Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

01/03/2024 Víktor Waewell

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Naquela manhã, Estácio mandou rezar uma missa na única construção dos portugueses na região, o seu forte, localizado entre o Pão de Açúcar e o morro da Urca.

Depois da reza, ele organizou seus batalhões de milhares de homens e avançou contra a aldeia Uruçumirim, ali perto, no morro da Glória, onde funcionava uma espécie de capital dos povos nativos na região. Era 20 de janeiro de 1557, data, por muito tempo, escolhida como aniversário do Rio.

Uma poderosa esquadra de onze embarcações portuguesas apoiou o ataque de Estácio, abrindo fogo de canhão contra a fortaleza indígena. Mesmo assim, os nativos resistiram por dois dias.

Morreu Aimberê, líder da aldeia atacada. Morreu também Estácio de Sá, provavelmente ferido por arma envenenada. Foi uma grande vitória portuguesa. Milhares de nativos mortos, não só guerreiros, mas também mulheres, idosos e crianças. E ali o Rio de Janeiro nasceria.

Aqueles nativos eram os tamoios. Este não era o nome de um povo ou aldeia, mas o da aliança indígena que combatia a invasão portuguesa. Tamoio, em tupi, quer dizer “quem estava aqui antes”. Antes, costumavam guerrear entre si.

Mas, quando os portugueses passaram a avançar sobre as suas terras e a escravizar aldeias inteiras, os nativos puseram de lado as diferenças e se uniram.

Não foi uma aliança por afinidade ou ideologia, exceto não querer ser morto ou levado para plantar cana debaixo de chicote.

A Confederação dos Tamoios, como ficou conhecida esta que é a nossa maior revolta indígena, durou décadas, com muitas batalhas como aquela, diversos massacres e até uso de arma biológica pelos portugueses, que, a título de presente, enviavam roupas contaminadas com varíola aos nativos, que morriam em proporção assombrosa.

O 20 de janeiro era data auspiciosa para a escolha do aniversário da cidade também por ser dia de São Sebastião, que dizem ter feito aparição numa daquelas batalhas, quando ajudou a exterminar os tamoios.

Só que os cariocas mais velhos vão se lembrar de que, não faz tanto tempo assim, a data do aniversário da cidade mudou.

Acontece que, após São Paulo comemorar 400 anos em 1954, o Rio meio que quis adiantar o seu aniversário de quatro séculos. Assim, foi encontrada uma data dois anos antes.

Ao invés do 20 de janeiro de 1567, o dia da batalha decisiva, a escolha passou para o 1º de março de 1565, data do desembarque das tropas de Estácio no sopé do Pão de Açúcar. Um desembarque que culminaria numa guerra e num massacre.

A história do Rio de Janeiro entrelaça eventos complexos e ao mesmo tempo fascinantes. A sua fundação, associada a triunfos portugueses, carrega a marca da tragédia para os antigos habitantes da região, os tamoios, que, como o nome diz, estavam aqui antes. Acredito que faz bem conhecer a nossa história. Vale a reflexão.

* Víktor Waewell é escritor, autor do livro “Guerra dos Mil Povos”, uma história de amor e guerra durante a maior revolta indígena do Brasil.

Para mais informações sobre Rio de Janeiro clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: LC Agência de Comunicação



A medicina é para os humanos

O grande médico e pintor português Abel Salazar, que viveu entre 1889 e 1946, dizia que “o médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Autor: Felipe Villaça


Dia de Ogum, sincretismo religioso e a resistência da umbanda no Brasil

Os Orixás ocupam um lugar central na espiritualidade umbandista, reverenciados e cultuados de forma a manter viva a conexão com as divindades africanas, além de representar forças da natureza e aspectos da vida humana.

Autor: Marlidia Teixeira e Alan Kardec Marques


O legado de Mário Covas ainda vive entre nós

Neste domingo, dia 21 de abril, Mário Covas completaria 94 anos de vida. Relembrar sua vida é resgatar uma parte importante de nossa história.

Autor: Wilson Pedroso


Elon Musk, liberdade de expressão x TSE e STF

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes, renomado constitucionalista e decano do Supremo Tribunal Federal, ao se manifestar sobre os 10 anos da operação Lava-jato, consignou “Acho que a Lava Jato fez um enorme mal às instituições.”

Autor: Bady Curi Neto


Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado