Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Resultados de seus investimentos

Resultados de seus investimentos

10/06/2021 Carlos Lopes

Frequentemente, investidores se veem sobressaltados com os movimentos de mercado e são tentados a mudar de posições em seus investimentos.

Todavia, há uma tônica bastante difundida entre profissionais do mercado financeiro e de capitais que em inúmeros momentos o melhor a fazer é não fazer nada.

Na verdade, a tônica está calcada na ideia de que investimentos devem estar atrelados aos horizontes, de médio e longo prazos, e respaldados nos fundamentos de suas escolhas, bem como atrelados ao perfil do investidor.

Sendo assim, o que é necessário entender para estar confortável nas eventuais situações adversas de mercado?

Entender o custo de oportunidade do capital é muito importante, pois ele é o preço que se paga por estar investindo em alguma coisa em detrimento de outra. A escolha por um determinado investimento é ao mesmo tempo a renúncia de outro.

Assim, é importante que o custo de oportunidade do capital esteja em consonância com o perfil do investidor, isto é, a escolha dos investimentos deve estar de mãos dadas com o perfil de cada um.

Geralmente, os investimentos, quando estão calcados em fundamentos e atrelados ao custo de oportunidade do capital e ao perfil do investidor, agem no sentido de dar cautela e racionalidade às decisões a serem tomadas.

As escolhas bem-feitas acabam protegendo os investidores de fatores emocionais que, comumente, os levam a alterar investimentos de forma precipitada.

Por outro lado, isto não significa dizer que as escolhas feitas a priori não devam ser, jamais, modificadas. Longe disso, mesmo porque a boa gestão de recursos deve, necessariamente, monitorar sempre os movimentos de mercado, fundamentos e resultados alcançados.

Não obstante, o alerta é para não sermos contraproducentes ou afoitos. Na maioria das vezes, conforme há vasta literatura acerca do assunto, os ansiosos não maximizam o custo de oportunidade do capital.

Neste aspecto, muitos investidores ainda carecem de entendimento daquilo que é prioritário na hora de investir, isto é, saber precisar qual é o seu perfil, quais são seus objetivos e quais os caminhos a serem seguidos para alcançá-los.

Por exemplo, na hora de investir em fundos de investimentos, não basta olhar apenas rentabilidades passadas de curto prazo.

É importante estender o período analítico, perceber como a equipe de gestão conduziu o fundo em diferentes cenários econômicos, políticos e de mercados. É importante, ademais, ter em mente que resultados passados não são garantia de rendimentos futuros.

Por isto, a necessidade de outras métricas de avaliação, tais como analisar o histórico profissional do gestor e de sua equipe, a relação de risco versus retorno do fundo, política de investimento, tributação, taxas de administração e de performances, etc.

É interessante também se ater que não existe a certeza ou a prerrogativa de que um bom investimento realizado no passado, o será também no futuro.

É bastante comum vermos investimentos defasados pelos movimentos e dinâmica de mercado sem que nenhuma atitude, proativa ou reativa, seja tomada para correção.

Indiferente aos segmentos de mercado de renda fixa, renda variável, fundos, etc., revisitar a estratégia e os fundamentos dos investimentos é sempre primordial!

Contudo, estando certo do racional utilizado na escolha, você saberá controlar a ansiedade para não ficar trocando de posições desnecessárias e, também, para corrigir o rumo da nau, caso a rota esteja errada.

Entretanto, não se esqueça: resultados consistentes no longo prazo devem ser seus pilares.

* Carlos Lopes é economista, mestre em Economia Empresarial, assessor de investimentos na Aspen Investimentos e sócio responsável da Aspen Educacional.

Para mais informações sobre investimentos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.