Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Sustentabilidade em transporte e gerenciamento de riscos

Sustentabilidade em transporte e gerenciamento de riscos

07/12/2012 Eliel Fernandes

Sustentabilidade nos transportes consiste em preservar o meio ambiente através de ações que reduzam a poluição do ar, poluição sonora, congestionamentos, acidentes e, de uma forma geral, tudo que cause impactos sociais e ambientais de forma a garantir a permanência dos negócios em longo prazo.

No Brasil, o transporte terrestre detém a grande parte de todas as mercadorias transportadas. Pesquisas realizadas por institutos especializados mostrou que, depois dos desmatamentos, os veículos, principalmente os movidos a diesel, ocupam segundo lugar no descarregamento de CO2 na atmosfera, além de afetarem substancialmente os números de acidentes, congestionamentos e os custos das mercadorias transportadas.

Os interesses financeiros, a falta de incentivos fiscais e a necessidade de investimentos vultosos na modernização dos portos e na construção de ferrovias e hidrovias, desestimulam os stakeholders (pessoas ou organizações interessadas e/ou afetadas num projeto), a abrirem mão de parte dos seus lucros e abraçarem esta causa em prol do crescimento sustentável do nosso país.

Os países mais desenvolvidos nesse setor incentivam os modais ferroviários e hidroviários e já estão no momento de aplicarem tecnologias em seus processos de busca constante pelo crescimento sustentável. No Brasil não vemos em curto prazo uma mudança deste quadro.

Este desequilíbrio de modais expõe as operações a riscos e estimula o surgimento de empresas e ações de gerenciamento de riscos, empenhadas em reduzir a exposição das mercadorias transportadas, controlar a logística reversa, prevenir roubos, acidentes, derramamento de mercadorias no solo e otimizar a utilização da frota de caminhões. Estas ações auxiliam na preservação dos negócios e do meio ambiente.

“A responsabilidade social e a preservação ambiental significam um compromisso com a vida.” João Bosco da Silva.

*Eliel Fernandes é sócio e diretor comercial da Buonny Projetos e Serviços de Riscos Securitários.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.