Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Trabalho e estudo no exterior: conheça as regras

Trabalho e estudo no exterior: conheça as regras

05/08/2015 Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira

Um assunto que gera muitas dúvidas é sobre a possibilidade de trabalhar durante o período de intercâmbio.

Questões como destinos que permitem, quais as regras e como fazer são as mais comuns entre os estudantes.

Em alguns países como Nova Zelândia, Austrália, Irlanda e Canadá, os intercambistas brasileiros podem trabalhar, basta seguir algumas regras simples e aproveitar as oportunidades.

Confira como funciona em cada um destes países:

Irlanda – tem permissão de trabalho estudantes matriculados em curso de inglês pelo período de 25 semanas (seis meses). O aluno pode trabalhar 20 horas semanais durante o período de aula e 40 horas semanais durante o período de férias, desde que as férias coincidam com o período entre maio e setembro (verão irlandês) ou recesso de fim de ano (entre 15 de dezembro e 15 de janeiro). O aluno tem a facilidade de tirar o visto já na Irlanda e permissão para ficar oito meses no país, 6 meses de aula e 2 meses de férias.

Austrália – o estudante brasileiro precisa estar matriculado em curso de inglês com duração de 14 semanas com carga horária mínima de 20 horas semanais. Com isso, a permissão para trabalho é de 40 horas a cada duas semanas. Durante as férias, é permitido trabalhar período integral. As férias são de um mês após o término do período de aulas. O visto australiano precisa ser tirado no Brasil.

Nova Zelândia – quem vai estudar por um período maior que 14 semanas, poderá trabalhar por até 20 horas semanais durante o período de aulas. Durante as férias, o aluno pode trabalhar em período integral, mas para ter esse direito é necessário estar matriculado em um curso de duração superior a 12 meses.

Canadá – não é mais permitido que estudantes de línguas trabalhem. Porém, há opções para quem já tem um nível intermediário de inglês. Há escolas que oferecem uma espécie de curso técnico, onde o aluno tem aulas de matérias variadas que o preparam para o mercado de trabalho. O visto precisa ser retirado no Brasil. A permissão de trabalho para este curso é de 20 horas semanais durante o período do curso e de até 40 horas semanais durante o período do estágio obrigatório. A duração do programa é de um ano, sendo seis meses de curso mais seis meses de estágio.

Para cursos superiores, graduação e pós, as regras para trabalho são outras. O tempo para se conseguir um emprego ao chegar ao país de destino varia conforme a época do ano, cidade, país, empenho do aluno e nível de inglês.

É importante ter um currículo bem elaborado e conversar com muitas pessoas em busca de indicações. Os trabalhos mais comuns são ligados à área de serviços, hotelaria e turismo.

Cada país tem suas regras e suas particularidades. A escolha do destino é muito pessoal e o melhor país é aquele que se encaixa melhor no perfil de cada um.

Por isso, é importante procurar uma agência de intercâmbio confiável e contar com a ajuda de consultores educacionais. Trabalhar no período do intercâmbio é uma excelente maneira de tornar seu sonho possível, pois pode ajudar a pagar as despesas no país.

Além disso, é uma excelente forma de aumentar a rede de relacionamentos, aprimorando o idioma e conhecendo mais a fundo a cultura do país.

* Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira é diretora de marketing da Global Study, franquia de intercâmbios.



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques