Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sobre deflação e inflação

Sobre deflação e inflação

10/08/2014 Bernardo Santoro

A ciência econômica possui escolas com as mais variadas definições do que é inflação e deflação. De modo geral, a população, e boa parte dos economistas, entendem inflação como aumento geral do índice de preços.

Essa definição não ajuda a entender o que cria inflação de verdade, mas só sua consequência, que é o aumento do custo de vida. Os preços de mercado estão vinculados a moeda. Somente essa moeda tem a força de interferir na generalidade de preços, sendo raríssimos os casos em que a escassez e utilidade de outro produto qualquer conseguirão interferir no mercado de maneira global.

Podemos dizer então que a inflação é um fenômeno monetário. A moeda é um bem econômico por ser escasso. Quanto mais escassa, mais se valorizará. Quanto menos escassa mais desvalorizada é. Governos costumam desvalorizar moedas expandindo a base monetária, ou seja, criando dinheiro do nada, com duas finalidades: (I) usar esse dinheiro novo para pagar contas públicas e (II) aumentar a oferta de crédito no sistema bancário para consumo popular.

Com isso, o Governo consegue bancar uma política fiscal perdulária e aumentar o nível de consumo do povo, ainda que à custa da poupança interna de quem se esforça para consumir de maneira sustentável, pois esse novo dinheiro ganha seu valor em cima da desvalorização do dinheiro velho que está na mão da população. Há uma transferência de renda do povo para Governo e bancos sem a necessidade de se expropriar dinheiro; um confisco disfarçado.

No longo prazo, a falta de poupança interna destroi a capacidade de investimento e o aumento da produtividade nacional, gerando desemprego e pobreza. A desvalorização monetária é particularmente benéfica para os exportadores, pois os produtos nacionais se tornam mais baratos aos investidores estrangeiros, e reduz a quantidade de bens disponíveis ao cidadão brasileiro. A deflação é a redução da base monetária, ou seja, o Governo retira dinheiro do mercado, aumentando seu valor unitário.

A deflação funciona como um transferidor de renda do Governo para a população que poupa, mas reduz o acesso ao crédito insustentável em geral, o que gera sensação de pobreza dentro da população e insatisfação política. Contudo, uma moeda forte gera aumento da compra de bens importados, seja para fins de consumo, seja para fins de investimento em bens de capital, e força a quebra de investimentos nacionais insustentáveis, cujos recursos serão canalizados em projetos onde o país possua maior vantagem comparativa frente a outras nações.

A melhor política monetária seria a deixada em livre-mercado, sem interferência de um Banco Central, em um sistema conhecido em economia como “free-banking”, sem ganhadores e perdedores a priori, o que é uma visão muito distante da realidade brasileira. Na prática, dentro de um sistema não-ideal controlado monopolisticamente pelo Governo, políticas deflacionárias são custosas ao Governo e o perigo para a população seria apenas de curto prazo, enquanto políticas inflacionárias são lucrativas ao Governo e muito ruins para a população em médio e longo prazo.

*Bernardo Santoro é Diretor do Instituto Liberal, Professor de Economia Política das Faculdades de Direito da UERJ e da UFRJ e Mestre em Teoria e Filosofia do Direito.



O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Apesar da polarização radical, brasileiros não abrem mão da Democracia

Desde as eleições presidenciais de 2018, temos percebido a intensificação da polarização política no país, com eleitores cada vez mais divididos.

Autor: Wilson Pedroso