Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma ciclovia e a responsabilidade

Uma ciclovia e a responsabilidade

03/05/2016 Ana Paula Oriola de Raeffray

A vida em sociedade exige que cada qual cumpra e assuma o seu quinhão de responsabilidade.

Uma ciclovia e a responsabilidade

O noticiário dos últimos dias foi dominado pelo lamentável acidente ocorrido na ciclovia localizada na cidade do Rio de Janeiro, na Avenida Niemeyer, cuja espetacular vista do mar e da natureza é, de fato, inesquecível.

Afinal, a própria avenida está encravada na rocha, o que já era de todo admirável como obra de engenharia e na época de ressacas sempre foi fustigada pela ferocidade do mar.

Aliás, a chamada Gruta da Imprensa, sobre a qual passa a ciclovia justamente no trecho em que houve o desabamento, sempre teve ondas altíssimas que ao mesmo tempo que despertam o fascínio suscitam grande temor.

Se a Avenida Niemeyer já é fortemente atingida pelas ressacas, então uma ciclovia praticamente pendurada ao seu lado está muito mais exposta a essa situação, mas parece que isso nem sequer foi considerado quando da elaboração e execução de seu projeto, sendo que segundo as informações que foram divulgadas nos jornais, a obra custou mais de R$ 45 milhões de reais aos cofres públicos.

Certamente a ciclovia Tim Maia é uma prioridade para cidade do Rio de Janeiro, pois resolveu-se gastar tal fortuna com a sua implantação em detrimento das inúmeras outras necessidades sociais que a cidade possui.

Situações como esta de uma ciclovia pendurada em um morro fustigado por ondas gigantescas sem nenhuma segurança causando a morte de pessoas ocorrem no Brasil porque as pessoas – físicas e jurídicas – não assumem as suas próprias responsabilidade, no sentido jurídico da palavra.

A vida em sociedade exige que cada qual cumpra e assuma o seu quinhão de responsabilidade.

É fato que a reparação de danos não deve ser pleiteada e deferida a torto e a direito, pois a situação de fato deve encaixar-se na teoria da responsabilidade civil, a qual compreende a aplicação de medidas que sujeitem uma pessoa a reparar o dano material ou moral causado a terceiros em virtude de ato por ele praticado.

A responsabilidade civil, portanto, é a obrigação de se reparar o dano material ou moral causado a outrem, desde que demonstrado que tal dano foi efetivamente causado. No que se refere ao fundamento da responsabilidade civil, existem duas teorias: de um lado, a doutrina subjetiva ou teoria da culpa, e, de outro lado, a doutrina objetiva, que faz abstração da culpa (responsabilidade sem culpa) e se concentra mais precisamente na teoria do risco.

Na responsabilidade subjetiva, o que se destaca no foco dos conceitos é a figura do ato ilícito, como ente dotado de características próprias, e identificado na sua estrutura, nos seus requisitos, nos seus efeitos e nos seus elementos.

Para a responsabilidade civil objetiva, existindo relação de causalidade entre o dano causado à vítima e o ato do agente, surge o dever de indenizar, mesmo que tenha este último agido ou não culposamente. Portanto, a obrigação de indenizar independe de culpa, bastando que fique demonstrada a existência do dano e o nexo de causalidade, onde neste caso, a culpa é presumida.

Na averiguação da responsabilidade civil é imprescindível que reste estabelecida a relação de causa e efeito entre o ato praticado pelo gestor suspeito e o dano ou prejuízo causado.

Cumpre, entretanto, mencionar, que o Código Civil em vigor, mesmo mantendo a regra geral da subjetividade, ampliou as hipóteses de responsabilização objetiva, conforme previsto no seu artigo 927: “Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. Parágrafo único. Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem.”

É certo que no Código Civil não estão indicadas expressamente quais as atividades que, por sua natureza, implicam em risco para os direitos de outrem, fixando-se uma forma aberta de responsabilidade objetiva, fato que transfere para o Poder Judiciário a sua conceituação.

A responsabilidade civil pode, ainda, revelar-se sob diferentes espécies, conforme a perspectiva em que se a analisa. Assim sendo, poderá ser classificada, quanto ao seu fato gerador, em contratual ou extracontratual.

A responsabilidade contratual pressupõe um contrato válido, concluído entre o responsável e a vítima, sendo que qualquer das partes contratantes, quando falta com a sua obrigação, responde pelo prejuízo que causou a outra, seja cumprindo compulsoriamente a obrigação, seja ressarcindo as perdas e os danos sofridos.

Toda esta teoria, aqui muito sucintamente exposta, deve ser observada aplicada com eficiência e eficácia pelo Poder Judiciário. No caso gravíssimo como o ocorrido na ciclovia Tim Maia não se deve permitir que mais uma vez não haja a responsabilização daqueles que agiram com culpa, pois não cumpriram devidamente as suas obrigações, ou até quem sabe com dolo, pois receber R$ 45 milhões e entregar uma obra sem a segurança devida em face dos fatores naturais a que está ela exposta, é ter a nítida intenção de causar um dano.

* Ana Paula Oriola De Raeffray é advogada, sócia do escritório Raeffray Brugioni Advogados, mestre e doutora em Direito das Relações Sociais pela PUC de SP



Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas