Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Religião é uma arma

Religião é uma arma

17/04/2017 Jan D. Walter (DW)

Uma fé comum pode unir pessoas, mas é justamente aí que mora o perigo.

Quem determina a interpretação de uma religião pode trazer a paz ou a destruição, opina o jornalista Jan D. Walter.

A agonizante questão da existência e da morte faz com que, desde tempos remotos, as pessoas procurem respostas para além do mundo material. A crença em Deus e a espiritualidade são maneiras altamente pessoais de se encontrar a paz interior.

Quando a fé se institucionaliza no contexto social e se torna uma religião, cabe a ela ainda uma função completamente diferente: criar uma identidade comum. Ela une as pessoas, faz com que se ajudem mutuamente. Em casos de litígio, preceitos morais comuns ajudam a achar uma solução amigável. Dessa forma, a religião também contribuiu para a paz social.

O mesmo vale também para outros elementos de identificação, como a cultura ou origens familiar e étnica. A coesão social faz com que membros de uma comunidade cooperem e os fortalece – em termos sociais, econômicos e contra ameaças de outras comunidades.

Mas a coesão social também abriga um perigo: que tal grupo de indivíduos se torne um coletivo. Quando mais forte for a identidade comum, maior é esse perigo. Pois o rompimento com a comunidade pode custar a identidade a um indivíduo. Isso representa um obstáculo psicológico extremamente elevado e faz com que uma pessoa subordine seus desejos e necessidades, e também a sua moral, ao coletivo, em vez de questionar ambos.

As religiões contêm – como as ideologias totalitárias – um potencial particularmente grande de gerar tais dependências. Pois elas oferecem muitas respostas. Para muitos, isso é mais fácil e mais atraente do que uma sociedade liberal, na qual a dúvida determina o grau de conhecimento.

O outro lado é: quem mesmo assim questiona é logo repudiado. E quem fica não é mais capaz de duvidar sem trair a si mesmo.

Na maioria das religiões – e ideologias totalitárias – formaram-se correntes moderadas ao longo do tempo, em que os membros puderam lançar questionamentos e de fato o fizeram. No mundo cristão, esse processo se iniciou há exatamente 500 anos – e continua até hoje.

É fácil reconhecer onde se encontra o perigo disso tudo: um grupo de indivíduos críticos pode ser influenciado. Mas as pessoas que se veem como parte de um coletivo podem ser manipuladas por aqueles que conseguem impor a sua doutrina. Para esses líderes, religiões e ideologias se tornam armas com as quais eles podem mobilizar as massas a seu favor.

E é justamente isso o que acontece regularmente na história da humanidade, vindo a custar muitas vezes a vida, a liberdade e a paz de muitas pessoas. Em outros casos, a religião garantiu a vida, a liberdade e a paz tanto de fiéis quanto de não fiéis.

Com vista às consequências, é inútil discutir se uma religião foi usada ou manipulada para determinado propósito. O certo é: a religião é uma arma que pode servir a este ou àquele objetivo.

Neste sentido, é absolutamente legítimo exortar as autoridades religiosas a participar de processos de paz. A exigência é então: empreguem a arma – contra a guerra e pela paz.



Gentileza na política é possível?

Promover a gentileza na política é um desafio, até porque Maquiavel entendia que tal virtude não cabe nas discussões políticas.

Autor: Domingos Sávio Telles


Biden, Haley e Trump: as prévias das eleições nos EUA

Os estadunidenses vão às urnas neste ano para eleger – ou reeleger – aquele que comandará a nação mais poderosa do planeta pelos próximos quatro anos.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra