Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Três ordens do amor

Três ordens do amor

11/03/2024 Mary Cristiane

Já imaginou a possibilidade de desfazer padrões repetitivos e negativos das gerações passadas?

As Leis Sistêmicas, denominadas por Bert Hellinger como "Ordens do Amor", formam a base do pensamento sistêmico e regem as relações humanas.

No total, são três leis fundamentais que demandam respeito para manter a harmonia: Lei do Pertencimento, Lei do Equilíbrio e Lei da Hierarquia.

A Lei do Pertencimento destaca o direito igualitário de todos pertencerem ao núcleo familiar. Esta lei natural opera independentemente da nossa vontade e exige a inclusão de todos os membros, vivos ou mortos. A exclusão de qualquer indivíduo pode gerar desequilíbrio e repercutir de forma negativa.

Já a segunda lei, a do Equilíbrio, permeia todas as relações humanas. Funciona como uma balança que busca a equivalência nas trocas, especialmente nos relacionamentos conjugais.

A vida, o maior presente que se pode receber da família, implica uma díade constante de concessões entre pais e filhos.

A quebra dessa dinâmica, seja por disfuncionalidade parental ou arrogância, pode gerar conflitos que se estendem para além do âmbito familiar e que afetam toda a sociedade.

Uma troca equilibrada nas relações exige a aceitação de receber sem necessariamente compensar, evita que o desejo de doar se transforme em desequilíbrio.

Quando há um comprometimento excessivo com a compensação, a hierarquia é distorcida e gera uma sensação de sobrecarga, de injustiça.

Aqueles que se colocam como superiores aos pais e ancestrais podem criar um desequilíbrio nas relações e assumirem um papel inadequado.

A última ordem do amor, a Lei da Hierarquia, orienta-se pela chegada cronológica ao sistema. Isso indica que os membros mais antigos têm preferência diante dos mais recentes.

Ela prioriza a família atual sobre a anterior, independentemente da qualidade do relacionamento precedente. Respeitar avós, pais e irmãos mais velhos é essencial. Sendo assim, o valor está em reconhecer a contribuição de cada geração para a continuidade do legado.

Bert Hellinger ainda destaca que a profundidade da vinculação diminui com cada nova relação, mas a precedência dela não implica necessariamente em qualidade no amor.

Todos os antepassados são fundamentais para nossa existência, e, ao abrir espaço para novos vínculos, é crucial reverenciar a ancestralidade, reconhecer a força que possibilitou o surgimento da ordem atual e a expansão do legado.

Em síntese, compreender e respeitar as “Ordens do Amor” possibilita promover relações mais saudáveis e sustentáveis, além de romper com padrões disfuncionais que atravessam gerações.

* Mary Cristiane é advogada e psicóloga, com especialização em Psicopedagogia Institucional e Clínica e experiência em Justiça Restaurativa, autora do livro Amarras do Destino.

Para mais informações sobre amor clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: LC Agência de Comunicação



A medicina é para os humanos

O grande médico e pintor português Abel Salazar, que viveu entre 1889 e 1946, dizia que “o médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe”.

Autor: Felipe Villaça


Dia de Ogum, sincretismo religioso e a resistência da umbanda no Brasil

Os Orixás ocupam um lugar central na espiritualidade umbandista, reverenciados e cultuados de forma a manter viva a conexão com as divindades africanas, além de representar forças da natureza e aspectos da vida humana.

Autor: Marlidia Teixeira e Alan Kardec Marques


O legado de Mário Covas ainda vive entre nós

Neste domingo, dia 21 de abril, Mário Covas completaria 94 anos de vida. Relembrar sua vida é resgatar uma parte importante de nossa história.

Autor: Wilson Pedroso


Elon Musk, liberdade de expressão x TSE e STF

Recentemente, o ministro Gilmar Mendes, renomado constitucionalista e decano do Supremo Tribunal Federal, ao se manifestar sobre os 10 anos da operação Lava-jato, consignou “Acho que a Lava Jato fez um enorme mal às instituições.”

Autor: Bady Curi Neto


Senado e STF colidem sobre descriminalizar a maconha

O Senado aprovou, em dois turnos, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das Drogas, que classifica como crime a compra, guarda ou porte de entorpecentes.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


As histórias que o padre conta

“Até a metade vai parecer que irá dar errado, mas depois dá certo!”

Autor: Dimas Künsch


Vulnerabilidades masculinas: o tema proibido

É desafiador para mim escrever sobre este tema, já que sou um gênero feminino ainda que com certa energia masculina dentro de mim, aliás como todos os seres, que tem ambas as energias dentro de si, feminina e masculina.

Autor: Viviane Gago


Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado