Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Resvalando para o abismo

Resvalando para o abismo

22/04/2019 Humberto Pinho da Silva

Andamos, todos, mergulhados em profundo sono, cujos sonhos, nos iludem, e narcotiza.

Como aconteceu no antigo Israel, também surgem, no nosso tempo, na mass-media, “profetas”, alertando para o abismo, que a sociedade atual, está a resvalar.

Mas, se outrora os judeus, não os ouviam, também nós, cerramos os ouvidos, aos avisos dos articulistas, comentaristas e ministros de Deus, que clamam, como antigos arautos, a urgente necessidade, e mudarmos de caminho.

Andamos, todos, mergulhados em profundo sono, cujos sonhos, nos iludem, e narcotiza. Levam-nos a acreditar, que: a educação e a técnica – enfim o progresso, – por si só ou simples sortilégio, de varinha de condão, resolverá todos os problemas, que nos afligem.

Mas não resolvem…Se resolvessem, os consultórios dos psiquiatras e psicólogos, não estariam a transbordar de doentes…

Nunca, como nos dias atuais, a população sofreu tanto de psicoses estranhas, nem consumia tantos narcóticos e ansiolíticos.

E, lentamente, a coletividade vai esboroando-se: lares desagregam-se; a violência doméstica recrudesce; os adolescentes revoltam-se contra os pais e professores; e a democracia, em certos lugares, tornou-se vergonhosa hipocrisia.

A honestidade, já não é virtude; e a corrupção próspera, sem cessar…Só se busca obter dinheiro fácil! …

A Literatura, a Arte, o Cinema e a Internet, encontram-se infestados de textos e imagens perversas. Eles sabem, que há prazer mórbido, em tudo que degrade o homem; e para aumentarem vendas e audiências, os jornais e a TV, apresentam temas, que embotam a mente, e corrompem o espírito.

Todo o agricultor conhece, que só se colhe o que se semeia. Se semeamos joio, não podemos colher trigo.

Se inculcamos na mente juvenil, imagens degradante de: violência, ódio e sexo, como podemos colher: paz, harmonia e sossego?

Se a Família estiver doente – como está, – toda a sociedade ficará doente.

Se não conseguirmos mudar o modo de vida, teremos, sem dúvida, mais: injustiças, ódios violências e mortes…

Se ainda almejamos salvar a civilização tal como a conhecemos, é urgente: que todos nós, mudemos os nossos hábitos, e modo de pensar: que os pais eduquem, devidamente, os filhos; os professores sejam respeitados e se façam respeitar; os políticos sejam honestos; e os sacerdotes estejam sempre, ao serviço de Deus e dos homens.

Se não, caminharemos para o abismo, para o declínio; para o fim…

* Humberto Pinho da Silva.

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Educação moral no seio familiar

A associação entre limites e justificativas racionais prepara a conquista da autonomia.


Lagosta, bacalhau, vinhos e uísques aos onipotentes do STF

O STF está se lixando com a patuleia brasileira, que passa fome e que é numerosa.


Bolsonaro e a indicação de Moro para o STF

Todos os cidadãos, que acompanham a política e os noticiários, sabem que o presidente Jair Bolsonaro, não mede as palavras ao proferi-las.


SOS Educação

Tenho alertado a respeito do abandono da educação brasileira há anos.


Um inimigo do povo

O debate sobre a liberdade de expressão foi aprofundado nos últimos tempos no Brasil devido a diversos incidentes.


A arte de partejar

Não há pai, mãe ou responsável que não queira o bem para o seu filho.


Maternidade X Carreira: O desafio que vale a pena

Como diz o ditado judaico: Deus não podia estar em todos os lugares e, por isso, fez as mães.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

Os indicadores são elementos importantes que ajudam a orientar a tomada de decisões estratégicas.


Os aluguéis pagos pelo governo

Os governos – federal, estaduais e municipais – têm o dever de economizar os recursos que chegam aos seus cofres.


Velhos arquivos

Disse Millôr Fernandes: “Em ciência leia sempre os livros mais novos. Em literatura, os mais velhos.”


A infantilidade do povo

O povo não passa de criancinha, de memória curta.


Português, nossa língua materna

Anualmente, no dia 5 de Maio, comemora-se o Dia da Língua Portuguesa.