Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um novo mercado de computadores

Um novo mercado de computadores

17/08/2017 Francisco Ferreira

O mercado de desktops e notebooks vive nos últimos anos um período de poucos holofotes.

A proliferação de smartphones, compactos e com múltiplas funções, fez com que os computadores dividissem o reinado absoluto que tinham no mercado de tecnologia em termos de novidade e inovação.

Isso significa que os smartphones estão mais avançados que desktops e notebooks atuais? De maneira alguma! Sabemos que a tecnologia vem se aprimorando a cada dia não só nos dispositivos móveis e que muitas das nossas tarefas atuais – em especial no segmento corporativo – não podem se limitar ao uso dos smartphones.

Nessa nova jornada dos PCs e notebooks no mercado atual, os fabricantes estão trazendo novidades que satisfazem e antecipam as demandas do mercado em termos de novas tecnologias de memória, velocidade e alcance do Bluetooth, design do teclado, assistentes virtuais e capacidade gráfica da tela, por exemplo, tornando os produtos ainda mais eficientes e competitivos.

Uma pesquisa recente prevê que o Brasil deva ter um computador para cada habitante entre 2020 e 2022, quando o número será de 210 milhões de computadores. Hoje, eles estão com 80% dos brasileiros. A utilização de computadores no País ainda fica muito abaixo do que ocorre nos Estados Unidos, que chega a 151% em relação ao número de habitantes.

Atualmente, temos 162,8 milhões de notebooks, tablets e desktops no Brasil, um crescimento de 5% na base instalada com relação ao levantamento de 2015. Até o final do ano, serão 166 milhões de computadores em uso – número que inclui cerca de 33 milhões de tablets. Além disso, houve uma queda no dólar e, com isso, estima-se que o preço médio dos computadores registrado em 2016 teve diminuição de 22%.

Como consequência, no primeiro semestre de 2017, esses pontos se refletiram nas vendas de PCs com uma recuperação de aproximadamente 5% em relação aos anos anteriores. A taxa é pequena, porém expressiva diante do mercado como um todo. Há ainda quem diga que os PCs e notebooks vão sumir em breve. Eu não acredito nisso. Quando a TV foi lançada, na primeira metade do século passado, acharam que o rádio deixaria de existir.

Hoje, vemos que ambos convivem bem. Há espaço para todos e o mercado de computadores mantém seu potencial. A utilização de notebooks deve seguir forte. No mercado corporativo, muitos colaboradores já trabalham em modelo home office, que demanda dispositivos de alta capacidade. Em comparação com um smartphone de alta tecnologia, por exemplo, a compra de um notebook ou PC se mantém essencial.

A adoção dos computadores nas residências do Brasil também tem potencial de progresso com produtos que se encaixam com mais precisão às necessidades do consumidor final. Por exemplo, jogadores de games precisam de máquinas com memórias que suportem o peso dos jogos e que tenham telas com maior capacidade gráfica, entre outros diferenciais.

O mercado de games segue em constante crescimento (aumentou 8,5% de 2015 para 2016, com faturamento global de US$ 99,6 bilhões) e os computadores representam a maior fatia (32%) desse setor. Com tecnologias cada vez mais inovadoras e com potencial de crescimento nos segmentos pessoal e corporativo, enxergo um futuro promissor.

Dispositivos móveis, desktops e notebooks continuarão a fazer parte do nosso dia a dia. A escolha de compra entre eles depende da necessidade e pretensão do usuário. O ponto crucial desse mercado é que fabricantes de notebooks e desktops mantenham seus papéis de protagonistas dos mercados de tecnologia de ponta e de inovação.

* Francisco Ferreira é Diretor de Varejo da DATEN.



O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho