Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Transparência nos negócios: valorização do funcionário

Transparência nos negócios: valorização do funcionário

12/10/2018 Brenda Donatto

Não é de hoje que o mundo corporativo vive à sombra de um estigma financeiro.

Muitos veem o lucro como o principal objetivo das empresas, colocando seus funcionários como “números”, ou “máquinas de fazer dinheiro”, sem dar a eles a real importância que detêm para o crescimento de seus negócios.

Embora isso ainda seja verdade em muitas companhias, o cenário tem se transformado em muitas outras. Cada vez mais, as organizações compreendem que valorizar seus colaboradores significa valorizar seu próprio empreendimento, uma vez que são esses funcionários quem dão vida aos negócios e fazem tudo realmente funcionar.

A forma como um colaborador é tratado não só reflete nos valores de uma empresa, como, também, na maneira como os clientes são tratados – e é isso que, posteriormente, ajudará a formar a imagem e reputação da marca no mercado. Funciona como um círculo onde um fator está totalmente ligado ao outro; e eles podem ser determinantes para o sucesso ou para o fracasso de uma organização.

É importante lembrar que os benefícios estabelecidos por leis trabalhistas não fazem parte desse processo de valorização do funcionário – são apenas o cumprimento da legislação, o básico. Para se diferenciar e valorizar realmente seus colaboradores, as empresas devem buscar alternativas humanizadas e diferenciadas, que incentivem seu time com ações extras ao que determina o regime CLT.

Mais do que benefícios, se faz necessário criar um ecossistema saudável dentro da organização – tanto para a empresa, quanto para os funcionários - onde ambos só têm a ganhar. Um estudo conduzido pelo especialista Andrew Oswald, da Universidade de Warwick (Reino Unido), apontou que empregados felizes são 12% mais produtivos.

Sonja Lyubomirsky, da Universidade da Califórnia (EUA), mostra que há aumento de 37% nas vendas e três vezes mais criatividade dos funcionários mais satisfeitos – ou seja, investir em seus funcionários significa investir em sua organização.

Podemos listar ainda, benefícios dessas boas práticas de RH por dois pontos de vistas diferentes: do ponto de vista humano, valorizar seus colaboradores é cada vez mais essencial uma vez que, geralmente, passamos mais tempo de nossas vidas no trabalho do que em casa. Assim, nada mais justo que esse ambiente de trabalho agradável e leve.

Do ponto de vista dos negócios também, pois como apontam as pesquisas, um funcionário feliz trabalha mais empenhado e veste, de fato, a camisa da organização com orgulho de fazer parte do time, entregando seu trabalho com mais qualidade e empenho.

Certa vez encontrei uma frase de um autor desconhecido que é perfeita para concluir esse raciocínio: “Você não constrói uma empresa, você constrói um time. Esse time é quem faz a empresa” – é isso! Se empreendedores e líderes tiverem essa visão, estaremos cada vez mais próximos da transparência nos negócios que todos buscam.

* Brenda Donatto é diretora de Recursos Humanos da Embracon Consórcios.

Fonte: RMA Comunicação



Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.


Os perigos do Transporte Aéreo Clandestino

Os regulamentos aeronáuticos buscam estabelecer critérios mínimos a serem seguidos pelos integrantes da indústria em questão.


A agenda do dia seguinte

A reforma da Previdência será aprovada no Congresso, salvo fatos graves e imprevistos. A dúvida, hoje, se restringe a quanto será, efetivamente, a economia do governo, em dez anos, já que as estimativas variam entre 500 a 900 bilhões de reais.


Comissão de Justiça e Paz

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.