Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Terceira via, ou vai ou racha…

Terceira via, ou vai ou racha…

12/04/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O prato político brasileiro das próximas semanas será a chamada terceira via, aquela ideia que é requentada em todas as eleições e, até agora, não decolou.

Temos “lançados” a presidente da República, pelo PSDB, o ex-governador de São Paulo, João Dória, pelo MDB a senadora Simone Tebet, e em vias de lançamento Luciano Bivar, do União Brasil.

Mas Sérgio Moro – que teria jogado a toalha, trocado o Podemos pelo UB para ser candidato a deputado federal por São Paulo (embora more no Paraná) continua dizendo que aspira a presidência.

Roberto Freire (Cidadania) e Ciro Gomes (PDT), candidatos do passado, poderão repetir a dose e Eduardo Leite (que perdeu a prévia tucana para Dória mas renunciou ao governo do Rio Grande do Sul) também não tirou a idéia da cabeça.

Toda essa articulação tem apenas um objetivo: derrubar Bolsonaro e Lula, segundo as pesquisas, os favoritos para a presidência em 2 de outubro.

Se conseguirem vencer a vaidade de cada pretendente, poderão chegar a um nome de consenso, o que não é garantia de sucesso na empreitada.

O ex-presidente Janio Quadros – que renunciou em 1961- costumava dizer que os políticos brasileiros são muito agarrados ao próprio interesse e só participam de algum esquema se o  próprio nome estiver no topo.

“Eu renunciei à suprema magistratura do país, mas eles não são capazes de renunciar nem ao posto de inspetor de quarteirão” dizia o ácido e espirituoso ex-presidente.

Se cada pré-candidato da terceira via não tiver a necessária humildade e o desprendimento para compreender que aquela não é a sua vez (e esta poderá nunca chegar), a alternativa entre os polarizados fracassará antes de existir concretamente.

Principalmente levando em consideração que, pelo tipo de proselitismo realizado nas últimas décadas, o eleitorado brasileiro foi adestrado para estar de um lado ou do outro.

Atualmente, quem critica Bolsonaro é classificado como lulista e quem declara não estar com Lula é chamado de bolsonarista.

Isso não é uma verdade aritmética mas ninguém sabe se forma o caldo de opções capaz de ensejar o sucesso de uma terceira via nas urnas.

O pior de tudo não é essa incerteza, mas a dificuldade que os supostos candidatos têm para admitir seu tamanho específico e a melhor condição do concorrente admitindo sua candidatura e, logicamente, apoiando-a.

Tanto Bolsonaro quanto Lula devem estar muito tranquilos em relação à suposta terceira via. Certamente estão preocupados mais com o embate deles próprios e seus grupos do que com os alternativos. Isso é ruim para a democracia brasileira, que fica à mercê das extremidades ideológicas.

Considere-se que fora do bolsonarismo e de lulismo existem propostas interessantes para o país. Mas a falta de respaldo eleitoral lança-as no cesto do lixo da história que dificilmente será revolvido algum dia.

É importante entender que o mundo inteiro sofre profundas alterações eleitorais, decorrentes principalmente da internet, redes sociais e da comunicação global célere.

As eleições de Donald Trump e Joe Biden nos Estados Unidos, de Emmanuel Macron na França e tantas outras decorrem do impacto dessa nova realidade.

Assim como a de Bolsonaro aqui no Brasil (em 2018), que teve o grande empuxo das redes sociais e, evidentemente, da tentativa de assassinato (ainda não devidamente apurada) por ele sofrida.

O momento é singular. Não guarda nenhuma relação com o pós-guerra, o regime de 1964 e tem o da “Nova República” completamente desfigurado.

Tanto é que os poderes institucionais divergem como nunca, os partidos políticos que chegaram a mais de 100 (entre registrados e com pedido de registro) hoje buscam se reunir em federações e os políticos parecem ter compreendido que não há só direita, esquerda e centro.

Também existem as situações híbridas que, se encontradas e devidamente exploradas, poderão nos conduzir a um novo momento. A virar o ciclo e determinar como será o futuro. Oremos.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre eleições clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.