Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Terceira via, ou vai ou racha…

Terceira via, ou vai ou racha…

12/04/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O prato político brasileiro das próximas semanas será a chamada terceira via, aquela ideia que é requentada em todas as eleições e, até agora, não decolou.

Temos “lançados” a presidente da República, pelo PSDB, o ex-governador de São Paulo, João Dória, pelo MDB a senadora Simone Tebet, e em vias de lançamento Luciano Bivar, do União Brasil.

Mas Sérgio Moro – que teria jogado a toalha, trocado o Podemos pelo UB para ser candidato a deputado federal por São Paulo (embora more no Paraná) continua dizendo que aspira a presidência.

Roberto Freire (Cidadania) e Ciro Gomes (PDT), candidatos do passado, poderão repetir a dose e Eduardo Leite (que perdeu a prévia tucana para Dória mas renunciou ao governo do Rio Grande do Sul) também não tirou a idéia da cabeça.

Toda essa articulação tem apenas um objetivo: derrubar Bolsonaro e Lula, segundo as pesquisas, os favoritos para a presidência em 2 de outubro.

Se conseguirem vencer a vaidade de cada pretendente, poderão chegar a um nome de consenso, o que não é garantia de sucesso na empreitada.

O ex-presidente Janio Quadros – que renunciou em 1961- costumava dizer que os políticos brasileiros são muito agarrados ao próprio interesse e só participam de algum esquema se o  próprio nome estiver no topo.

“Eu renunciei à suprema magistratura do país, mas eles não são capazes de renunciar nem ao posto de inspetor de quarteirão” dizia o ácido e espirituoso ex-presidente.

Se cada pré-candidato da terceira via não tiver a necessária humildade e o desprendimento para compreender que aquela não é a sua vez (e esta poderá nunca chegar), a alternativa entre os polarizados fracassará antes de existir concretamente.

Principalmente levando em consideração que, pelo tipo de proselitismo realizado nas últimas décadas, o eleitorado brasileiro foi adestrado para estar de um lado ou do outro.

Atualmente, quem critica Bolsonaro é classificado como lulista e quem declara não estar com Lula é chamado de bolsonarista.

Isso não é uma verdade aritmética mas ninguém sabe se forma o caldo de opções capaz de ensejar o sucesso de uma terceira via nas urnas.

O pior de tudo não é essa incerteza, mas a dificuldade que os supostos candidatos têm para admitir seu tamanho específico e a melhor condição do concorrente admitindo sua candidatura e, logicamente, apoiando-a.

Tanto Bolsonaro quanto Lula devem estar muito tranquilos em relação à suposta terceira via. Certamente estão preocupados mais com o embate deles próprios e seus grupos do que com os alternativos. Isso é ruim para a democracia brasileira, que fica à mercê das extremidades ideológicas.

Considere-se que fora do bolsonarismo e de lulismo existem propostas interessantes para o país. Mas a falta de respaldo eleitoral lança-as no cesto do lixo da história que dificilmente será revolvido algum dia.

É importante entender que o mundo inteiro sofre profundas alterações eleitorais, decorrentes principalmente da internet, redes sociais e da comunicação global célere.

As eleições de Donald Trump e Joe Biden nos Estados Unidos, de Emmanuel Macron na França e tantas outras decorrem do impacto dessa nova realidade.

Assim como a de Bolsonaro aqui no Brasil (em 2018), que teve o grande empuxo das redes sociais e, evidentemente, da tentativa de assassinato (ainda não devidamente apurada) por ele sofrida.

O momento é singular. Não guarda nenhuma relação com o pós-guerra, o regime de 1964 e tem o da “Nova República” completamente desfigurado.

Tanto é que os poderes institucionais divergem como nunca, os partidos políticos que chegaram a mais de 100 (entre registrados e com pedido de registro) hoje buscam se reunir em federações e os políticos parecem ter compreendido que não há só direita, esquerda e centro.

Também existem as situações híbridas que, se encontradas e devidamente exploradas, poderão nos conduzir a um novo momento. A virar o ciclo e determinar como será o futuro. Oremos.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre eleições clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder