Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Um vazio de lideranças

Um vazio de lideranças

20/05/2020 Wagner Siqueira

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.

Torna-se difícil identificá-los, na medida em que sua autoridade e autonomia se acham cada vez mais tolhidas por forças sobre as quais eles exercem pouco ou nenhum controle. Esta é uma constatação dramática de um problema nacional que ameaça transformar-se em catástrofe para o País.

Os escândalos de todos os dias, amplamente trombeteados pela imprensa, têm gravitado em torno de duas questões centrais, vitais para o nosso cotidiano: a corrupção generalizada - governamental e empresarial - e o vazio de lideranças.

A falência moral do establishment e do mundo corporativo, tanto no setor público quanto no de negócios, está a exigir um gigantesco esforço de recuperação, que somente será viável se as instituições públicas e empresariais contarem não só com gerentes ou executivos, mas com líderes dispostos a assumirem os destinos da sociedade.

É preciso o levantar de trincheiras concretas em defesa da regeneração do pensar e das atitudes, dos comportamentos e das ações de governo, dos Poderes da República, das empresas, das Ongs e das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), de organizações pias, de benemerência e religiosas, enfim, de todas as organizações, e, simultaneamente, destacar e exaltar as referências de lideranças autênticas para a construção de um novo tempo.

Embora os motivos tenham diferentes intensidades, profundidades e focos, os líderes estão escasseando em nosso País, para não dizer em todo o mundo.

A liberdade de que a liderança necessita como espaço vital de ação é cada vez menos compatível com os condicionamentos impostos às funções de um alto dirigente, tanto na área governamental quanto na empresarial.

Falo da liberdade responsável. Não falo dos déspotas, dos autocratas, dos libertinos e dos corruptos. São exatamente eles, cujo único objetivo é o poder pelo poder, o poder sobre e a despeito de qualquer compromisso com o bem comum, que comprovam a rarefação dos líderes.

Os autocratas afloram e vicejam, medram e “pedram” no poder exatamente porque há um vazio de liderança.

Raramente alguém tenta mudar a direção, a natureza, o caráter ou a cultura, a missão de suas organizações. As lideranças brasileiras são pródigas em dicotomizar o dizer e o fazer, para muito falar e pouco agir.

São incapazes de perceber além do trivial, do imediato, do paroquial e do provinciano. Podem até mudar, mas não inovar; aperfeiçoar o passado, mas não modelar o futuro. Pensam no amanhã com os olhos no retrovisor do ontem.

Os líderes de verdade raramente sobrevivem nas organizações castradoras da sociedade atual. Por isso, nossas organizações são repletas de executivos, mas vazias de líderes.

Por isso, sucumbem dóceis ao autoritarismo do “quem manda sou eu”, de qualquer audaz prepotente. Logo passam a servi-lo, quando não a endeusá-lo.

Isto acarreta um enorme risco ao desenvolvimento de organizações e sociedades dinâmicas, menos pelo líder autoritário considerado isoladamente, mas pela doutrinação ideológica que o sustenta e das massas de seguidores que o apoiam. Líderes assim só entendem “o poder sobre”; não conseguem perceber “o poder com”.

É por isso que o verdadeiro líder se sente mais empoderado ainda num contexto de líderes e não numa curriola de abúlicos.

O líder medíocre percebe o poder como algo finito, como um bolo que, à medida em que for repartido, somente poderá diminuir.

Por isso, fundamentalmente por isso, tantos dirigentes de topo nas organizações públicas e privadas são medíocres; e tantos medíocres são executivos no mundo das organizações e no universo da sociedade.

* Wagner Siqueira é Administrador atuante, com uma longa trajetória de trabalho dedicado à profissão, e filho de Belmiro Siqueira, Patrono da profissão no Brasil.

Fonte: Agência Drumond



Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?