Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Um ano novo com muito crédito

Um ano novo com muito crédito

05/02/2018 Dr. Luiz Felipe Perrone dos Reis

Menos inadimplência, mais crédito!

Considerando que o crédito é um dos mais importantes motores das economias desenvolvidas, é animador constatar que, em novembro último, segundo os dados oficiais mais atualizados do Banco Central, a taxa de inadimplência das operações de empréstimos do sistema financeiro nacional, considerados atrasos superiores a 90 dias, atingiu 3,6% da carteira, mantendo-se praticamente estável, posicionando-se em 3,8% no âmbito das famílias e 3,3% no tocante às empresas.

Embora a inadimplência ainda esteja alta, refletindo os efeitos da crise, a estabilidade da taxa sinaliza um movimento de redução ao longo de 2018. Essa tendência é coerente com a realidade que vimos constatando no dia a dia de nossa atividade profissional referente à recuperação de crédito.

Temos observado, notadamente a partir do segundo semestre de 2017, uma preocupação mais acentuada dos devedores, pessoas físicas e jurídicas, no sentido de pagar suas dívidas. Nesse contexto, sintoma positivo, considerando a importância dos dois setores para a economia nacional, é a crescente disposição das empresas de agronegócio e serviços em solucionar seus débitos.

Outro dado recente do Banco Central, constante de pesquisa com profissionais do mercado, indica que o volume de crédito com recursos livres deverá crescer 5,4% em 2018, ante queda de 0,7% em 2017. A previsão inclui as famílias e as pequenas e médias empresas.

Menos inadimplência, mais crédito! Esta é uma equação que deverá ser fundamental no ano novo para a consolidação da tendência de retomada do crescimento do PIB, somando-se a outros fatores positivos, como a queda dos juros, a baixa inflação e a injeção de recursos na economia advindos dos acordos sobre a remuneração da Caderneta Poupança nos pacotes econômicos dos anos 80 e 90.

A reforma trabalhista é outro item que contribui para revitalizar a economia. Seria melhor ainda se, em 2018, fosse concretizada a reforma tributária, reduzindo os ônus dos elevados impostos, cujo impacto é grande no “custo Brasil”. Levando-se em conta todas essas sinalizações positivas, é fácil entender por que o Boletim Focus do Banco Central, em sua última edição até a data em que escrevi este artigo, indicava expectativa do mercado de que o PIB crescerá 2,6% em 2018, superando a previsão anterior, de 2,2%.

Trata-se de uma expansão ainda tímida para o Brasil, que precisa de incremento anual em torno de 4% para ascender, em médio prazo, à condição de país de alta renda, deixando o patamar mediano no qual temos patinado há muitos anos. Todos os números evidenciam que a recuperação nacional, embora em ritmo moderado, mostra-se consistente.

É notável a resiliência e reação dos brasileiros à maior recessão de nossa história e à grave crise política atrelada ao impeachment da presidente da República e aos casos de corrupção que seguem sendo apurados e punidos.

As instituições democráticas, que se mantêm firmes e nos têm ajudado a superar todas essas adversidades, nos oferecerão neste ano novo, nas eleições de outubro, mais uma grande oportunidade de melhorar o Brasil. Vamos mostrar ao mundo que, na economia e na política, somos um povo que merece crédito!

* Dr. Luiz Felipe Perrone dos Reis é sócio-diretor do escritório Paulo Reis Advogados Associados, que possui matriz em Bebedouro (SP) e escritórios em São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP) e Frutal (MG).



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.