Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sorte e Trabalho

Sorte e Trabalho

29/12/2012 Sylvia Romano

Todos os anos, janeiro é a mesma coisa. As pessoas se preparam para trabalhar, infelizmente, só depois do carnaval. Nada acontece em termos de negócios, a letargia é geral.

 

Monteiro Lobato, em um dos seus livros infantis, se não me engano “Travessuras de Pedrinho”, dizia que abril era o mês da preguiça. Mas hoje tenho certeza de que o brasileiro, com certa razão, transformou o mês de janeiro até o “entrudo” no período do “nada acontece”.

Em alguns países da Europa, agosto é a época escolhida para não se fazer nada. Paris, por exemplo, fica às moscas. Só que a maioria desses locais e, principalmente a França, é rica. Sei que todos têm lá seus problemas, mas não são nada comparados aos nossos.

Felizmente neste ano o carnaval irá acontecer logo no início de fevereiro, portanto estaremos ganhando em relação aos anos anteriores um bom período produtivo, pois lembro-me de já ter visto a folia acontecer só no mês de março. O ano também, além de ser par, termina em 8, cujo número muitos esotéricos dizem ser o da sorte e da bonança. 2008 terá ainda poucos feriados que permitem a “ponte”, quando se aproveita para emendar, resultando em dias a menos de trabalho.

Infelizmente para o empresariado, as contas continuam caindo, os salários têm de ser pagos e os impostos são os mesmos. O Brasil perde receita e, o custo de tanto fazer nada, é enorme. Não sou contra férias, nem descanso, mas em algumas situações, principalmente em um País como o nosso, eles passam a ser abusivos.

No meio de tantas leis esdrúxulas que nossos representantes fazem aprovar, como as que sempre vemos serem divulgadas, será que nenhum teria a capacidade de propor uma limitação de feriados por ano e, até, a transferência de alguns para os fins de semana? E o carnaval, por que não transferi-lo para a última semana de janeiro? Sei que o setor do turismo reclamaria e mais ainda as escolas de samba, mas com certeza, o País e a economia ganhariam em muito.

Até concordo com o sociólogo Domenico de Masi, que prega que o ócio é condição inerente ao ser humano e este só é criativo e feliz na “vagabundagem”. Mas sei também que o trabalho pode e deve ser uma grande fonte de prazer e que o sucesso profissional pode ser uma das mais importantes realizações que uma pessoa possa almejar na vida. Além disso, o trabalho traz muita sorte e, quanto mais você trabalhar, mais sorte terá.

Sylvia Romano é advogada trabalhista, responsável pelo Sylvia Romano Consultores Associados, em São Paulo.  e-mail: [email protected]

 



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.