Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Se não amo o meu trabalho….

Se não amo o meu trabalho….

28/08/2013 Lisia Beraldo

Quando escolhemos uma profissão muitas vezes não temos certeza se é exatamente o que queremos.

Ainda jovem temos que decidir qual carreira seguir. Os pais tem um papel influente sobre a nossa decisão e ouvimos frases como: vai passar fome se escolher essa profissão, o mercado já está cheio, escolha outra opção e assim por diante.

Alguns jovens já são determinados e não mudam de opinião.

É muito difícil ter a percepção certa e fazer a escolha que talvez seja pra toda vida.

Não podemos trabalhar só pelo lado financeiro. É importante gostar do que faz, dar significado as suas tarefas, ter dignidade e respeito, contribuir com colegas, dividir conhecimentos, crescer e aprender sempre.

Mas e se aceitei um trabalho e não sou feliz? Tente descobrir qual o lado bom de estar ai. Não fique intransigente porque você pode não enxergar outras habilidades e oportunidades que surgirem a sua frente. Podemos também aprender a gostar de outras profissões. Buscar motivação, vivenciar realizações pessoais, listar as oportunidades que surgiram, tudo isso vai elevar sua autoestima.

Não deixe seus sabotadores internos dizer que você é infeliz com o que trabalha. Essas atitudes negativas vão fazendo você desanimar, adoecer e prejudicar sua saúde física e mental. Provocam obstáculos e cegam nossa inteligência emocional.

Toda experiência é válida. Faça o melhor nesse trabalho até conseguir outro.

Fazemos escolhas o tempo todo. Quando escolhi trabalhar na Beneficiointelectual.com, eu escolhi ser mais feliz e ter mais qualidade de vida.

Procure descobrir o que faz seus olhos brilharem. O que faria até de graça? Pelo que você acordaria cedo todo dia?

Há uma fábula do cortador de pedras que ilustra bem o que estamos falando.

Ao serem consultados sobre o que faziam, três cortadores de pedras tiveram três diferentes respostas. O primeiro respondeu que era pago para cortar pedras e assim fazia. O segundo retrucou que era exímio cortador de pedras, e cortava-as com técnicas especiais. Já o terceiro, visivelmente motivado, respondeu: "Estou construindo catedrais".

E você? Se identificou com alguma resposta? Que outras escolhas tem?



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.