Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Religião é uma arma

Religião é uma arma

17/04/2017 Jan D. Walter (DW)

Uma fé comum pode unir pessoas, mas é justamente aí que mora o perigo.

Religião é uma arma

Quem determina a interpretação de uma religião pode trazer a paz ou a destruição, opina o jornalista Jan D. Walter.

A agonizante questão da existência e da morte faz com que, desde tempos remotos, as pessoas procurem respostas para além do mundo material. A crença em Deus e a espiritualidade são maneiras altamente pessoais de se encontrar a paz interior.

Quando a fé se institucionaliza no contexto social e se torna uma religião, cabe a ela ainda uma função completamente diferente: criar uma identidade comum. Ela une as pessoas, faz com que se ajudem mutuamente. Em casos de litígio, preceitos morais comuns ajudam a achar uma solução amigável. Dessa forma, a religião também contribuiu para a paz social.

O mesmo vale também para outros elementos de identificação, como a cultura ou origens familiar e étnica. A coesão social faz com que membros de uma comunidade cooperem e os fortalece – em termos sociais, econômicos e contra ameaças de outras comunidades.

Mas a coesão social também abriga um perigo: que tal grupo de indivíduos se torne um coletivo. Quando mais forte for a identidade comum, maior é esse perigo. Pois o rompimento com a comunidade pode custar a identidade a um indivíduo. Isso representa um obstáculo psicológico extremamente elevado e faz com que uma pessoa subordine seus desejos e necessidades, e também a sua moral, ao coletivo, em vez de questionar ambos.

As religiões contêm – como as ideologias totalitárias – um potencial particularmente grande de gerar tais dependências. Pois elas oferecem muitas respostas. Para muitos, isso é mais fácil e mais atraente do que uma sociedade liberal, na qual a dúvida determina o grau de conhecimento.

O outro lado é: quem mesmo assim questiona é logo repudiado. E quem fica não é mais capaz de duvidar sem trair a si mesmo.

Na maioria das religiões – e ideologias totalitárias – formaram-se correntes moderadas ao longo do tempo, em que os membros puderam lançar questionamentos e de fato o fizeram. No mundo cristão, esse processo se iniciou há exatamente 500 anos – e continua até hoje.

É fácil reconhecer onde se encontra o perigo disso tudo: um grupo de indivíduos críticos pode ser influenciado. Mas as pessoas que se veem como parte de um coletivo podem ser manipuladas por aqueles que conseguem impor a sua doutrina. Para esses líderes, religiões e ideologias se tornam armas com as quais eles podem mobilizar as massas a seu favor.

E é justamente isso o que acontece regularmente na história da humanidade, vindo a custar muitas vezes a vida, a liberdade e a paz de muitas pessoas. Em outros casos, a religião garantiu a vida, a liberdade e a paz tanto de fiéis quanto de não fiéis.

Com vista às consequências, é inútil discutir se uma religião foi usada ou manipulada para determinado propósito. O certo é: a religião é uma arma que pode servir a este ou àquele objetivo.

Neste sentido, é absolutamente legítimo exortar as autoridades religiosas a participar de processos de paz. A exigência é então: empreguem a arma – contra a guerra e pela paz.



Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?