Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Resvalando para o abismo

Resvalando para o abismo

22/04/2019 Humberto Pinho da Silva

Andamos, todos, mergulhados em profundo sono, cujos sonhos, nos iludem, e narcotiza.

Como aconteceu no antigo Israel, também surgem, no nosso tempo, na mass-media, “profetas”, alertando para o abismo, que a sociedade atual, está a resvalar.

Mas, se outrora os judeus, não os ouviam, também nós, cerramos os ouvidos, aos avisos dos articulistas, comentaristas e ministros de Deus, que clamam, como antigos arautos, a urgente necessidade, e mudarmos de caminho.

Andamos, todos, mergulhados em profundo sono, cujos sonhos, nos iludem, e narcotiza. Levam-nos a acreditar, que: a educação e a técnica – enfim o progresso, – por si só ou simples sortilégio, de varinha de condão, resolverá todos os problemas, que nos afligem.

Mas não resolvem…Se resolvessem, os consultórios dos psiquiatras e psicólogos, não estariam a transbordar de doentes…

Nunca, como nos dias atuais, a população sofreu tanto de psicoses estranhas, nem consumia tantos narcóticos e ansiolíticos.

E, lentamente, a coletividade vai esboroando-se: lares desagregam-se; a violência doméstica recrudesce; os adolescentes revoltam-se contra os pais e professores; e a democracia, em certos lugares, tornou-se vergonhosa hipocrisia.

A honestidade, já não é virtude; e a corrupção próspera, sem cessar…Só se busca obter dinheiro fácil! …

A Literatura, a Arte, o Cinema e a Internet, encontram-se infestados de textos e imagens perversas. Eles sabem, que há prazer mórbido, em tudo que degrade o homem; e para aumentarem vendas e audiências, os jornais e a TV, apresentam temas, que embotam a mente, e corrompem o espírito.

Todo o agricultor conhece, que só se colhe o que se semeia. Se semeamos joio, não podemos colher trigo.

Se inculcamos na mente juvenil, imagens degradante de: violência, ódio e sexo, como podemos colher: paz, harmonia e sossego?

Se a Família estiver doente – como está, – toda a sociedade ficará doente.

Se não conseguirmos mudar o modo de vida, teremos, sem dúvida, mais: injustiças, ódios violências e mortes…

Se ainda almejamos salvar a civilização tal como a conhecemos, é urgente: que todos nós, mudemos os nossos hábitos, e modo de pensar: que os pais eduquem, devidamente, os filhos; os professores sejam respeitados e se façam respeitar; os políticos sejam honestos; e os sacerdotes estejam sempre, ao serviço de Deus e dos homens.

Se não, caminharemos para o abismo, para o declínio; para o fim…

* Humberto Pinho da Silva.

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.