Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um relato sobre Ação Humana

Um relato sobre Ação Humana

11/09/2014 Natália Vilarouca

Quando eu tinha meus treze anos de idade, sentia muita vontade de mudar meu cabelo. Queria que ele ficasse liso para que fosse mais prático me arrumar.

Minha mãe discordava veementemente e não queria me dar o dinheiro para que eu concretizasse minha vontade. Entretanto nunca fui birrenta. Sempre tentava encontrar uma maneira pacífica de convencê-la, embora isso não fosse sempre possível. Brigávamos então.

Nessa época, lembro que já estava difícil conseguir empregadas domésticas. Ninguém queria trabalhar na minha casa e mamãe já estava arrancando os cabelos. Foi então que decidi fazer um trato com ela. Eu faria o serviço doméstico. Algumas faxinas, claro. Em troca, eu poderia fazer o tratamento no salão de beleza. Mamãe viu que era um bom negócio e ambas ficamos satisfeitas. É assim que funcionam as chamadas trocas voluntárias. Dois polos entram num consenso, cada um visando obter o maior grau de satisfação possível.

Passando de um estágio menos favorável, para um mais favorável. É essa direção tomada pela ação humana, de acordo com a praxeologia. Diriam alguns que eu era a parte mais frágil da relação por ser filha, menor, estar sob o julgo de minha mãe e que ela poderia me obrigar a realizar as tarefas domésticas sem me retribuir por isso. Discordo completamente. Embora eu ainda fosse menor, já detinha discernimento para escolher e queria definitivamente empregar meus esforços para alcançar meus fins.

E se ela me obrigasse a realizar as tarefas, já não estaríamos falando de trocas voluntárias, mas de uma relação hegemônica. Algo, portanto, que não se encontra na esfera contratual. Cada parte dentro de uma relação contratual possui uma arma poderosa contra as arbitrariedades da parte contrária. Essa arma, como bem percebida por Adam Smith, é à vontade. Não existe troca sem a vontade. Cada polo contratual é dotado de autonomia para dizer "sim" ou "não".

Por esse motivo, não merece prosperar os argumentos daqueles que inflamados por doutrinas românticas e sentimentalistas, dividem os polos contratuais em: parte fraca e parte forte. Isso não é possível, senão por uma distorção da realidade. Claro que aqui não estamos falando dos chamados vícios de vontade ou consentimento. Falamos necessariamente da vontade livre, ou aquele que está consciente da tomada de sua decisão.

Não existe parte forte ou fraca quando de antemão sabemos que cada qual, desejando realizar aquela troca voluntária, fará o possível para empregar todos os meios hábeis para melhorar sua situação. Se há insatisfação depois, podemos apenas afirmar que são os dissabores normais da experiência humana ao relacionar-se com o outro, mas jamais exploração.

*Natália Vilarouca é Acadêmica de Direito da UNIFOR (Universidade de Fortaleza) e Especialista do Instituto Liberal.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli