Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Saúde e a velha máxima: prevenir é melhor que remediar

Saúde e a velha máxima: prevenir é melhor que remediar

22/09/2013 Leonardo Florêncio

O consenso entre os especialistas é que o mundo chegará a ter uma população, por volta de 2050, de até 10,5 bilhões de pessoas.

Uma previsão mais radical das Nações Unidas chega a elevar esse número para 16 bilhões de pessoas no final do século. A população cresce, a expectativa de vida aumenta e a demanda por saúde se torna cada vez maior e mais complexa. Como governos, planos e instituições de saúde podem responder a essa realidade satisfatoriamente?

Mais do que nunca, a velha máxima de que prevenir é melhor que remediar torna-se atual e crucial para o futuro. É nesse contexto que o modelo de gestão em saúde tende a incorporar as diretrizes da vigilância epidemiológica e da prevenção social. Torna-se fundamental o conhecimento das condições de saúde da população, através da produção de informações suficientes para diagnóstico sanitário e gestão do risco comportamental.

Como desafios, são essenciais ferramentas de tecnologia da informação, comunicação e educação social para organizar e analisar informações relevantes sobre as condições de saúde e do comportamento de consumo da população, para que ocorra a melhor orientação sobre autocuidado. Existem oportunidades para grandes melhorias no valor da assistência à saúde e enormes ganhos podem ser alcançados simplesmente fazendo uso mais eficaz do atual conhecimento social.

Chegamos à firme conclusão de que a tecnologia médica é importante, mas o principal problema do sistema de saúde, hoje, não é tecnologia médica e, sim, a aplicação do conhecimento já existente. As atividades de todos os envolvidos no ciclo de atendimento têm que ser futuramente integradas e coordenadas, em torno de um comportamento social. Somente assim virá a responsabilidade conjunta pelos resultados em todo o ciclo de atendimento.

Deste modo, a corrente contemporânea da saúde coletiva denominada “Corrente da Vigilância da Saúde” surge como estratégia para articular avanços da Epidemiologia Crítica com a elaboração de propostas de mudança na organização tecnológica do trabalho em saúde, repensando novos modelos de equipes de saúde e intervenção. A Vigilância da Saúde entende que a saúde resulta de um processo de acumulação social, expresso em um estado de saúde, sintetizando múltiplas determinações que podem ser encontradas em grupos causais principais: biologia humana, serviços de saúde, estilo de vida, meio ambiente e cultura.

Ao ponderar que a saúde é um produto social resultante de fatores econômicos, políticos, ideológicos e cognitivos, esta corrente sugere que ela deva ser apreendida por um olhar interdisciplinar, e que as práticas sociais em saúde devam dar-se na ordem da educação. Partindo dessas considerações, sugere-se que a prática sanitária da atenção a saúde deva ser informada pelo modelo teórico-conceitual da Produção Social da Saúde.

Assim, desapareceria a “artificial separação entre ações curativas e preventivas”, uma vez que “o ambiente social pode ter papel curativo importante, assim como a existência de serviços confiáveis de saúde pode exercer função preventiva pelo sentimento de confiança que cria na população”.

*Leonardo Florêncio é médico, mestre em Políticas de Saúde e Planejamento, MBA em Gestão de Saúde e CEO da ePrimeCare.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.