Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um olhar cuidadoso para o universo do trabalho

Um olhar cuidadoso para o universo do trabalho

27/04/2024 Kethe de Oliveira Souza

A atividade laboral faz parte da vida dos seres humanos desde sua existência, seja na forma mais artesanal, seja na industrial.

Assim como houve a evolução do sujeito no mundo, os diversos tipos de trabalho também sofreram influências ao longo da história. 

Calcule o tempo dispensado para o trabalho e você logo vai perceber que passa boa parte da vida realizando tais atividades. É necessário direcionar um olhar cuidadoso para tudo o que desenvolvemos no universo do trabalho.

Exercer atividades que nos estimulem, que nos deixem felizes e realizados, não deveria ser um tema tão distante da realidade. Não deveria ser algo utópico.

Para isso, todos precisam ter clareza do que queremos, das atividades que geram prazer, obviamente atrelado à remuneração, que é algo necessário para todos.

Ao longo da vida, também podemos mudar nossos interesses e passar a desejar outras atividades, mas muitas vezes não somos validados pelo outro ou por nós mesmos. Fazer mudanças gera desconforto.

Quando crianças, somos questionados sobre o que queremos ser quando crescer – e muitas são as respostas, na maioria das vezes, motivadas pelo desejo dos próprios pais, por uma relação afetuosa com alguém que serve como inspiração naquele momento.

Não era incomum o desejo da futura profissão estar associado a dinheiro e status. Vejam, no mudo da fantasia, o “ter” sobressaía ao prazer de exercer uma determinada atividade.

Hoje já temos um discurso concorrente ao do passado, fala-se muito em uma relação de equilíbrio na qual o prazer e a manutenção da saúde mental prevaleçam na escolha da atividade profissional.

As condições que podem gerar qualquer doença relacionada ao trabalho são levadas em consideração há longo tempo. As comissões de prevenção a acidentes (Cipas), nas empresas, são exemplos disso.

Sua formação é uma exigência do Ministério do Trabalho, mas costumam receber apoio das organizações para o desenvolvimento de atividades diversas relacionadas à prevenção.

A preocupação com a saúde mental já fazia parte dos temas abordados por essas comissões, mas passou a ganhar força durante a pandemia do Covid.

São pontos de reflexão para o dia 28 de abril, instituído como o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, em memória às vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.

Além disso a data chama a atenção para um futuro de trabalho seguro e saudável. Sugiro uma atenção especial ao tema do autocuidado no ambiente de trabalho.

Seguir as orientações de segurança estabelecida para o desenvolvimento de cada atividade é uma responsabilidade individual (do trabalhador) e coletiva (da empresa).

Ser sujeito protagonista exige uma postura ativa frente à vida, considerando que a terceirização da existência dos nossos conflitos não vai mudar nossa condição de sofrimento – dessa forma, todos somos responsáveis pela melhoria dos processos de segurança.

* Kethe de Oliveira Souza é psicóloga no Hospital Dona Helena, de Joinville (SC).

Para mais informações sobre trabalho clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Mercado de Comunicação



PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques


Violência urbana no Brasil, uma guerra desprezada

Reportagem recente do jornal O Estado de S. Paulo, publicada no dia 3 de março, revela que existem pelo menos 72 facções criminosas nas prisões brasileiras.

Autor: Samuel Hanan


Mundo de mentiras

O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou um mundo de mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Um País em busca de equilíbrio e paz

O ambiente político-institucional brasileiro não poderia passar por um tempo mais complicado do que o atual.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nem Nem: retratos do Brasil

Um recente relatório da OCDE coloca o Brasil em segundo lugar entre os países com maior número de jovens que não trabalham e nem estudam.

Autor: Daniel Medeiros


Michael Shellenberger expôs que o rei está nu

Existe um ditado que diz: “não é possível comer o bolo e tê-lo.”

Autor: Roberto Rachewsky