Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Só depois da parada de 7 de setembro

Só depois da parada de 7 de setembro

18/02/2010 Fábio P. Doyle

Até agora ninguém pode palpitar com segurança sobre o que acontecerá em outubro. Apenas dois candidatos estão praticamente certos, um para a presidência da República, outro para o governo do Estado. A briga pelas duas vagas no Senado será de pesos pesados. A confusão é total.

NA confusão generalizada que envolve o futuro do país e do Estado, a ser definido em outubro, o melhor, por enquanto, é não afirmar nada. Mesmo porque, estamos ainda em fevereiro, e como vivemos no Brasil, o panorama de hoje pode ser outro amanhã. Afinal, em oito meses pode acontecer tudo. Ou nada..

APENAS dois candidatos podem ser considerados já definidos para o governo federal e para o estadual. Dilma Roussef, pelo PT, para a sucessão de Lula, e Antonio Anastasia, do PSDB, para a sucessão de Aécio Neves. Até agora, os dois concorrem sozinhos. E mais do que sem concorrentes, sem companheiros de chapa.

NINGUÉM sabe ainda quem será o vice de Dilma, como ninguém pode afirmar quem será o vice de Anastasia. E vice, os exemplos estão aí vivos, pode ajudar a definir uma eleição. Lula não teria sido eleito com a facilidade com que ganhou pela primeira vez, depois de derrotado três ou quatro outras, se não tivesse escolhido o confiável empresário José Alencar como seu companheiro de chapa. Alencar deu a Lula o que ele não podia apresentar ao eleitorado mais consevador: credibilidade, confiança. E mais, conquistou para a chapa a maioria dos eleitores mineiros, que votaram mais em Alencar do que em Lula. A fórmula, não sei quem a inventou, foi perfeita. Juntaram numa cédula um sindicalista de ligações supostamente estreitas com a esquerda, o que ainda atemoriza o eleitor comum, com um empresario, industrial, capitalista, conservador, um homem sério, respeitado, vitorioso, confiável. Deu certo.

NÃO há, ainda, condições para adivinhar, o verbo é este mesmo, o futuro que outubro nos reserva. José Serra será mesmo o candidato de oposição a Dilma? E quem disputará com Anastasia, um técnico de comprovada competência e habilidade, em Minas: Hélio Costa, o lider das pesquisas, pelo PMDB, Patrus Ananias, o ministro competente, austero professor de Direito, ou o ex-prefeito Pimentel, pelo PT? E a possibilidade, agora aventada, de José Alencar, vice de Lula, ex-senador, ser lançado para conquistar o Palácio da Liberdade, um sonho que ele sempre guardou no coração? Seria apenas uma tática, mais uma, de despistamento do grupo Dilma/Lula?

E PARA as vagas de Minas no Senado? São duas apenas. Como conciliar tantos candidatos de peso eleitoral na faixa de largada e de chegada. Aécio, Itamar, José Alencar, já assumidos como prováveis candidatos, mais os que não encontrarem espaço na disputa do governo do Estado, Hélio Costa, Patrus e por aí. Dureza.

COMO se vê, a confusão é total. E mais confusão poder surgir, os últimos acontecimentos indicam, na hora dos debates entre os candidatos ao Planalto. Parece, pelo menos é a vontade já manifestada pelo padrinho e protetor de Dilma, que o debate eleitoral terá como tema as conquistas obtidas pelo país no seu governo e no de Fernando Henrique. Quem fez mais, quem melhorou mais a vida dos brasileiros, quem fez mais obras, quem criou mais escolas, mais hospitais, quem construiu mais estradas, quem deu maior impulso ao transporte público. Os tucanos devem se lembrar de que esta tática petista, na reeleição de Lula, deu certo. O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, passou a campanha toda tentando defender a administração de FHC, seu companheiro de partido, quando deveria defender o seu próprio programa de governo. Lula nadou de braçada, e virou o resultado, que no começo parecia não lhe ser favorável. Agora, a coisa se repete. Provocado habilmente pelos marqueteiros de Lula/Dilma, o ex-presidente e lider maior do PSDB, botou seu bloco na rua, para elencar os feitos de seu governo, comparando-os com os de seu sucessor. Se Serra for pelo mesmo caminho, o que aconteceu com Alckmin pode se repetir. Os avisos de advertência já foram dados por algumas cabeças bem formadas do ninho tucano, como a de Aécio. Serão ouvidos?

ENFIM, volto ao início. O melhor, para os que estão fora da briga, como meros observadores, é o meu caso, é não querer antecipar o que vai acontecer em outubro. Antes de março, certamente, nem chapas formadas teremos. E como dizia o sábio Hélio Garcia, eleição no Brasil só se define depois da parada do 7 de setembro.

* Fábio P. Doyle, jornalista e membro da Academia Mineira de Letras



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes