Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Supermercados: como fugir das armadilhas?

Supermercados: como fugir das armadilhas?

31/03/2015 Lélio Braga Calhau

Um dos setores que mais evoluiu no Brasil nos últimos vinte anos foi o de supermercados.

Ganhando escala, os supermercados ganharam força na negociação com os produtores e conseguiram, em tese, preços melhores para os consumidores. Os supermercados atuam, em grande parte, com pesquisas detalhadas sobre o comportamento do consumidor.

Todos os estímulos ambientais são cuidadosamente organizados para incentivar o consumidor a comprar. Possivelmente são as empresas do nosso dia a dia que mais sabem provocar estímulos ao nosso redor e nos fazer consumir com vontade. Os doces ao alcance fácil das crianças, os produtos essenciais no final do supermercado e a música ambiente muito agradável não estão ali por coincidência, mas para te incentivar a consumir mais do que você queria.

Não sendo possível ir a fundo sobre isso neste curto espaço, vamos falar, então, sobre alguns tipos de consumidores que os supermercados conhecem muito bem: o que vai ao estabelecimento com fome, o que vai comprar alguma coisa e aproveita para passear e o que vai com uma lista feita previamente em casa ou no trabalho. Bem, não precisamos ir muito longe para dizer que o cliente que vai ao supermercado com fome é “presa fácil” para aquele monte de estímulos sensoriais de alimentos gostosos e bonitos, expostos cuidadosamente nas gôndolas.

Para “facilitar”, o consumidor, em muitos casos, é servido por “promotores de vendas”, que divulgam seus produtos oferecendo degustações, as quais aumentam, de forma concreta a conversão em vendas dos produtos expostos nas gôndolas. O cliente que vai “passear no supermercado” é outro guerreiro, que se submete àquele mar de estímulos para gastar, e acha ser capaz de ser mais forte que o “canto das sereias”. Geralmente, entra no supermercado para fazer uma “comprinha básica” e acaba gastando duas ou três vezes mais.

É um “cliente VIP” da empresa, o sonho de todas as redes, pois não se planeja e gosta de desafiar estímulos quase irresistíveis. Já o cliente que vai ao supermercado com a lista previamente preparada é o cliente mais difícil. Usando a razão e tendo a lista como guia, ele procura fazer suas compras dentro do previamente refletido e deixar o estabelecimento tão logo possa, a fim de retornar a seus afazeres costumeiros.

Não se comove com música alta ou alegre, nem como degustações, promoções, etc. Não há nada de errado em se enquadrar em quaisquer dessas classificações, e, para o bem da verdade, devem existir muitas outras mais. A grande pergunta que você deve se fazer é se você vai ao supermercado previamente preparado para o ato de consumir ou prefere achar que esse esforço não compensa ou não faz sentido? Pense bem nisso. Use a razão e fique atento. O seu bolso vai agradecer!

*Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder