Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Transparência nos negócios: valorização do funcionário

Transparência nos negócios: valorização do funcionário

12/10/2018 Brenda Donatto

Não é de hoje que o mundo corporativo vive à sombra de um estigma financeiro.

Muitos veem o lucro como o principal objetivo das empresas, colocando seus funcionários como “números”, ou “máquinas de fazer dinheiro”, sem dar a eles a real importância que detêm para o crescimento de seus negócios.

Embora isso ainda seja verdade em muitas companhias, o cenário tem se transformado em muitas outras. Cada vez mais, as organizações compreendem que valorizar seus colaboradores significa valorizar seu próprio empreendimento, uma vez que são esses funcionários quem dão vida aos negócios e fazem tudo realmente funcionar.

A forma como um colaborador é tratado não só reflete nos valores de uma empresa, como, também, na maneira como os clientes são tratados – e é isso que, posteriormente, ajudará a formar a imagem e reputação da marca no mercado. Funciona como um círculo onde um fator está totalmente ligado ao outro; e eles podem ser determinantes para o sucesso ou para o fracasso de uma organização.

É importante lembrar que os benefícios estabelecidos por leis trabalhistas não fazem parte desse processo de valorização do funcionário – são apenas o cumprimento da legislação, o básico. Para se diferenciar e valorizar realmente seus colaboradores, as empresas devem buscar alternativas humanizadas e diferenciadas, que incentivem seu time com ações extras ao que determina o regime CLT.

Mais do que benefícios, se faz necessário criar um ecossistema saudável dentro da organização – tanto para a empresa, quanto para os funcionários - onde ambos só têm a ganhar. Um estudo conduzido pelo especialista Andrew Oswald, da Universidade de Warwick (Reino Unido), apontou que empregados felizes são 12% mais produtivos.

Sonja Lyubomirsky, da Universidade da Califórnia (EUA), mostra que há aumento de 37% nas vendas e três vezes mais criatividade dos funcionários mais satisfeitos – ou seja, investir em seus funcionários significa investir em sua organização.

Podemos listar ainda, benefícios dessas boas práticas de RH por dois pontos de vistas diferentes: do ponto de vista humano, valorizar seus colaboradores é cada vez mais essencial uma vez que, geralmente, passamos mais tempo de nossas vidas no trabalho do que em casa. Assim, nada mais justo que esse ambiente de trabalho agradável e leve.

Do ponto de vista dos negócios também, pois como apontam as pesquisas, um funcionário feliz trabalha mais empenhado e veste, de fato, a camisa da organização com orgulho de fazer parte do time, entregando seu trabalho com mais qualidade e empenho.

Certa vez encontrei uma frase de um autor desconhecido que é perfeita para concluir esse raciocínio: “Você não constrói uma empresa, você constrói um time. Esse time é quem faz a empresa” – é isso! Se empreendedores e líderes tiverem essa visão, estaremos cada vez mais próximos da transparência nos negócios que todos buscam.

* Brenda Donatto é diretora de Recursos Humanos da Embracon Consórcios.

Fonte: RMA Comunicação



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan