Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Saiba como não entrar em desespero com as oscilações do mercado financeiro

Saiba como não entrar em desespero com as oscilações do mercado financeiro

02/04/2020 Marcelus Lima

A história demostra que crises passam e acabam beneficiando aqueles que mantêm a racionalidade no lugar da emoção.

A crise desencadeada pela Covid-19 tem mexido com todos os mercados ao redor do mundo de forma muito intensa. A volatilidade vista nas últimas semanas, já é mais acentuada do que a da última crise financeira, ocorrida em 2008. O cenário de aversão à riscos tem derrubado as bolsas mundiais e depreciado as moedas emergentes.

O noticiário é turbulento e bastante nebuloso. Acrescenta-se ao cenário, a chamada “guerra de preços”, causada pelo desalinhamento entre as Organizações dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e a Rússia, que culminou no aumento da produção de petróleo e, consequentemente, impactou o preço da commodity, que caiu 35% no último mês. O resultado disso tudo foi a elevação da volatilidade no mercado financeiro e uma boa dose de desespero, por parte não só dos investidores, mas de grande parte da população.

É fundamental nestes momentos, analisar detalhadamente a conjuntura atual, ao mesmo tempo em que olhamos para o retrovisor. Os eventos de crise registrados na história acabam sendo um padrão comparativo em cenários como o atual.

O contexto vigente é desafiador. As projeções de PIB’s vêm sendo revisadas para baixo em função da paralisação de vários setores. No caso do Brasil, vários governos estaduais e municipais vêm adotando medidas de fechamento total (lock down) de diversos setores para tentarem conter o avanço do vírus. O que acaba gerando um impacto econômico.

Neste cenário, os olhares se voltam para os governos e bancos centrais de diversas economias, que têm se mobilizado para tomar atitudes que auxiliem uma recuperação mais rápida, o que contribui muito positivamente para o mercado financeiro, trazendo alívio para o setor.

Para muitos, olhar para um mercado extremamente volúvel como o atual, causa desespero e pânico, mas a realidade é que essa volatilidade pode trazer grandes oportunidades para quem tem apetite por riscos e não tem necessidade de liquidez no curto prazo.

Existe uma regra de ouro que deve ser considerada no mercado financeiro: volatilidade é igual a risco para quem precisa de liquidez! Liquidez é a capacidade de se ter o recurso financeiro de imediato – um exemplo de ativo com liquidez é a poupança –. Ou seja, se você utiliza o seu recurso de liquidez, a chamada “reserva de emergência”, para investir em um mercado mais volátil, como o de renda variável por exemplo, o seu dinheiro se torna refém das oscilações. Estas que no curto prazo, podem ser positivas, ou, em um momento como o atual, bastante negativas. O que acontece é que acabam surgindo necessidades e o resgate desse tipo de recurso se torna inevitável, fazendo com que você acumule grandes prejuízos.

Já para o investidor que não necessita do recurso imediatamente, possui uma visão de longo prazo e uma carteira diversificada, a volatilidade dos mercados acaba gerando grandes oportunidades de comprar ativos bem mais baratos do que antes.

Quando olhamos para os indicadores de fluxo de negociação dos contratos futuros do Índice Bovespa (IBOV), é possível perceber, nas últimas semanas, que enquanto grande parte dos investidores brasileiros vende os seus ativos por causa do desespero, um outro número significativo de investidores internacionais aproveita para comprar, agora com preços considerados mais atrativos.

Atualmente, analisando a história, nos últimos 20 anos foram 19 ocasiões em que a bolsa brasileira teve queda média de 27,5%. Em cenários de recessões econômicas globais, a queda média foi de 52%, como ocorridos em 2001 e 2008.

Em comparação com 2008, por exemplo, a chamada “crise do subprime” foi um intenso colapso financeiro desencadeado pela concessão de empréstimos hipotecários de alto risco, que acabou levando inúmeros bancos a falência. Ou seja, empresas, bancos e pessoas físicas quebraram e demoraram um bom tempo para sair da insolvência.

Naquela época, os bancos centrais demoraram a agir, cenário que é muito diferente do atual, pois, apesar da crise ter se instaurado em tempo recorde, os bancos centrais e órgãos responsáveis têm se demonstrado ágeis, tomando medidas afim de aliviar as tensões.

Uma visão de longo prazo aliada a uma contextualização sobre outras crises vividas no passado são combustíveis para trazer um pouco mais de alívio em meio as incertezas. A história demostra que crises passam e acabam beneficiando aqueles que mantêm a racionalidade no lugar da emoção.

Texto: Marcelus Lima, sócio fundador da Atrio Investimentos

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves