Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Solução para o caos médico-hospitalar

Solução para o caos médico-hospitalar

19/07/2011 Dirceu Cardoso Gonçalves

Não costumo aqui abordar fatos pessoais. Hoje, no entanto, abrirei uma exceção porque o ocorrido leva à reflexão sobre um dos mais graves problemas da população: a falta de atendimento médico-hospitalar.

Encontrava-me, dias atrás, em Itanhandu (MG) - 14.175 habitantes, segundo o IBGE – quando uma pessoa da família teve um problema de saúde. O ímpeto foi procurar um hospital particular, mas só aí fiquei sabendo que a pequena localidade possui apenas um hospital público, e teria de me sujeitar. Fui até lá, preparado para enfrentar o calvário já conhecido na maioria dos hospitais públicos brasileiros, especialmente os dos grandes centros, onde misturam-se pacientes graves e leves e chega-se a morrer na fila por falta de atendimento.Para minha surpresa, encontrei um estabelecimento limpo, sem fila e com profissionais sorridentes e interessados na solução do meu problema. O atendimento foi rápido, atencioso e resolveu.

Nem o medicamento tivemos de comprar, pois foi fornecido pelo hospital,mantido pela Prefeitura e convênios oficiais. Terminada a emergência, fiquei pensando. Como é que uma cidade pequena, do interior,consegue manter um serviço dessa natureza, enquanto os grandes centros e até as cidades médias vivem o caos? Tentei justificar com o pequeno volume de atendimento, mas aí lembrei-me de que os recursos devem ser, proporcionalmente, pequenos. Uma coisa é certa: Itanhandu desmente a tese nacionalmente conhecida de que não é possível dar à população atendimento médico-hospitalar de boa qualidade. Não sou especialista e estes,certamente, dirão, em defesa do caos, que o meu problema era simples. Talvez até fosse, mas para mim, naquele momento, era o mais grave do mundo, e foi resolvido.

No tempo em que os institutos de aposentadorias e pensões ofereciam assistência médico-hospitalar a seus segurados, o atendimento era melhor do que hoje, quando temos o SUS,concebido para ser o mais completo sistema de socorro de saúde à população, mas infelizmente mal resolvido. A população, que não recebe atendimento adequado na rede básica de saúde, acaba superlotando os serviços de emergência e as filasse formam, com prejuízos e risco de vida para os pacientes de efetiva emergência, únicos que ali deveriam se encontrar. Mesmo assim, a propaganda oficial e política diz que o povo recebe bom atendimento.

Onde? Em Itanhandu, hoje, posso responder. Sem qualquer dúvida, devem existir, Brasil afora, outras localidades que prestam bom atendimento de saúde à sua população. Mas, infelizmente, o que temos visto ultimamente é notícia de corrupção em hospitais públicos, médicos reclamando de baixos salários e ganhando rios de dinheiro se comparados a outros profissionais e o povo morrendo na fila. Um verdadeiro descontrole, onde os cofres públicos investem elevadas somas, mas a população não tem atendimento. A solução é possível. Talvez esteja nas pequenas localidades e na anulação das máfias que hoje atuam no setor...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves* –dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann


Oppenheimer e Prometeu

Quando eu saí do cinema após ter visto “Oppenheimer” a primeira vez, falei para meu filho: “É Oscar de Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Interferência política e a desvalorização da Petrobras

Recentemente, o presidente Lula chamou o mercado de voraz por causa das quedas no valor das ações da Petrobras equivalentes a aproximadamente 60 bilhões de reais.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins