Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sustentabilidades

Sustentabilidades

02/09/2011 Caio Aguilar Fernandes

Tenho uma tia muito querida, nascida em 1916, e ainda viva. Das várias histórias que ela contou para nós, sobrinhos e sobrinhas, há uma de que gosto, principalmente quando alguém diz que atualmente as coisas são piores que no passado.

Minha tia fala que, quando jovem, o sabão usado na casa - inclusive para os banhos - era feito de cinzas (que vinham do fogão à lenha). O processo era complicado, o cheiro muito forte e o produto final não muito bom. Hoje, dizia ela, vamos ao supermercado e escolhemos entre inúmeros tipos de sabonete, já prontos e embalados, muito melhores que os feitos no ambiente doméstico. Acredito que ela esteja certa.

Não quero - e acredito que a maior parte de nós não queira - viver em um mundo sem os recursos que a ciência, a tecnologia e o mercado dispuseram para uma parte significativa da humanidade, e que, sim, deveriam estar disponíveis para uma parte ainda maior de pessoas. Mas esse processo, digamos, de melhorias - temos uma expectativa de vida mais longa, consumimos mais, produzimos mais -, implica em uma série de questões.

O romantismo do século XIX, posteriormente a contracultura dos anos 1960 e mais contemporaneamente os movimentos ecológicos foram e são claros em suas proposições: se o modelo de desenvolvimento que escolhemos não for minimamente revisto, estaremos em um impasse.

O diagnóstico é relativamente simples: se a sociedade de consumo, em princípio, não tem limites, o Planeta Terra tem. Isso não significa frear, por exemplo, as possibilidades de aumento do poder aquisitivo por parte das populações dos países que agora crescem economicamente, como é o caso do Brasil. Ao contrário. Significa pensar as bases desse consumo e os ganhos tecnológicos, em termos razoáveis e responsáveis. Por exemplo: que formas de transporte são mais adequadas de fato para a população de um grande centro urbano e mesmo de uma cidade pequena ou média que começa a crescer economicamente?

Há cidades brasileiras em que o transporte individual acaba por ter um custo menor que o coletivo; isto é um contrassenso de conseqüências ambientais (e logísticas)seriíssimas. A Economia Solidária, em um de seus princípios, diz que o consumo deveria ser partilhado em termos planetários, para que condições básicas de existência fossem comuns a todos. Não se trata de uma tarefa fácil.

Mas a discussão atual sobre a questão da sustentabilidade aparece como um indicador duplo: enquanto uma parte da população mundial desequilibra o ambiente com seu excesso, há uma grande parte da população mundial que sequer tem contato com água encanada. Acredito que essa situação deva ser repensada. Nesse sentido, sustentabilidade é um conceito que, para mim, se aproxima da noção de responsabilidade: responsabilidade pelo mundo que queremos construir, aqui e agora, dentro e fora de nossas casas.

Caio Aguilar Fernandes é professor do Suporte Pedagógico de Sociologia do Ético Sistema de Ensino, da Editora Saraiva, e Mestre em Multimeios pela Unicamp.

 

 



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes