Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Trump e as regras de governo

Trump e as regras de governo

10/11/2016

A brincadeira - pelo que tudo indica - acabou...

A eleição de Donald Trump surpreende o mundo e provoca reação no mercado de capitais, o mais sensível dos termômetros de acontecimentos político-sociais ao redor do mundo.

O irreverente homem de negócios chega è presidência contra a vontade de expressiva parcela do seu próprio partido, mas com os votos dos trabalhadores que se sentem prejudicados com a globalização.

Seu primeiro discurso de eleito é conciliador, o oposto da tresloucada pregação de campanha, onde prometeu fazer um muro na divisa com o México para conter imigrantes, criticou os latinos, inclusive os brasileiros, e ameaçou expulsar os muçulmanos do território estadunidense. Num primeiro momento, sua fala chega a lembrar a declaração do presidente brasileiro que, uma vez eleito, falou “esqueçam o que eu disse”, referindo-se ao seu passado contestador.

Pelo que se observa desde os primeiros instantes da chamada “era Trump”, o futuro presidente é alguém consciente das limitações que a liturgia do cargo impõe ao seu ocupante. Seu discurso agressivo, na verdade, foi apenas o marketing para conquistar o eleitorado descontente e, como o voto do norte-americano é facultativo, a arma para motivar o eleitor a votar.

Hillary Clinton, apontada nas pesquisas como a favorita, não conseguiu convencer os seus apoiadores a comparecerem às urnas. Diferente dos países latino-americanos e de outras áreas “em desenvolvimento”, os EUA têm regras fixas de governança.

Nem as tragédias lá registradas foram capazes de desviar o país do estabelecido na Constituição, que data de mais de 200 anos. Por mais irresponsável que possa parecer segundo as amostras deixadas por sua campanha, o novo presidente não conseguirá fazer nada além do trivial.

Não será capaz de, sozinho, lançar o país em aventuras, estabelecer sistemas criminosos ou antissociais como os vistos em outros pontos do mundo (inclusive no Brasil) e dificilmente terá como cumprir os exageros prometidos em campanha.

Na verdade, o que ocorreu na campanha foi a exclusiva aplicação do marketing agressivo para a busca dos votos. A partir do primeiro discurso do eleito, começam as desculpas porque, naquele país, a burocracia tem regras próprias e o Legislativo e o Judiciário são poderes efetivos e jamais permitirão que um trapalhão faça do Executivo seu brinquedo pessoal ou arma de instabilidade, corrupção ou xenofobia. A brincadeira – pelo que tudo indica – acabou...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder


O gato que caiu dentro das latas de tinta

Todas as histórias começam com Era uma Vez… A minha não vai ser diferente.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Apesar da polarização radical, brasileiros não abrem mão da Democracia

Desde as eleições presidenciais de 2018, temos percebido a intensificação da polarização política no país, com eleitores cada vez mais divididos.

Autor: Wilson Pedroso