Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Soluções colaborativas para a educação brasileira

Soluções colaborativas para a educação brasileira

11/03/2019 Eliziane Gorniak e Mozart Neves Ramos

Para oferecer uma educação de qualidade é preciso trabalhar em colaboração.

Uma das razões da não efetividade do Plano Nacional de Educação (PNE), quanto ao cumprimento das metas estabelecidas, é a dificuldade que o país tem de colocar em prática o regime de colaboração.

O artigo 205 da Constituição Federal (CF) é muito claro quando afirma que para oferecer uma educação de qualidade é preciso trabalhar em colaboração. Quem melhor faz isso no Brasil é o estado do Ceará. Um dos frutos dessa colaboração entre o estado e os municípios é o exitoso programa de alfabetização das crianças cearenses.

E não é por falta de instrumento que estados e municípios brasileiros não conseguem colocar em prática o regime de colaboração. O Artigo 7º do PNE, em seu inciso 7º, ressalta a existência dos chamados Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADEs) como um instrumento que pode ser estratégico para colocá-lo em prática.

É bem verdade que desde 2009 que experiências de ADEs vêm sendo observadas no país, muito mais como resultado da articulação da sociedade civil com os municípios do que em decorrência de uma ação articulada e induzida pelo Ministério da Educação, órgão que poderia coordenar nacionalmente tal iniciativa.

Nesse contexto, um novo movimento começa a ganhar força no cenário internacional, especialmente nos Estados Unidos. Organizações da sociedade civil, empresários, distritos e escolas têm se unido e utilizado a teoria do impacto coletivo.

De acordo com essa teoria, para resolver problemas complexos, é importante haver o compromisso entre pessoas/instituições, de diferentes setores, na construção de uma agenda comum. Até aí, nada parece ser tão inovador - e de fato não é. A teoria elencou cinco princípios essenciais que devem ser conjuntamente adotados para se obter impacto coletivo.

Diversas experiências vêm gerando resultados bastante interessantes nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Israel e Coreia do Sul, baseadas nessa metodologia. um dos princípios é "ter uma organização de apoio, que deve ser escolhida pelo grupo e será responsável por dar suporte às iniciativas, guiar as estratégias e o monitoramento dos indicadores, manter o engajamento dos participantes e mobilizar recursos".

Ao observaros atuais ADEs ativos no país, percebemos que aqueles que instituíram um núcleo de gestão territorial - ou organização de suporte, como na teoria do impacto coletivo - conseguiram ter maior perenidade, como, por exemplo, o Arranjo do Noroeste Paulista, o Arranjo da Chapada Diamantina (Bahia) e o Arranjo da Associação dos Municípios da Grande Florianópolis.

Esse núcleo pode ser constituído por uma Secretaria de Educação, uma associação municipalista ou uma organização da sociedade civil, que concentra as atividades de suporte da estratégia instituída pelo arranjo.

Mas, para que isso ocorra, é preciso que os gestores educacionais estejam abertos a adotar uma gestão mais horizontalizada, em que a colaboração seja o eixo norteador. Isso significa aprender a trabalhar em rede.

Não basta apenas ter o desejo de colaborar: é preciso adotar um método que permita que a colaboração seja traduzida em ações estratégicas e táticas, que possam ser mensuradas e celebradas quando os resultados forem alcançados.

* Eliziane Gorniak é diretora do Instituto Positivo.

* Mozart Neves Ramos, diretor de Articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna e Conselheiro do Instituto Positivo.

Fonte: Central Press



LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.