Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sociedade da insônia

Sociedade da insônia

19/04/2022 Marco Antonio Spinelli

O filósofo coreano Byun-Chul Han observa no seu livro que o lugar em que a nossa Sociedade do Cansaço se mostra mais evidente é nas estações de metrô, onde vemos pessoas de todas as idades dormindo encostadas nos lugares mais improváveis.

Ou as pessoas estão com a cara enfiadas nos Smartphones ou dormindo, e uma cena parece causa e consequência da outra.

Nossas novas igrejas são os vídeos e workshops dos Gurus Motivacionais, sorrindo para as câmeras e proclamando: “Eu durmo quando eu morrer”.

Dormir pouco acelera nossa jornada rumo ao sono eterno, dizem todos os estudos. Aumenta a incidência de várias doenças, inclusive a Obesidade.

Quando eu falo para minhas pacientes que dormir mal aumenta o risco de Doenças Cardíacas ou o Câncer, os resultados são modestos.

Isso é assunto para daqui a algumas décadas, vamos ficar pendurados nas telas até a madrugada e que se danem as horas de sono perdidas.

Quando eu falo que dormir mal engorda, deixa o cabelo sem brilho e a pele oleosa, aí o resultado é muito mais significativo.

Homens, por sua vez, tem uma gama de interesses menos ampla, e ficam mesmo apavorados quando sabem que a falta de sono vai diminuir a performance e o tamanho de seus respectivos bimbos. Ou as joias da família.

A Medicina e a Clínica também depende da persuasão e cada público responde ao seu nicho de argumentos.

Agora, convencer os jovens millennials a dormir, bom, essa é uma tarefa até agora impossível. Ficar no Silêncio, então, nem pensar.

Assisti um documentário que mostrava a ilha de Okinawa, no Japão, onde há um dos maiores índices de pessoas com mais de cem anos no planeta.

Velhinhos de diversos modelos, tamanho e anos de fabricação convivem em centros de convivência e apoio. Muito já se estudou sobre o mistério dessa longevidade.

A dieta com muito peixe e poucas calorias é um fator. Não se acham esses idosos no McDonald's. A vida mais tranquila e pouco industrializada, também.

Como se trata de uma ilha, a genética das pessoas também parece ser um fator. O que ninguém estuda é a potência da comunidade gerando essa proteção.

Há uma rede impressionante de afeto e de relacionamentos nesse grupo, onde cada um se vê cuidado e cuidando de seus vizinhos.

Como uma grande família, ou como as famílias poderiam ser. Sistemas de colaboração, não de competição. Sistemas de Silêncio, não de barulho.

Corta a cena e o documentário vai para Tóquio, onde uma jovem viúva fala dos últimos meses de vida de seu marido, Gerente de Produção de uma montadora de carros.

O excesso de trabalho, o sono interrompido por telefonemas e problemas graves da linha de produção, as metas enlouquecidas, tudo isso foi tornando seu marido triste, solitário e isolado mesmo de sua filha bebê.

Um belo dia ela recebe uma ligação dizendo que seu marido, que não completara quarenta anos, tivera uma parada cardíaca com morte imediata.

Não é difícil estabelecer um paralelo entre um estilo de vida e outro, bem como seus resultados. Vamos trazer Okinawa para casa?

Vivemos uma época com muita poluição mental: somos bombardeados de informação, vídeos, filmes, fotografias e excesso de estímulo que cria a sensação permanente de falta. Eu devia saber mais, devia estar mais antenado, devia ser mais produtivo e ter alta performance.

O excesso de estimulação e de tarefas tira um espaço muito, muito importante em nossa vida, que é o espaço para o Nada. Para o silêncio. Para desconectar de toda a tempestade de estímulo.

Descansamos pulando de vídeo em video do YouTube, de foto em foto das Redes Sociais. Isso significa que não há espaço para o descanso. Nem para um detox de estímulo.

A Psiquiatria descreve há poucos anos um novo quadro ansioso, a Nomofobia, uma doença em que a pessoa fica completamente em Pânico em um lugar que não tenha Wi-Fi. Não sai do quarto, com medo da Desconexão.

A punição mais temida da molecada é ficar sem o celular, o tablet e a Smart TV. Ficar longe da internet é como perder a visão e a audição. Ou uma parte do corpo.

As culturas orientais valorizam o silêncio, a capacidade de fazer as coisas com vagar, sentindo os passos, os cheiros, os gostos da vida.

Um jeito de nos rebelar contra o bombardeio de mídias, de tarefas, de discursos de medo e de ódio é reaprender a recarregar as energias em qualquer lugar: ficar em silêncio no barulho, desligar o celular antes de ir para cama, frequentar ambientes isentos de Internet e recuperar a capacidade de Silêncio (note o leitor quantas vezes essa palavra Silêncio aparece nesse texto), mesmo que todos estejam gritando à sua volta.

Se estamos perdendo a batalha por um sono mais duradouro, precisamos de um sono mais efetivo. A cama tem que ser lugar para dormir e para boa vida sexual (que aliás melhora o sono). Mais nada.

Para dormir bem, o sono deve ser protegido e preparado. Como um espaço sagrado. Ter um lugar para o cuidado mútuo leva a uma vida mais longa e feliz.

Comer, rezar e amar (além de dormir) podem ser espaço de recarregar as baterias. Podemos comer devagar, rezar agradecendo ou aprendendo a meditar. E amar agora, não quando as metas infinitas estiverem batidas.

É isso que pode subverter nossa Sociedade do Cansaço e do Burnout. Ou ficaremos obesos, com a pele estragada e com o bimbo pequeno. Não parece ser difícil escolher a melhor opção.

* Marco Antonio Spinelli é médico, com mestrado em psiquiatria pela Universidade São Paulo, psicoterapeuta de orientação junguiana e autor do livro “Stress o coelho de Alice tem sempre muita pressa”.

Para mais informações sobre silêncio clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Vervi Assessoria



Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.