Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Solidez financeira e longevidade

Solidez financeira e longevidade

26/02/2016 Fernando Pinho

Afinal, nunca é tarde para refletir! Nem para começar a poupar dinheiro.

O tema deste artigo tem sido amplamente debatido e estudado nos últimos 20 anos pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), OMS (Organização Mundial da Saúde), Governos e universidades, principalmente, após a constatação do aumento da expectativa de vida humana e do enfraquecimento financeiro dos sistemas de Previdência Social.

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que a população brasileira acima de 60 anos saltará dos atuais 23 milhões para 88 milhões de pessoas em 20 anos.

Quando isso ocorrer, os idosos serão, aproximadamente, 40% da população brasileira, com pouquíssimas crianças e cada vez menos contribuintes com o sistema previdenciário. Como na Europa.

No caso brasileiro é notória a falta de apetite da população em poupar para um futuro distante. Isso é resultado da inexistência de produtos financeiros adequados para tal finalidade até meados dos anos 90, além de cinco trocas de moedas, hiperinflação, confisco de liquidez (Plano Collor), etc.

Infelizmente, como afirmou o economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, “somos uma sociedade de cigarras e não de formigas”. Trabalhando-se pouco e mal, além de descansar em demasiado, pouco sobra para reserva financeira.

Por isso, no Brasil, a compra de imóveis sempre foi priorizada para efeito de acumulação de riqueza. De acordo com um artigo do estrategista de investimentos pessoais, Aquiles Môsca, entre 95% e 97% dos aposentados não possuem independência financeira.

Não conseguem arcar com seus gastos fixos e variáveis com recursos próprios. Dessa forma, alguns seguem trabalhando, outros dependem de filhos e familiares, e muitos reduzem seu padrão de vida e consumo.

Na maioria dos casos, o que ocorre é uma combinação dos três fatores. Hoje, os brasileiros podem poupar para o futuro sem medo, pois o sistema financeiro nacional está apto a ofertar produtos seguros, além de estar muito sólido.

Há produtos financeiros adequados a todos os patamares de renda: caderneta de poupança (que pode também funcionar como conta remunerada para gastos de curto prazo), VGBL, PGBL, CDBs, fundos diversos, fundos estruturados para clientes de alta e altíssima renda e ações.

O importante é começar o quanto antes para aproveitar as benesses da capitalização de juros compostos. Quem está na faixa dos 40 anos precisa pensar com carinho no assunto. Planejadores financeiros orientam que a partir dessa idade o foco dos gastos migre do consumo para a formação de poupança, já que a vida útil para acumular patrimônio financeiro visando um período digno de “pós-aposentadoria” é menor.

Criar as chamadas rendas passivas, que independem do trabalho. A terrível tríade que assola a maior parte da população brasileira deve ser evitada a todo custo: estar velho, doente e sem dinheiro.

A leitura dos livros “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kyosaki (leitura agradável para iniciantes ao assunto) e “O Valor do Amanhã”, do economista Eduardo Giannetti, pode ajudar a melhorar a compreensão do assunto. Afinal, nunca é tarde para refletir! Nem para começar a poupar dinheiro.

* Fernando Pinho é economista e consultor financeiro da Prospering Consultoria.



O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros