Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Responsabilidade do controlador e os abusos de poder

Responsabilidade do controlador e os abusos de poder

12/07/2012 Vera Lucia de Paiva Cicarino

A Lei das Sociedades Anônimas prevê que o acionista controlador responde pelos danos causados por atos praticados com abuso de poder.

Dentre as modalidades apontadas no seu artigo 117, de caráter exemplificativo e não exaustivo, como entendem a doutrina  e a jurisprudência, cabe destacar a que consta do item (h) – “subscrever ações para os fins do disposto no art.170, com a realização em bens estranhos ao objeto social da companhia”.

E tal destaque se deve ao fato de que muitas vezes o acionista confere bens sem atentar para a mencionada disposição legal. É fato que não deve haver  aumento sem causa, sem motivo justificável e sem se harmonizar com as reais necessidades da companhia e com o seu interesse social, sob pena de caracterizar abuso de poder do controlador em detrimento da companhia e dos demais acionistas, podendo ele ser responsabilizado e responder pelos danos causados.

Poderá ainda ter a sua decisão anulada caso venha a ter sucesso a eventual propositura de ação judicial de anulação da assembleia que aprovar o aumento. Em qualquer hipótese é certo o impacto negativo e suas consequências adversas para a companhia junto ao mercado, clientes e empregados, mas, também, para a relação entre o controlador e os demais acionistas.

A motivação da inclusão do item (h), em 1997, foi a verificação, muito mais comum do que se imagina, de aumentos com bens, que, a rigor, não se destinavam a atender ao interesse da companhia e nem às suas necessidades, mas sim aos interesses do controlador como: aumentos com iates, imóveis (inclusive residenciais),maquinário estranho às operações da companhia,  etc. Artigos incompatíveis com as efetivas necessidades da empresa  para viabilizar a realização de seu objeto social.

Por certo o mesmo princípio deve ser observado nas sociedades empresárias limitadas. O Código Civil é silente sobre o assunto, o que permite a interpretação de que tal princípio é também aplicável considerando principalmente o disposto no parágrafo único do art. 1053 daquele Código – “O contrato social poderá prever a regência supletiva da sociedade limitada pelas normas da sociedade anônima”, bem como a disposição nele contida e que determina que responde por perdas e danos o sócio que, tendo em alguma operação interesse contrário ao da sociedade, venha a participar da deliberação  que a aprove graças a seu voto (voto abusivo).

E a razão é simples: o sócio deve sempre exercer seu direito de voto no interesse da empresa e não em seu próprio interesse e/ou de outrem. Desta forma e para afastar a configuração de exercício abusivo de poder e suas implicações nefastas, deve o controlador, ao conferir bens ao capital, justificar tal aumento e os bens conferidos para bem demonstrar o real proveito que os mesmos trarão às atividades da empresa, atendendo, assim, ao seu interesse social. E este deve ser o critério fundamental a nortear a decisão sobre aumento de capital e sobre os bens que, para fins de integralização, serão conferidos – atender ao interesse social da empresa.

Vera Lucia de Paiva Cicarino é sócia do escritório Peixoto e Cury Advogados.



Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.


E o cartão caminhoneiro?

O objetivo é proteger os caminhoneiros da oscilação diária no preço do diesel, durante um serviço de frete.