Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Será que a Nextel sobreviverá sem a tecnologia “aperte e fale”?

Será que a Nextel sobreviverá sem a tecnologia “aperte e fale”?

23/02/2014 Adriano Fachini

A convergência digital, nome dado ao fenômeno da fusão de plataformas de telecomunicações, acaba de nocautear mais uma tecnologia, a PTT, do inglês push to talk ou no bom português, aperte e fale.

Esse tem sido o principal diferencial da Nextel desde o início de suas operações no Brasil, em 1997. A falta de sinal sempre foi um dos pontos criticados pelos usuários da Nextel, que antes de partir para a plataforma 3G possuía rede baseada exclusivamente nessa tecnologia, idealizada para ser uma rede de radiocomunicação e não de telefonia móvel.

Tal fato, ao mesmo tempo que lhe garantia lucratividade - pois não precisava pagar roaming a concorrentes - também lhe limitava em razão da incompatibilidade da tecnologia PPT com outras, como TDMA e CDMA. Forçada a se posicionar no mercado como uma operadora de telefonia celular, embora sua grande base de clientes tenha sido atraída pelo baixo custo e praticidade da radiocomunicação PTT, a Nextel vive hoje um tempo de travessia.

Com o intuito de ampliar sua abrangência, no início de 2014 a empresa fechou parceria com a Vivo, permitindo ao seu cliente que entre por meio de roaming nas redes de dados e voz da maior operadora do Brasil quando seu aparelho ficar sem o sinal da Nextel.

Detalhes sobre como isso funcionará e quanto custará deverão ser anunciados em breve. Mesmo com o acordo, a Nextel não deve parar de investir para melhorar as suas próprias redes, especialmente de 3G, que está restrita apenas ao Rio de Janeiro e São Paulo. Para se adequar aos novos tempos sem perder a grande base de clientes acostumada a utilizar o serviço de radiocomunicação com taxa fixa mensal, a Nextel aposta ainda no Prip, aplicativo que tentará transformar smartphones em rádios.

Digo “tentará” porque o dispositivo construído para ser um rádio é um rádio - diferentemente do dispositivo construído para ser um celular, que por meio do aplicativo emulará um rádio na camada de software. A empresa responsável pelo aplicativo confirmou que atualmente funciona apenas nos EUA e no México, mas que chegará ao Brasil ainda no primeiro trimestre de 2014. Entretanto, somente os clientes da própria Nextel terão acesso ao software. Teoricamente, o Prip tem como função virtualizar o botão físico do PTT, inexistente em muitos equipamentos das principais marcas líderes de mercado, como Samsung, Apple e LG.

A pergunta que não quer calar é: como será o funcionamento nas degradadas redes de 2G e 3G Brasil afora? Qual o delay (atraso entre o tempo de acionar o PTT e transmissão da chamada) terá o novo sistema? Além do desafio de adaptação do usuário ao botão virtualizado, suscetível a falhas da rede 3G, há inúmeros aplicativos capazes de suportar comunicações de voz sobre IP, comumente chamados de Voip, sem cobrar um centavo de tarifa.

Muitos já consagrados mundialmente, como Skype, WhatsApp, tem roubado uma fatia significativa da teles móveis e fixas. Em face de todas essas incertezas, resta aos usuários da Nextel aguardar qual será o futuro da operadora, cujo único diferencial em relação aos concorrentes era a tecnologia PPT, aposentada nos EUA ano passado e agora no Brasil. É esperar para ver.

*Adriano Fachini é empresário do setor de telecomunicações e presidente da Aerbras - Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil.



Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana.

Autor: Ricardo Pereira de Freitas Guimarães


O que é direita? O que é esquerda?

O Brasil sofreu uma enorme polarização política nos últimos anos; mas afinal, o que é esquerda ou direita na política?

Autor: Leonardo de Moraes


Reparação mecânica e as tendências para 2024

No agitado mundo automotivo, as tendências e expectativas para 2024 prometem transformar o mercado de reparação de veículos.

Autor: Paulo Miranda


Política não evoluiu no período pós-redemocratização

O que preocupa é a impressão de que no Brasil não mais existem pessoas dedicadas, honestas e com boas intenções dispostas a entrar na política.

Autor: Luiz Carlos Borges da Silveira


Manifestação da paulista: exemplo de civilidade e democracia

Vivenciamos no último domingo, 25/02/2024, um dos maiores espetáculos da democracia.

Autor: Bady Curi Neto


Rio 459 anos: batalhas deram origem à capital carioca

Diversas lutas e conquistas deram origem à capital carioca. Começo pelo dia em que Estácio de Sá venceu uma grande batalha contra os nativos que viviam no território da atual cidade do Rio de Janeiro.

Autor: Víktor Waewell


Números da economia no governo Lula

Déficit de 231 bilhões de reais: um furo extraordinário.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


Lá vai Maria

Lata d’água na cabeça Lá vai Maria Lá vai Maria

Autor: Osvaldo Luiz Silva


O combate ao etarismo em favor da dignidade da pessoa idosa

É fundamental compreender que o envelhecimento é um processo natural e que todos nós, se tivermos a sorte de viver tempo suficiente, nos tornaremos idosos.

Autor: André Naves


Qual é o futuro do ser humano?

No planeta Terra a vida tem sido, em grande parte, moldada por materialistas que examinam a situação, planejam, estabelecem os objetivos e os põem em execução.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.