Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Romper meu relacionamento – Estou tomando a atitude correta?

Romper meu relacionamento – Estou tomando a atitude correta?

03/04/2014 Margareth Signorelli

A melhor forma de romper um relacionamento, após ter sido decidido que esta seria a atitude a ser tomada, é uma conduta em que as duas partes precisam ser respeitadas e honradas, independentemente das razões de cada um.

Neste artigo, gostaria de ajudar no questionamento se esta é a melhor atitude ou não.

Não posso ser simplista. Em um relacionamento, existem muitos pontos a serem considerados antes de se tomar uma decisão definitiva, sem contar se surgiram frutos desta união.

Às vezes nos sentimos perdidos em um mar de emoções, sem conseguir colocar as ideias em ordem para saber que caminho seguir. Gostaríamos que, no fundo, a probabilidade de nos arrependermos não existisse.

Sugiro algumas perguntas que poderão ajudar a organizar suas ideias. Em uma situação como esta existem 2 pontos em que nossas emoções navegam:
1- A pessoa com quem nos relacionamos
2- A situação que compõe este relacionamento. A instituição relacionamento que pode ser namoro, casamento, relação estável ou algo que considerem.

Pergunte:
- Quais são seus pensamentos e sentimentos em relação à pessoa? Culpa? Responsabilidade? Compaixão? Tem medo de se arrepender por ser uma pessoa boa?
- Quais são seus pensamentos e sentimentos em relação ao seu relacionamento? Comodismo? Posição social? Medo de estar só? Preguiça de mudar?

Analise cada um dos seus sentimentos que agora estarão separados nesses dois setores e ficará mais claro para você.

Às vezes as pessoas ficam confusas sobre o que sentem e por isso não conseguem se posicionar e tomar uma decisão. Um modo que pode auxiliar é perceber como nosso corpo responde à situação que nos encontramos. Faça esse teste de percepção do seu próprio corpo.

Perceba como você se sente fisicamente na presença de alguém que você ama genuinamente. Pode ser perante o olhar de uma criança, um amigo muito querido ou até mesmo um bicho de estimação. Você se sente pleno e equilibrado? No seu centro?

Agora perceba como se sente em relação ao seu relacionamento? Fora de prumo? Desequilibrado? Não consegue explicar, mas se sente em desarmonia consigo mesmo?

Os motivos para estar com alguém têm que ser ancorados no amor e querer simplesmente estar, sem conseguir explicar o porque. O inaceitável é estar numa situação infeliz, não ser quem realmente é ou estar desequilibrado por causa dela.

Você deve levar em consideração também que se não está feliz não conseguirá fazer ninguém feliz e isto não é generosidade. Você tem um compromisso consigo de ser feliz e ninguém pode tomar esta decisão por você, isto é sua responsabilidade.

Amor não é sofrimento ou sacrifício. Amor é comprometimento. Em primeiro lugar o comprometimento com você mesmo de ser feliz.

* Margareth Signorelli é Coach de Relacionamento e Terapeuta EFT



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.