Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Será que o franciscano tinha razão?

Será que o franciscano tinha razão?

10/08/2020 Humberto Pinho da Silva

Quando estive em Roma, conheci sacerdote, que estava hospedado no Convento anexo à Basílica de Santo António, na via Mariana.

Conversei, demoradamente, vários dias, com ele, durante as refeições, que tomamos em comum.

Era frade, de origem germânica, mas vivia no Brasil – exprimia-se em português, corretíssimo, – e encontrava-se a passar, em serviço, alguns dias, em Roma.

Entre as longas e instrutivas conversas, que tivemos, veio à baila, a razão da rápida expansão, das Igrejas Evangélicas, mormente seitas, que nessa época, proliferavam, assustadoramente, por todo o território brasileiro.

Admirei-me da difusão, tanto mais, que em Portugal, havia, apenas as Igrejas Evangélicas tradicionais, saídas da Reforma ou reformadas anos depois.

Respondeu-me, que a seu parecer, a divulgação, foi em parte, facilitada pelo clero católico, porque fecharam-se com Cristo, no templo, e na sacristia. Pregavam mal, quando pregavam. Como mostrasse interesse no tema, explicou:

- “Nós, sacerdotes católicos, temos formação superior. Exprimimo-nos com termos inacessíveis para grande franja de fiéis. Depois estamos imbuídos de tradições… Raramente “damos” (ou dávamos,): Cristo. O Cristo do Novo Testamento tal qual Ele ensinou.”

- “Os evangélicos, na maior parte, são pastores sem formação académica. Exprimem-se com vocabulário popular, ilustrando com imagens acessíveis e de fácil compreensão.”

Fiquei a pensar no que ouvi, tanto mais, que Frei António, dissera-me, ao apresentá-lo, que era religioso experiente e sabedor.

Ao ler Frei Luís de Sousa, a:“Vida de Dom Frei Bartolomeu dos Mártires” (vol. I - pág. 87/88 - Ed. Sá da Costa - 1946,) deparei com a opinião do Santo Arcebispo sobre formas de pregar:

“O estilo de pregar era mui diferente do que usava na corte (o intento sempre nele foi o mesmo) deixou flores de retórica explicações agudas e conceitos elevados que servem lá para orelhas delicadas e entendimentos mimosos para as penetrar e fazer efeito a doutrina medicinal a modo de bom guisado, e entregou-se a todos termos chãos e doutrina clara que servisse para todos; porque esta cumpria à maior parte dos ouvintes”

Como se vê, o clero brasileiro, não soube, nessa ocasião, “descer” ao nível do povo simples, como fez o nosso Bartolomeu dos Mártires, quando saiu da Corte.

Bem disse, Vieira, no Sermão da Sexagésima, pregado em 1655: “É possível que somos portugueses e havemos de ouvir um pregador em português, e não havemos de entender o que diz?”

No parecer desse franciscano, que encontrei em Roma – já passaram algumas décadas, – um dos motivos da expansão das seitas, no Brasil, foi porque o estilo – dos católicos, – empregado, nas homilias, não era apenas “escuro”, era “negro”, com o Padre António Vieira, dizia dos pregadores, que usavam, no seu tempo, o estilo “culto”.

Será que o franciscano tinha razão?

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.