Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tecnologia ao alcance de todos?

Tecnologia ao alcance de todos?

13/07/2012 Sandra Franco

O Governo Federal lançou recentemente o PAC Equipamentos, projeto que beneficia vários setores da indústria de equipamentos no Brasil, dentre elas o setor de equipamentos médicos e hospitalares.

O novo programa prevê o investimento de R$ 8,4 bilhões, além de cortes nas taxas de juros e preferência para produtos nacionais nas licitações públicas para área da saúde. Hoje, a margem de preferência na compra de equipamentos médicos, hospitalares e laboratoriais, nacional é de 8%, porém o governo quer ampliar esta margem para até 25% para compra de equipamentos adquiridos pela esfera pública, o que aquece a indústria nacional.

O programa surgiu de uma antiga reclamação da indústria nacional de equipamentos para saúde, que reclamam dos juros altos e da concorrência desleal com equipamentos importados, uma vez que a tributação é privilegiada e muitas instituições filantrópicas ficam isentas do pagamento de tributos como IPI (imposto sobre produtos industrializados) II (imposto de importação) e o ICMS (imposto de circulação de mercadorias e serviços), já que a Constituição Federal em seu artigo 150, VI “C”, estabelece a isenção do pagamento de impostos a essas instituições.

Com as importações diretas pelas entidades filantrópicas de saúde, somados a imunidade dos impostos concedidos pelo nosso ordenamento jurídico, os equipamentos nacionais não conseguem concorrer com os importados, o que desestimula a indústria local. A ideia do governo é valorizar a indústria brasileira que investe no país e gera empregos.

A Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) comemora o novo programa. No entanto, surge uma questão: os novos benefícios concedidos pela PAC Equipamentos vão baratear os equipamentos da saúde? Possibilitarão maior acesso de toda população as novas e modernas tecnologias, hoje muitas vezes disponibilizadas apenas para aqueles que podem pagar pelos serviços de custos mais elevados?

A redução dos juros e os investimentos governamentais comprometem-se à concessão de maior isonomia entre os equipamentos importados e nacionais, o que se entende pela diminuição dos valores cobrados hoje pela indústria brasileira, e não um aumento dos produtos importados.

Sem dúvida, com o crescimento da economia cresce o número de cidadãos com possibilidade de migração para a saúde privada, setor em que se pressupõe melhora no atendimento e mais acesso a equipamentos de alta tecnologia. Porém, o que se espera do governo é um aumento e melhora no atendimento fornecido pelo SUS, estimulando a compra de equipamentos de alta tecnologia para atender a todos e não poucos privilegiados.

Para aumento da tecnologia no sistema SUS não basta o novo programa PAC de equipamentos, mas uma série de medidas necessárias para desenvolvimento da indústria nacional de equipamentos médicos, que hoje enfrenta grande dificuldade para regulamentar seus equipamentos junto a ANS e a Anvisa, que em razão de sistemas burocráticos e lentos impedem a regulamentação  dos equipamentos nacionais.

Ainda há muito que fazer para a manutenção da isonomia nos equipamentos importados e nacionais e a diminuição dos custos destes equipamentos de forma a possibilitar a compra pelas entidades públicas e privadas, permitindo, enfim, a mais importante isonomia: a do atendimento igualitário a todos os cidadãos que procuram solução a suas enfermidades e que devem ter a sua disposição alta tecnologia de equipamentos médicos, odontológicos, hospitalares e laboratoriais, custeados pelo governo através do sistema SUS.

Sandra Franco é sócia-diretora da Sfranco Consultoria Jurídica em Direito Médico e da Saúde, do Vale do Paraíba (SP).



As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes