Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Riscos e Atrasos na Agenda Sustentável do Brasil

Riscos e Atrasos na Agenda Sustentável do Brasil

23/06/2016 Carlos Roberto Vieira da Silva Filho

Enquanto vários outros países avançam, corremos um sério risco de retroceder na gestão de resíduos.

Riscos e Atrasos na Agenda Sustentável do Brasil

Desde janeiro de 2016 está vigorando uma nova agenda global aprovada por unanimidade pelos 193 Estados-membros da ONU (Organização das Nações Unidas) e direcionada a promover um futuro sustentável no planeta pelos próximos 15 anos.

O documento contempla 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e 169 metas, reunidos sob o título “Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. Além de tratar de sustentabilidade, a Declaração também cobre questões como erradicação da pobreza, desigualdade, infraestrutura, energia, consumo, biodiversidade, oceanos e industrialização.

Dentre os vários pontos abordados, consta o compromisso expresso de promover a proteção do planeta contra a degradação, sobretudo “por meio do consumo e da produção sustentáveis, da gestão sustentável dos seus recursos naturais e tomando medidas urgentes sobre a mudança climática, para que ele possa suportar as necessidades das gerações presentes e futuras”.

Nesse quesito, a gestão adequada de resíduos sólidos assume papel de grande importância, tendo sido incluída como uma das metas do Objetivo 12, que cuida de assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis e, no item 12.5, traz o compromisso de, até 2030, reduzir substancialmente a geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso.

Além de figurar dentre as metas da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável, a gestão de resíduos também exerce papel central na adoção do modelo de economia circular, cuja implementação vem sendo amplamente discutida ao redor do mundo, principalmente depois de um novo plano de ações para estimular essa transição ter sido apresentado pela União Europeia, no fim de 2015.

Em ambos os casos, o fundamento para o sucesso reside na aplicação do princípio da hierarquia na gestão dos resíduos, que determina uma ordem de prioridade de ações e parte da prevenção, seguindo para a redução, reutilização, reciclagem, recuperação e termina com a disposição final adequada (aterro sanitário).

O modelo de gestão de resíduos aplicado pode resultar em índices elevados de reciclagem e de recuperação de materiais, que passam a ser considerados como recursos, ou levar a um sistema ineficaz com impactos ambientais negativos e consideráveis perdas econômicas.

O Brasil está bastante atrasado no atendimento das determinações da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), que datam de 2010 e incluem a hierarquia na gestão de resíduos como um de seus pilares e, no ritmo atual, certamente não dará conta de cumprir com o compromisso assumido perante a ONU para adoção da ordem de prioridade de ações até 2030.

Esse atraso verificado na gestão de resíduos (mais de 3.000 municípios ainda usam lixões; pouca abrangência na coleta seletiva; baixos índices de reciclagem; carência de planejamento, dentre outros fatores) retira do País qualquer possibilidade de rumar para a adoção das bases de uma economia circular, que, além de criar empregos e desenvolver novos negócios, promove um crescimento sustentável, tendo grande potencial de reverter as perspectivas econômicas negativas que nos atingem atualmente.

Não é possível avançar sem esforço, dedicação e, principalmente, sem recursos. Para se ter uma ideia, ao adotar o novo pacote para a economia circular, a União Europeia anunciou a disponibilização de mais de 6 bilhões de euros para viabilizar as ações propostas, além de vários estímulos para o setor.

Enquanto isso, por aqui, nem os serviços básicos de limpeza urbana têm sido adequadamente remunerados pelos órgãos contratantes. Ou seja, enquanto vários outros países avançam, corremos um sério risco de retroceder na gestão de resíduos.

* Carlos Roberto Vieira da Silva Filho é Diretor-Presidente da ABRELPE – Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais e Vice-Presidente da ISWA – International Solid Waste Association.



Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas