte para o trabalho que, parcialmente, é assumido pela maioria dos trabalhadores.

Se queremos uma tributação da pessoa física mais justa, vamos conversar sobre capacidade contributiva.

Também está mal explicada a situação das pessoas jurídicas submetidas ao SIMPLES e que apuram o lucro pela base presumida.

Muitos destes contribuintes fazem opção pela simplicidade das informações contábeis e, muitos deles, pagam imposto de renda mesmo tendo prejuízos ou com lucro menor do que o apurado com a base presumida.

Para estes, acrescentar uma tributação de 20% sobre a distribuição de dividendos é um aumento significativo da carga tributária.

Neste contexto em que informações básicas estão sendo distorcidas, nossos deputados acreditam que o projeto de lei está “pronto para ser votado”. Falta transparência e sobram complexidades e desinformações.

* Silvania Tognetti é advogada especialista em Direito Tributário e sócia do Tognetti Advocacia.

Para mais informações sobre Imposto de Renda clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vera Moreira Comunicação



O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre