Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Saúde e a velha máxima: prevenir é melhor que remediar

Saúde e a velha máxima: prevenir é melhor que remediar

22/09/2013 Leonardo Florêncio

O consenso entre os especialistas é que o mundo chegará a ter uma população, por volta de 2050, de até 10,5 bilhões de pessoas.

Uma previsão mais radical das Nações Unidas chega a elevar esse número para 16 bilhões de pessoas no final do século. A população cresce, a expectativa de vida aumenta e a demanda por saúde se torna cada vez maior e mais complexa. Como governos, planos e instituições de saúde podem responder a essa realidade satisfatoriamente?

Mais do que nunca, a velha máxima de que prevenir é melhor que remediar torna-se atual e crucial para o futuro. É nesse contexto que o modelo de gestão em saúde tende a incorporar as diretrizes da vigilância epidemiológica e da prevenção social. Torna-se fundamental o conhecimento das condições de saúde da população, através da produção de informações suficientes para diagnóstico sanitário e gestão do risco comportamental.

Como desafios, são essenciais ferramentas de tecnologia da informação, comunicação e educação social para organizar e analisar informações relevantes sobre as condições de saúde e do comportamento de consumo da população, para que ocorra a melhor orientação sobre autocuidado. Existem oportunidades para grandes melhorias no valor da assistência à saúde e enormes ganhos podem ser alcançados simplesmente fazendo uso mais eficaz do atual conhecimento social.

Chegamos à firme conclusão de que a tecnologia médica é importante, mas o principal problema do sistema de saúde, hoje, não é tecnologia médica e, sim, a aplicação do conhecimento já existente. As atividades de todos os envolvidos no ciclo de atendimento têm que ser futuramente integradas e coordenadas, em torno de um comportamento social. Somente assim virá a responsabilidade conjunta pelos resultados em todo o ciclo de atendimento.

Deste modo, a corrente contemporânea da saúde coletiva denominada “Corrente da Vigilância da Saúde” surge como estratégia para articular avanços da Epidemiologia Crítica com a elaboração de propostas de mudança na organização tecnológica do trabalho em saúde, repensando novos modelos de equipes de saúde e intervenção. A Vigilância da Saúde entende que a saúde resulta de um processo de acumulação social, expresso em um estado de saúde, sintetizando múltiplas determinações que podem ser encontradas em grupos causais principais: biologia humana, serviços de saúde, estilo de vida, meio ambiente e cultura.

Ao ponderar que a saúde é um produto social resultante de fatores econômicos, políticos, ideológicos e cognitivos, esta corrente sugere que ela deva ser apreendida por um olhar interdisciplinar, e que as práticas sociais em saúde devam dar-se na ordem da educação. Partindo dessas considerações, sugere-se que a prática sanitária da atenção a saúde deva ser informada pelo modelo teórico-conceitual da Produção Social da Saúde.

Assim, desapareceria a “artificial separação entre ações curativas e preventivas”, uma vez que “o ambiente social pode ter papel curativo importante, assim como a existência de serviços confiáveis de saúde pode exercer função preventiva pelo sentimento de confiança que cria na população”.

*Leonardo Florêncio é médico, mestre em Políticas de Saúde e Planejamento, MBA em Gestão de Saúde e CEO da ePrimeCare.



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann