Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Temos mão-de-obra qualificada para a Copa?

Temos mão-de-obra qualificada para a Copa?

29/03/2012 Wilson Roberto Giustino

Muito se fala sobre o atraso das obras para a realização da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, que serão realizadas aqui no Brasil.

Não é raro encontrar alguém que desconfie da nossa capacidade para oferecer todas as condições necessárias para o sucesso destes dois grandes eventos esportivos. Críticas aos aeroportos e aos estádios de futebol são frequentes, se ouvem em todas as esquinas.

No entanto, há muitos outros problemas pela frente que precisam ser enfrentados e solucionados. Sabemos que é necessário garantir perfeitas condições de transporte urbano, de estadia, de segurança, etc., mas é indispensável também que haja pessoas capacitadas para prestar determinados serviços nos vários setores que serão exigidos nesse período. De nada adianta um aeroporto com capacidade para receber milhares de turistas ou ônibus em quantidade suficiente para conduzir tranquilamente os passageiros para todos os cantos se não houver profissionais capazes de atender o público de maneira eficiente.

É preciso mão-de-obra qualificada para exercer tais funções. Os prestadores de serviço precisam estar devidamente preparados para cumprir suas tarefas e, se for preciso, demonstrar habilidade para ir além. Se um turista desorientado precisar de alguma ajuda ou informação e solicitar o auxílio de um profissional que está limitado à prática de um único afazer, sem qualquer jogo de cintura para lidar com o inesperado, seu despreparo pode comprometer o sucesso que se almeja ao sediar dois eventos tão importantes.

Da mesma forma que as pessoas tendem a enxergar no bairro ou mesmo no condomínio onde moram só os problemas que são facilmente percebidos (como ruas esburacadas ou o acúmulo de lixo em local inapropriado, por exemplo), sem se dar conta de que, muitas vezes, há outros que exigem igual ou até maior atenção, acreditar que os problemas dos aeroportos e dos estádios são os mais graves e os principais a serem enfrentados, deixando de cuidar e de buscar solução para todos os outros, é cair no mesmo erro.

Logo, todos os problemas precisam ser identificados e solucionados para que tudo funcione perfeitamente bem e nada comprometa o sucesso destes dois grandes eventos mundiais que aceitamos o desafio de realizar em terras brasileiras. Precisamos redobrar os cuidados e aumentar o nosso esforço para garantir toda a infra-estrutura necessária e arregimentar profissionais que estejam verdadeiramente capacitados para atender ao público em geral.

Essa é uma grande oportunidade de mostrarmos ao mundo que somos suficientemente capazes de cumprir um desafio como este e de encantar os estrangeiros ainda mais, tanto pelo nosso reconhecido carisma como também pelo exemplo de profissionalismo que podemos dar.

* Wilson Roberto Giustino é presidente do CEBRAC – Centro Brasileiro de Cursos.



Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre


Inteligência Artificial Generativa e o investimento em pesquisa no Brasil

Nos últimos meses, temos testemunhado avanços significativos na área da inteligência artificial (IA), especialmente com o surgimento da inteligência artificial generativa.

Autor: Celso Hartmann