Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um desafio atrás do outro

Um desafio atrás do outro

01/12/2016 Mário Guitti

A indústria automotiva enfrenta fase especialmente desafiadora.

Além de buscar novas rotas para sobreviver ao atual momento de profunda instabilidade econômica, as empresas têm mais trabalho pela frente: os dois sistemas da qualidade até então mais utilizados pelo setor – a ISO 9001:2008 e a ISO TS 16949:2009 – ganharam novas versões com prazos relativamente curtos para implantação.

Lideranças da indústria automotiva estão prognosticando a recuperação para 2025. A última crise levou exatamente isto: 10 longos anos! Talvez alguns setores da economia brasileira consigam reagir antes disso, mas o PIB precisa melhorar.

Alguns alegam que a crise é mundial, mas o mundo venderá 90 milhões de veículos em 2016 e o Brasil ficará com 2 milhões ante quase 4 milhões de unidades. Neste cenário de incertezas, é certo que não entrarão na jogada as empresas que não conseguirem implantar as novas normas da qualidade até setembro de 2018.

Com estruturas e recursos reduzidos em função de seus próprios negócios, que também perderam volumes, as empresas já precisam se preparar para aplicar a IATF 16949:2016 em conjunto com a ISO 9001:2015.

Responsável por definir os requisitos dos sistemas de qualidade no setor automotivo, a IATF 16949:2016 deve ser aplicada pelas organizações até 14 de setembro de 2018, quando os certificados baseados na ISO 9001:2008 perderão a validade.

Implantar as normas pode ser mais complexo do que se imagina porque não requer somente conhecimento. Muitas vezes é preciso mudar os valores das pessoas e desenvolver um amadurecimento para que se possa agir com propriedade.

A ISO 9001:2015, por exemplo, apresenta evolução no conceito de sistema, o que exige um grande salto da sociedade para realizar a mudança dos parâmetros. As mudanças na ISO 9001:2015 são muito qualitativas e envolvem, por exemplo, a alta direção de uma empresa.

Anteriormente o representante da administração podia responder pelo sistema de qualidade, mas agora a alta direção precisará assumir este posto. É um avanço porque esse acompanhamento próximo permitirá às lideranças conhecerem mais profundamente os indicadores para a melhoria da gestão.

Outro ponto importante nesta norma, também compartilhado pela IATF 16949:2016, é a exigência da análise de riscos pelas empresas. Agora, as organizações precisam analisar todos os riscos, inclusive os inerentes aos processos de produção.

Devem pensar com antecedência em todas as possibilidades de risco e trabalhar preventivamente ao invés de deixar o problema acontecer para fazer corretivos. As organizações devem analisar as novas normas e implementar as mudanças necessárias aos sistemas de gestão.

Antes de iniciarem as auditorias externas, as empresas precisam realizar as auditorias internas de maneira bem detalhada e aplicar planos de ações eficazes para o caso de não conformidades encontradas. Outra novidade é a forma de interagir com as duas normas.

Antes era possível olhar o primeiro ponto e aplicá-lo, depois o segundo e assim por diante. Agora é preciso entender a norma como um todo para poder aplicá-la porque um mesmo tema pode ser encontrado em vários capítulos. É um complicador para a adaptação das pessoas.

Paralelamente à mobilização das empresas, os organismos de certificação também devem capacitar os seus auditores porque as organizações já poderão fazer a migração a partir de fevereiro. No mais tardar, as empresas deverão realizar as auditorias em maio de 2018 porque precisarão de tempo para correções caso ocorram não conformidades.

Os prazos para implantação das normas são curtos, o que demandará cooperação entre as organizações e o organismo de certificação para melhor planejamento da auditoria. Fora a implantação dos dois sistemas de qualidade, há na indústria automotiva interações com outros manuais como as publicações VDA, que devem ser aplicadas por todas as empresas de origem alemã.

Existem ainda as certificações compulsórias de produtos, como pneus e componentes de motos, que também precisam ser implementadas em prazos determinados. É desafio atrás de desafio!

* Mário Guitti é superintendente do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva.



Educação e civilidade faltam a parlamentares federais

Educação e civilidade são o mínimo que se espera de um parlamentar.


O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades.


A sub-representação no Congresso Nacional

No Congresso Nacional somente 10% dos representantes na Câmara dos deputados são mulheres.


A moralização do Brasil é muito difícil

Ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas no presente e no futuro.


Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas


Ordem no Parlamento!

Desde os tempos do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Congresso Nacional tem imposto espetáculos degradantes aos brasileiros.


O lavrador, e o filho Doutor

Quando era moço, muitas vezes ouvi contar a velha história ou anedota, do transmontano, que mandara o filho, estudar, para Coimbra.


Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

Brasil e Argentina são parceiros de longa data.


Benefícios fiscais: concessão e requisitos

O custo fiscal sempre é objeto de discussão, críticas e polêmicas.


O que o Brasil precisa

Todos os brasileiros hoje estão preocupados com os destinos do Brasil.


Cadeirinha: por que a segurança infantil não pode ser item opcional?

Proteger as crianças pequenas e a infância é uma responsabilidade de todos nós


O uso do Crowdfunding para o desenvolvimento de M.V.Ps de startups

O processo de consolidação do chamado Capital de Risco (Venture Capital) é uma realidade cada vez mais evidente no ecossistema empreendedor brasileiro.