Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Salário Mínimo, uma questão moral

Salário Mínimo, uma questão moral

03/12/2014 Roberto Rachewsky

O governador Tarso Genro se despede, plantando uma bomba de retardo que explodirá, assim que tiver deixado o Palácio Piratini para trás.

Querer impor um aumento de 16% no salário mínimo, não é mais imoral do que a existência do salário mínimo em si. É apenas agregar à imoralidade, uma enorme dose de irresponsabilidade. A imoralidade do salário mínimo é idêntica à de qualquer outro controle de preços estabelecido pela força. O governo deve proteger a liberdade e a propriedade das pessoas, para que cada um aja de acordo com seu próprio julgamento. Cabe a cada um de nós, para viver e florescer em uma sociedade, decidir sobre o que é melhor e o que não é para si.

Quando um empregador e um empregado estabelecem, livremente, um contrato de trabalho entre si, estão simplesmente fazendo isso. Quando alguém impede que isso ocorra, cassa o direito que cada um tem de decidir sobre a suas próprias escolhas, sobre como viver a sua vida como bem entender. Um salário mínimo estabelecido pela força, não aumenta o valor objetivo do trabalho, apenas obrigará que o empregador elimine aquela função investindo em alternativas mais econômicas.

Essa intervenção criará uma situação de risco para todos, para o empregador que perderá competitividade e, principalmente, para o empregado que perderá seu emprego. Além de violar o direito de ambos, o salário mínimo impede o acesso ao mercado de trabalho daqueles que não tem experiência ou capacidade produtiva para receber mais do que o empregador se disporia a pagar. O mercado de trabalho se transforma assim, num clube fechado, onde somente os mais aptos têm acesso, restando aos demais, viver na informalidade ou sustentado pelas esmolas estatais que garantem apenas votos.

Quem defende uma vida produtiva e independente, baseada na liberdade e na justiça, não aumentaria o salário mínimo, simplesmente o revogaria. Criação e distribuição de renda não se faz por decreto, mas pela inovação e investimento constantes. A participação do governo nessa receita limita-se à proteção da liberdade, da propriedade e do fiel cumprimento dos contratos, ideia que o governo atual e o futuro, parecem não acreditar.

* Roberto Rachewsky é Empreendedor e Colunista do Instituto Liberal.



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves