Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sistema de gestão ambiental fortalece os requisitos de “E” do ESG

Sistema de gestão ambiental fortalece os requisitos de “E” do ESG

21/03/2023 Mayara Zunckeller

Manuais de boas práticas esquecidos no fundo de uma gaveta não têm utilidade. É preciso que ações saiam do papel, principalmente as relacionadas à ESG.

Mas transformar políticas ambientais em processos consistentes, alinhados aos objetivos de negócios, requer uma estrutura organizacional bem estruturada. E como adotar um roadmap eficiente para implementar essa estratégia?

Muitas empresas têm utilizado o Sistema Integrado de Gestão Ambiental (SIGA), um conjunto de metodologias que permite acompanhar, gerenciar e planejar todos os processos, contribuindo para resolver, mitigar ou prevenir impactos negativos das atividades econômicas de uma empresa.

Essa estrutura organizacional é que vai permitir à empresa avaliar os impactos ambientais de suas atividades, produtos ou serviços, resolvendo ou mitigando quaisquer pontos negativos e melhorando os aspectos positivos das propostas de desenvolvimento.

Implementar o SIGA de forma eficaz também ajuda as empresas em relação a saúde e a segurança dos funcionários e como também da comunidade.

E, com um foco maior em eficiência energética e gestão de resíduos, o sistema também ajuda as empresas a otimizar seus processos operacionais, o que reduz custos.

Colocando a gestão ambiental em prática

A implementação do SIGA é baseada no método PDCA (Plan-Do-Check-Act/Planejar-Fazer-Verificar-Agir), um processo iterativo utilizado para a melhoria contínua.

O PDCA é uma prática de gerenciamento bem-sucedida em muitas disciplinas, e o SIGA aplica o método dentro da estrutura da ISO 14001, a norma internacional para Sistemas de Gestão Ambiental.

O PDCA fornece um processo para “planejar” melhorias ambientais, “executar” as atividades operacionais necessárias para a melhoria, “verificar” os resultados dessas atividades e “agir” sobre esses resultados, retornando ao estágio de planejamento quando necessário para iterações adicionais.

A fase de planejamento envolve a revisão da política e compromissos ambientais, identificando as atividades atuais que podem afetar o meio ambiente, estabelecendo ações para gerenciar os impactos e, em seguida, projetando programas eficazes para garantir que os objetivos sejam alcançados.

Quando chega o momento de “fazer”, equipes e grupos responsáveis tomam as ações necessárias para garantir que os objetivos ambientais sejam alcançados.

Eles revisam, desenvolvem e comunicam procedimentos e fornecem treinamento para reduzir o risco de atividades que causem impacto.

A fase de verificação e ação corretiva envolve a avaliação da conformidade ambiental e a eficácia do SIGA. Auditorias examinam o desempenho geral do sistema e sugerem ações corretivas e preventivas.

E, finalmente, “Agir” é o momento de identificar melhorias. Relatórios das auditorias e insights revelados durante a fase de verificação podem identificar pontos fracos no sistema e a análise de causa raiz sugerirá ações corretivas.

Os ajustes necessários deverão ser feitos no próximo ciclo do Sistema Integrado de Gestão Ambiental, garantindo a melhoria contínua do desempenho ambiental e do próprio SIGA.

Eficiência energética também é destaque

A norma técnica ISO 50001 complementa a ISO 14001, traçando diretrizes para eficiência energética, com requisitos que contribuem para o consumo sustentável, viabilizando as atividades do negócio, e também baseada no método PDCA.

Ter o SIGA configurado por um consultor de gestão ambiental garantirá que sua organização esteja cumprindo suas políticas ambientais, minimizando o desperdício e coletando os dados corretos.

E por que você deve implementar a ISO 14001 e a 50001 em sua organização? Se você é novo em gestão ambiental, provavelmente ouvirá essa pergunta mais de uma vez de muitas pessoas em sua empresa.

Além do benefício óbvio de melhorar o ambiente, todos, desde a alta administração até os funcionários da linha de produção, devem saber por que isso é importante para sua empresa, e ajudar essas pessoas a entender pode ser a diferença entre uma implementação fácil e bem-sucedida e um desastre.

Para justificar a implementação do Sistema Integrado de Gestão Ambiental, você pode destacar o balizamento das ações corporativas em busca do equilíbrio na relação entre homem, indústria e meio ambiente, culminando em uma melhor eficiência energética e no aumento da competitividade da empresa ao ter uma marca alinhada às políticas ambientais.

E tenha a certeza de que os benefícios vão muito além desses citados.

* Mayara Zunckeller é Gerente de Operações na TÜV Rheinland.

Para mais informações sobre gestão clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Intelligenzia



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves