Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Shows milionários, circo no lugar de pão ao povo

Shows milionários, circo no lugar de pão ao povo

09/06/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O emprego de quantias milionárias de dinheiro público na contratação de artistas para a atração e agrado do público em ano eleitoral é um disparate e verdadeiro crime contra a população que sofre com a falta de serviços e recursos básicos de obrigação dos governos.

Nada contra os cantores e outros artistas que faturam 100, 200, até 800 milhões por uma única apresentação. Esse é o negócio deles e, se encontram quem paga, recebem dentro da mais simplória lógica de mercado.

Certas coisas – bens ou serviços – custam o que seus titulares ou prestadores encontram alguém disposto a pagar.

Essa prática inflacionou sobremaneira as atividades artísticas e levou importantes nomes do meio a se sentirem credores de altas somas do dinheiro do povo, a ponto, com toda desfaçatez, protestar quando o atual governo fechou as torneiras.

Não obstante os artistas e outros contratados para atividades de valor não tangível tenham o direito de cobrar o mais que puderem, é obrigação dos homens (e mulheres) públicos zelar pelas guarda e adequado emprego do erário.

Não podem dar “circo” ao povo (principalmente com a expectativa de lucro eleitoral), quando esse mesmo povo precisa de “pão” passando fome ou privado de saúde, educação, trabalho, segurança e dos mais banais serviços como água e esgoto, ruas pavimentadas, alimentação aos carentes e outros.

Deputados, senadores e governantes que facilitam ou fazem vistas grossas e ouvidos moucos ao emprego de milhões de dinheiro para a contratação de artistas, esportistas e outras atrações de mobilização popular cometem um verdadeiro crime e deveriam pagar por isso, não só com seu patrimônio, mas com a impedimento da continuidade da vida pública e até a cessação da liberdade pessoal.

Observe-se que, se o artista fala o nome do candidato durante o show pode estar violando a legislação eleitoral, que proíbe a realização de “showmícios”.

Mas ainda há outra dúvida mais robusta: como será encarada pela Justiça Eleitoral a possibilidade do artista contratado com dinheiro público usar suas redes sociais ou fã-clubes para alavancar a campanha do candidato que arrumou o dinheiro para sua apresentação?

Isso seria tolerado diante dos inúmeros questionamentos que se faz sobre uso de Facebook WhatsApp, Telegram e outros nichos de internet?...

Em vez de proporcionar aos prefeitos – seus cabos eleitorais de luxo – as polpudas verbas que lhes proporciona a contratação de artistas, caros senadores, deputados, governantes e todos os cidadãos que detém postos de relevância e influência na administração pública deveriam se mobilizar para evitar a existência de mecanismos – como a “Emenda PIX” – que proporcionam essa sangria aos cofres da União, dos Estados e dos próprios municípios.

Existem normas e procedimentos para o emprego do dinheiro público que quando desobedecidas resultam até na cassação do mandato do governante e processos judiciais aos que decidiram em desacordo.

Mas ainda é pouco diante do jeitinho brasileiro que encontra meios de burlar os controles e colocar nas mãos de aliados o dinheiro que tanto serve às disparatadas contratações artísticas quando pode ir direto para a pauta da corrupção e do enriquecimento ilícito.

Temos visto o Ministério Público diligente em casos como esses que ultimamente são noticiados. É uma postura interessante, mas achamos pouco.

Em vez de – como se diz na zona rural – fechar a porteira depois que o cavalo escapou, é preciso prevenir a debandada da tropa.

O atual governo, que já impediu artistas (a maioria seus adversários políticos) de continuar recebendo rios de dinheiro, precisa fazer mais.

Criar mecanismos que protejam o erário dos achaques e impedir que os temerários do Congresso criem jabutis que abram as torneiras para os inadmissíveis vazamentos.

Levantamento do jornal “O Estado de S. Paulo” revela gastos da mais de R$ 14,5 milhões com artistas em cidades de até 50 mil habitantes. Isso é uma vergonha.

Em vez de show milionários, tal dinheiro deveria ter sido empregado em coisas básicas. Os artistas e seus espetáculos chegam à população pelos meios de comunicação.

E aqueles que têm cacife para apresentação presencial, devem fazê-las através de bilheteria. Nunca recebendo o dinheiro que deveria ir para a escola, a creche, o hospital e outros serviços de primeira necessidade...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre dinheiro público clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli