Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Shows milionários, circo no lugar de pão ao povo

Shows milionários, circo no lugar de pão ao povo

09/06/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O emprego de quantias milionárias de dinheiro público na contratação de artistas para a atração e agrado do público em ano eleitoral é um disparate e verdadeiro crime contra a população que sofre com a falta de serviços e recursos básicos de obrigação dos governos.

Nada contra os cantores e outros artistas que faturam 100, 200, até 800 milhões por uma única apresentação. Esse é o negócio deles e, se encontram quem paga, recebem dentro da mais simplória lógica de mercado.

Certas coisas – bens ou serviços – custam o que seus titulares ou prestadores encontram alguém disposto a pagar.

Essa prática inflacionou sobremaneira as atividades artísticas e levou importantes nomes do meio a se sentirem credores de altas somas do dinheiro do povo, a ponto, com toda desfaçatez, protestar quando o atual governo fechou as torneiras.

Não obstante os artistas e outros contratados para atividades de valor não tangível tenham o direito de cobrar o mais que puderem, é obrigação dos homens (e mulheres) públicos zelar pelas guarda e adequado emprego do erário.

Não podem dar “circo” ao povo (principalmente com a expectativa de lucro eleitoral), quando esse mesmo povo precisa de “pão” passando fome ou privado de saúde, educação, trabalho, segurança e dos mais banais serviços como água e esgoto, ruas pavimentadas, alimentação aos carentes e outros.

Deputados, senadores e governantes que facilitam ou fazem vistas grossas e ouvidos moucos ao emprego de milhões de dinheiro para a contratação de artistas, esportistas e outras atrações de mobilização popular cometem um verdadeiro crime e deveriam pagar por isso, não só com seu patrimônio, mas com a impedimento da continuidade da vida pública e até a cessação da liberdade pessoal.

Observe-se que, se o artista fala o nome do candidato durante o show pode estar violando a legislação eleitoral, que proíbe a realização de “showmícios”.

Mas ainda há outra dúvida mais robusta: como será encarada pela Justiça Eleitoral a possibilidade do artista contratado com dinheiro público usar suas redes sociais ou fã-clubes para alavancar a campanha do candidato que arrumou o dinheiro para sua apresentação?

Isso seria tolerado diante dos inúmeros questionamentos que se faz sobre uso de Facebook WhatsApp, Telegram e outros nichos de internet?...

Em vez de proporcionar aos prefeitos – seus cabos eleitorais de luxo – as polpudas verbas que lhes proporciona a contratação de artistas, caros senadores, deputados, governantes e todos os cidadãos que detém postos de relevância e influência na administração pública deveriam se mobilizar para evitar a existência de mecanismos – como a “Emenda PIX” – que proporcionam essa sangria aos cofres da União, dos Estados e dos próprios municípios.

Existem normas e procedimentos para o emprego do dinheiro público que quando desobedecidas resultam até na cassação do mandato do governante e processos judiciais aos que decidiram em desacordo.

Mas ainda é pouco diante do jeitinho brasileiro que encontra meios de burlar os controles e colocar nas mãos de aliados o dinheiro que tanto serve às disparatadas contratações artísticas quando pode ir direto para a pauta da corrupção e do enriquecimento ilícito.

Temos visto o Ministério Público diligente em casos como esses que ultimamente são noticiados. É uma postura interessante, mas achamos pouco.

Em vez de – como se diz na zona rural – fechar a porteira depois que o cavalo escapou, é preciso prevenir a debandada da tropa.

O atual governo, que já impediu artistas (a maioria seus adversários políticos) de continuar recebendo rios de dinheiro, precisa fazer mais.

Criar mecanismos que protejam o erário dos achaques e impedir que os temerários do Congresso criem jabutis que abram as torneiras para os inadmissíveis vazamentos.

Levantamento do jornal “O Estado de S. Paulo” revela gastos da mais de R$ 14,5 milhões com artistas em cidades de até 50 mil habitantes. Isso é uma vergonha.

Em vez de show milionários, tal dinheiro deveria ter sido empregado em coisas básicas. Os artistas e seus espetáculos chegam à população pelos meios de comunicação.

E aqueles que têm cacife para apresentação presencial, devem fazê-las através de bilheteria. Nunca recebendo o dinheiro que deveria ir para a escola, a creche, o hospital e outros serviços de primeira necessidade...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre dinheiro público clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O que fazer para tornar uma empresa franqueadora

O processo de franquia de uma empresa nem sempre começa da forma correta.


A Justiça Eleitoral é confiável?

As polêmicas levantadas pelo presidente da República e seus correlegionários sobre o processo eleitoral têm sido constantes, e acabam por criar em uma parcela da população um clima de incerteza sobre a confiabilidade das eleições e das instituições envolvidas.


A revolução do mercado não dá opções: ou muda ou morre!

Com o perdão da força de expressão no título deste artigo, é preciso dizer que ele traz mais verdades do que excessos. O mercado mudou radicalmente.


Polícia x Criminalidade

Novamente assistimos pelos jornais de todo o país e nas redes sociais, a nova operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro que resultou na morte de 12 pessoas e um policial ferido no olho por estilhaços.


Efeito pandemia: mercado de seguros é alvo da catalização da transformação digital

A pandemia da COVID-19 acelerou novos movimentos de migração de consumidores para o universo online, gerando um salto catalizador para a transformação digital.


Sic transit gloria mundi: o ex-juiz virou réu

Sic transit gloria mundi (toda glória no mundo é transitória), era utilizada no ritual das cerimônias da coroação papal até 1963.


Os riscos do homeschooling para a educação básica no Brasil

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma modalidade que se pretende aplicar na educação básica do Brasil.


O futuro já não dura tanto tempo

A situação vivida por uma mulher que, em franco surto psicótico, foi encontrada por seu companheiro mantendo relações sexuais com um homem que vive em situação de rua, dentro de um carro, espalhou-se pelas redes sociais.



Osteopatia: Técnica de medicina complementar é tendência para auto-reparação

A Osteopatia é um método de avaliação e tratamento que busca restabelecer a função da estrutura compreendendo todos os sistemas do corpo sem a utilização de remédios ou intervenção cirúrgica.


Uma imagem vale mil informações

É difícil não se admirar com a quantidade de recursos tecnológicos que temos à nossa mão no mundo contemporâneo.


As inovações e necessidades na retomada dos serviços de campo nos negócios

Quando falamos da necessidade de uma experiência positiva do cliente ao contratar um serviço ou produto, muitas vezes nos referimos à compra e usabilidade, mas não podemos nunca nos esquecer da importância que os serviços de atendimento ao cliente e solução de problemas tem não apenas na fidelização do cliente, mas também na imagem da empresa ao mercado.