Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Temer deve ou não renunciar?

Temer deve ou não renunciar?

30/05/2017 Sérgio Mauro

De uma pessoa em geral, mas, sobretudo, de um governante, deve-se exigir um mínimo de coerência.

Apesar dos motivos pessoais de alguns membros da cúpula governamental, o impeachment de Dilma Roussef fundamentou-se nas fortes suspeitas de crimes eleitorais, além de omissões ou participações indiretas em crimes de corrupção.

Pelo mesmo motivo, isto é, por fortes suspeitas, até que se prove o contrário, Temer deveria evitar o vexame de uma impugnação por parte do TSE ou qualquer outra forma de “mancha” na sua carreira política. Michel Temer já se gabou publicamente, há não muito tempo, de sua ilibada reputação política.

Sendo assim, quer seja culpado ou não, quer tenha sido vítima de tramoias ou não, é preciso que se afaste com dignidade e renuncie ao cargo. As consequências da sua renúncia podem ser imprevisíveis, mas não se pode ter dois pesos e duas medidas, na vida particular e, sobretudo, na vida pública.

Lula ainda precisa provar a sua inocência e, nesta altura do “campeonato” político, Temer se encontra na mesma situação. Assim como Lula, até prova em contrário, não deveria vir a público afirmar que é uma inocente vítima da perseguição implacável de um juiz paranaense, assim também ele poderá se defender das acusações que bem entender, mas desde que devidamente afastado de suas funções públicas.

Parece ingênuo supor que quem governa deva sacrificar-se pelo país, mas um verdadeiro estadista (e há na história alguns exemplos) coloca em primeiro lugar o bem-estar da nação e somente em segundo plano a própria pele. O político profissional assemelha-se, guardadas as devidas proporções, ao atleta profissional.

Em priscas eras, quando se competia pelo prazer de competir e para bem representar a comunidade a qual se pertencia, havia um sabor especial no esporte em geral, que o tornava uma atividade lúdica bastante digna.

Hoje em dia, com poucas exceções, o espírito agonista foi substituído pela ganância explícita. Embora um político não seja um atleta e Michel temer não tenha o “physique du rôle” de um esportista, espero que se inspire nos agonistas de outrora, principalmente nos da antiguidade greco-romana, e admita que não tem mais condições de governar, pois a combalida situação socioeconômica do país não pode aguardar os tempos indefinidos e longos da justiça brasileira.

No interregno que decorre entre as graves acusações que sobre ele pesam e o processo de sua suposta absolvição, a sociedade poderá assistir impassível e inerme ao aumento do desemprego e da pobreza generalizada, ou, pior ainda, ao ataque de aventureiros sempre à espreita do momento oportuno para dar o bote.

A muitos jornalistas, inclusive internacionais, que recentemente publicaram matérias sobre o assunto, pode parecer indiferente a permanência ou não do presidente em exercício no seu cargo, desde que sejam feitas as reformas em discussão, mas nós, simples e indefesos cidadãos, que diariamente sentimos na pele a ausência de uma efetiva condução da economia e de um projeto minimamente viável para o país, não deveríamos cruzar os braços diante de mais uma nuvem escura pairando sobre um dos máximos governantes brasileiros.

Não me associei antes, mecanicamente e sem critérios, à multidão que gritava (e ainda grita): “Fora Temer”! Não me associo agora, do mesmo jeito, a um lema que visa a atingir apenas um dos membros de um sistema político representativo muito mais vasto e muito além de uma só pessoa que possa encarná-lo.

Sendo assim, buscando a coerência, associo-me, sem bordões de “guerra” ou palavras de ordem, ao grupo dos que esperam que o próprio presidente em exercício reflita sobre o assunto e conclua que, ao se afastar com dignidade mediante a renúncia, não apenas dará uma resposta digna e civilizada aos gritos da multidão enfurecida, como também incluirá o seu nome na história dos políticos brasileiros que, à semelhança dos antigos atletas, “suou” a camisa não apenas em proveito próprio, mas em nome da nação.

* Sérgio Mauro é professor da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Araraquara.



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.