Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Roda de histórias

Roda de histórias

24/05/2020 Osvaldo Luiz Silva

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.

Suas palavras e imaginação traziam tanto realismo que todas as narrativas estavam ali, tão perto, que emprestavam um ao outro personagens, ambientes, cores e magia. Na cabeça infantil, aos poucos, já não se distinguia a estrada… dos sonhos.

O ano de 2020 tem sido um duro caminho. Quantos sofrimentos, medos e inseguranças... Tragédias pessoais se somam diariamente. E às dores ainda se adicionam mesquinharias, oportunismos.

Mas, quando recordarem deste ano, verão que os que melhor alcançaram a outra margem, não o fizeram sem a companhia daquilo que se pode considerar a essência da vida, da dignidade humana, do belo, da arte, dos sonhos.

Por isso, para nós que ainda atravessamos esse “deserto” árduo, será imprescindível uma força extra, que venha nem que seja da própria imaginação.

E mesmo que o “oásis” seja apenas uma miragem, o importante é que alimente o próximo passo e nos ajude a vencer esse imenso desafio.

Em meio a tanta aridez, neste domingo (24/05) celebra-se a Ascensão do Senhor e junto o Dia Mundial das Comunicações Sociais.

Papa Francisco escreveu uma mensagem para este momento: “Para que possas contar e fixar na memória (Ex 10,2). A vida faz-se história”.

O texto é um desses “oásis” necessários. Nesta secura que vivemos, faça uma pausa e encharque sua alma com as palavras do papa! (Coloco-as em versos):

“Penso que precisamos de respirar
a verdade das histórias boas:
histórias que edifiquem,
e não as que destruam;
histórias que ajudem a reencontrar raízes
e a força para prosseguirmos juntos.
Na confusão das vozes
e mensagens que nos rodeiam,
Temos NECESSIDADE duma narração humana,
que nos fale de nós mesmos
e da beleza que nos habita;
uma narração que saiba olhar o mundo
e os acontecimentos com ternura,
conte a nossa participação num tecido vivo,
revele o entrançado dos fios
pelos quais estamos ligados
uns aos outros.”

Com profunda beleza em seu texto, Papa Francisco compara as histórias que contamos com o ato de tecer.

Palavras como fios, que carregam significados, mensagens, belezas; que podem compor um “tecido” diferente, que nos faça sentir parte de uma grande família na Terra; encantador, que revele a grandeza da dignidade humana, imagem e semelhança do belo por excelência.

O desafio está lançado! Contei a minha. Qual história é a sua? Que memória pode te trazer forças hoje e alimentar a sua vida? Agora é a sua vez!

* Osvaldo Luiz Silva é jornalista, autor dos livros “Ternura de Deus” e “A vida é caminhar”, pela Editora Canção Nova, e membro da Academia Cachoeirense de Letras e Artes (ACLA), em Cachoeira Paulista (SP).

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.