Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Será que a Nextel sobreviverá sem a tecnologia “aperte e fale”?

Será que a Nextel sobreviverá sem a tecnologia “aperte e fale”?

23/02/2014 Adriano Fachini

A convergência digital, nome dado ao fenômeno da fusão de plataformas de telecomunicações, acaba de nocautear mais uma tecnologia, a PTT, do inglês push to talk ou no bom português, aperte e fale.

Esse tem sido o principal diferencial da Nextel desde o início de suas operações no Brasil, em 1997. A falta de sinal sempre foi um dos pontos criticados pelos usuários da Nextel, que antes de partir para a plataforma 3G possuía rede baseada exclusivamente nessa tecnologia, idealizada para ser uma rede de radiocomunicação e não de telefonia móvel.

Tal fato, ao mesmo tempo que lhe garantia lucratividade - pois não precisava pagar roaming a concorrentes - também lhe limitava em razão da incompatibilidade da tecnologia PPT com outras, como TDMA e CDMA. Forçada a se posicionar no mercado como uma operadora de telefonia celular, embora sua grande base de clientes tenha sido atraída pelo baixo custo e praticidade da radiocomunicação PTT, a Nextel vive hoje um tempo de travessia.

Com o intuito de ampliar sua abrangência, no início de 2014 a empresa fechou parceria com a Vivo, permitindo ao seu cliente que entre por meio de roaming nas redes de dados e voz da maior operadora do Brasil quando seu aparelho ficar sem o sinal da Nextel.

Detalhes sobre como isso funcionará e quanto custará deverão ser anunciados em breve. Mesmo com o acordo, a Nextel não deve parar de investir para melhorar as suas próprias redes, especialmente de 3G, que está restrita apenas ao Rio de Janeiro e São Paulo. Para se adequar aos novos tempos sem perder a grande base de clientes acostumada a utilizar o serviço de radiocomunicação com taxa fixa mensal, a Nextel aposta ainda no Prip, aplicativo que tentará transformar smartphones em rádios.

Digo “tentará” porque o dispositivo construído para ser um rádio é um rádio - diferentemente do dispositivo construído para ser um celular, que por meio do aplicativo emulará um rádio na camada de software. A empresa responsável pelo aplicativo confirmou que atualmente funciona apenas nos EUA e no México, mas que chegará ao Brasil ainda no primeiro trimestre de 2014. Entretanto, somente os clientes da própria Nextel terão acesso ao software. Teoricamente, o Prip tem como função virtualizar o botão físico do PTT, inexistente em muitos equipamentos das principais marcas líderes de mercado, como Samsung, Apple e LG.

A pergunta que não quer calar é: como será o funcionamento nas degradadas redes de 2G e 3G Brasil afora? Qual o delay (atraso entre o tempo de acionar o PTT e transmissão da chamada) terá o novo sistema? Além do desafio de adaptação do usuário ao botão virtualizado, suscetível a falhas da rede 3G, há inúmeros aplicativos capazes de suportar comunicações de voz sobre IP, comumente chamados de Voip, sem cobrar um centavo de tarifa.

Muitos já consagrados mundialmente, como Skype, WhatsApp, tem roubado uma fatia significativa da teles móveis e fixas. Em face de todas essas incertezas, resta aos usuários da Nextel aguardar qual será o futuro da operadora, cujo único diferencial em relação aos concorrentes era a tecnologia PPT, aposentada nos EUA ano passado e agora no Brasil. É esperar para ver.

*Adriano Fachini é empresário do setor de telecomunicações e presidente da Aerbras - Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.