Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Um desafio atrás do outro

Um desafio atrás do outro

01/12/2016 Mário Guitti

A indústria automotiva enfrenta fase especialmente desafiadora.

Além de buscar novas rotas para sobreviver ao atual momento de profunda instabilidade econômica, as empresas têm mais trabalho pela frente: os dois sistemas da qualidade até então mais utilizados pelo setor – a ISO 9001:2008 e a ISO TS 16949:2009 – ganharam novas versões com prazos relativamente curtos para implantação.

Lideranças da indústria automotiva estão prognosticando a recuperação para 2025. A última crise levou exatamente isto: 10 longos anos! Talvez alguns setores da economia brasileira consigam reagir antes disso, mas o PIB precisa melhorar.

Alguns alegam que a crise é mundial, mas o mundo venderá 90 milhões de veículos em 2016 e o Brasil ficará com 2 milhões ante quase 4 milhões de unidades. Neste cenário de incertezas, é certo que não entrarão na jogada as empresas que não conseguirem implantar as novas normas da qualidade até setembro de 2018.

Com estruturas e recursos reduzidos em função de seus próprios negócios, que também perderam volumes, as empresas já precisam se preparar para aplicar a IATF 16949:2016 em conjunto com a ISO 9001:2015.

Responsável por definir os requisitos dos sistemas de qualidade no setor automotivo, a IATF 16949:2016 deve ser aplicada pelas organizações até 14 de setembro de 2018, quando os certificados baseados na ISO 9001:2008 perderão a validade.

Implantar as normas pode ser mais complexo do que se imagina porque não requer somente conhecimento. Muitas vezes é preciso mudar os valores das pessoas e desenvolver um amadurecimento para que se possa agir com propriedade.

A ISO 9001:2015, por exemplo, apresenta evolução no conceito de sistema, o que exige um grande salto da sociedade para realizar a mudança dos parâmetros. As mudanças na ISO 9001:2015 são muito qualitativas e envolvem, por exemplo, a alta direção de uma empresa.

Anteriormente o representante da administração podia responder pelo sistema de qualidade, mas agora a alta direção precisará assumir este posto. É um avanço porque esse acompanhamento próximo permitirá às lideranças conhecerem mais profundamente os indicadores para a melhoria da gestão.

Outro ponto importante nesta norma, também compartilhado pela IATF 16949:2016, é a exigência da análise de riscos pelas empresas. Agora, as organizações precisam analisar todos os riscos, inclusive os inerentes aos processos de produção.

Devem pensar com antecedência em todas as possibilidades de risco e trabalhar preventivamente ao invés de deixar o problema acontecer para fazer corretivos. As organizações devem analisar as novas normas e implementar as mudanças necessárias aos sistemas de gestão.

Antes de iniciarem as auditorias externas, as empresas precisam realizar as auditorias internas de maneira bem detalhada e aplicar planos de ações eficazes para o caso de não conformidades encontradas. Outra novidade é a forma de interagir com as duas normas.

Antes era possível olhar o primeiro ponto e aplicá-lo, depois o segundo e assim por diante. Agora é preciso entender a norma como um todo para poder aplicá-la porque um mesmo tema pode ser encontrado em vários capítulos. É um complicador para a adaptação das pessoas.

Paralelamente à mobilização das empresas, os organismos de certificação também devem capacitar os seus auditores porque as organizações já poderão fazer a migração a partir de fevereiro. No mais tardar, as empresas deverão realizar as auditorias em maio de 2018 porque precisarão de tempo para correções caso ocorram não conformidades.

Os prazos para implantação das normas são curtos, o que demandará cooperação entre as organizações e o organismo de certificação para melhor planejamento da auditoria. Fora a implantação dos dois sistemas de qualidade, há na indústria automotiva interações com outros manuais como as publicações VDA, que devem ser aplicadas por todas as empresas de origem alemã.

Existem ainda as certificações compulsórias de produtos, como pneus e componentes de motos, que também precisam ser implementadas em prazos determinados. É desafio atrás de desafio!

* Mário Guitti é superintendente do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva.



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.