Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Regimes tributários como planejamento empresarial

Regimes tributários como planejamento empresarial

29/01/2021 Carlos Pires

Ano novo é época de se planejar e a primeira decisão que a empresa deve fazer, é definir qual regime tributário será adotado para a temporada.

A escolha certa é essencial para a saúde financeira da empresa e continuidade dos negócios, resultando em economias necessárias, principalmente no momento atual.

O regime tributário são as leis que regem e indicam todos os tributos que as empresas devem pagar ao governo. No Brasil, existem três principais sistemas, sendo eles: Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real.

O Simples Nacional costuma ser a primeira opção procurado por empresários por oferecer alíquotas menores e administração tributária simplificada, com opção de pagamento através de uma única guia.

Este tipo de regime previsto na Lei Complementar nº123, de 2006, é preciso enquadrar nas definições de microempresas (faturamento anual de até R$360 mil) ou empresas de pequeno porte (faturamento anual de até R$4,8 milhões).

O Simples Nacional é irretratável pra todo o ano-calendário, ou seja, não é passível de ser anulado, revogado ou alterado por ato posterior.

Ele abrange os seguintes tributos: IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica), CSLL (Contribuição Social Sobre o Imposto Líquido), PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP).

Outra forma de tributação é o Lucro Presumido. Considerado um regime simplificado, a Receita Federal determina a base de cálculo do IRPJ e da CSLL fundamentado nas receitas da empresa.

Ou seja, a quantidade de imposto que deve ser pago, varia de acordo com o lucro previsto para a empresa.

O cálculo é feito através de tabelas padronizadas da Receita, uma para o IRPJ e outra para o CSLL, com valores prefixados conforme a atividade da empresa.

Alguns setores não podem optar por esse regime, como empresas do mercado financeiro e pessoas jurídicas com lucros oriundos do exterior.
Para esses setores, são obrigados a aderir ao Lucro Real como forma de regime. Considerado mais complexo, a empresa que escolher este regime, precisa cumprir algumas obrigações contábeis e fiscais.

Ao contrário do Lucro Presumido, a carga tributária a ser paga não é baseada em estimativas e sim, no valor real arrecado. Por esse motivo, é fundamental ter um controle cirúrgico sobre as receitas e despesas da empresa.

Caso o controle financeiro não seja preciso, é possível que o empreendimento receba multas na hora de levantar os tributos a serem pagos.

Escolher o regime tributário ideal para sua empresa leva em conta uma série de fatores. Cada regime tributário tem suas vantagens e suas desvantagens. Uma empresa pode optar pelo Lucro Presumido por ser mais simples.

Entretanto, o lucro da empresa pode estar abaixo do valor fixado pela Receita Federal, e assim, a empresa acaba pagando mais impostos do que o necessário.

A análise correta da forma de tributação faz parte do planejamento empresarial e é decisiva no fechamento das contas.

* Carlos Pires é diretor da Pró Resultado.

Fonte: Partners Comunicação Pro Business



Administração de escritórios de advocacia requer planejamento e controle de fluxos

A maneira como uma corporação é administrada repercute diretamente em sua evolução.


Mortes e vidas virtuais

Um grande empresário da internet divulgou recentemente a criação de um universo totalmente on-line.


Contra a ignorância política e administrativa

A pesquisa da consultoria Quaest, que encontrou, entre os pesquisados, 78% que apenas “já ouviram falar” do STF e 80% do TSE e o não conhecimento das funções daqueles dois órgãos superiores, é a mais escandalosa prova da ignorância do povo que recentemente, em outro levantamento, também mostrou não saber o que faz o Congresso Nacional.


Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.